Jean-François Champollion

egiptólogo francês
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções para "Champollion", veja Champollion (desambiguação).

Jean-François Champollion (Figeac, 23 de dezembro de 1790Paris, 4 de março de 1832), também conhecido como Champollion le jeune,[nota 1] foi um filólogo, orientalista, egiptólogo, considerado o pai da egiptologia, que se tornou famoso pelos seus trabalhos sobre a cultura e a língua do Egito Antigo, e, em especial, por ter sido o principal responsável pela decifração dos hieróglifos egípcios.[1]

Jean-François Champollion
Jean-François Champollion
Nome completo Jean-François Champollion
Nascimento 23 de dezembro de 1790
Figeac, França
Morte 4 de março de 1832 (41 anos)
Paris, França
Ocupação egiptólogo
Principais trabalhos decifração dos hieróglifos egípcios

BiografiaEditar

Conhecido principalmente como o decifrador de hieróglifos egípcios e uma figura fundadora no campo da egiptologia. Parcialmente criado por seu irmão, o estudioso Jacques Joseph Champollion-Figeac, Champollion foi uma criança prodígio em filologia, dando seu primeiro artigo público sobre a decifração de Demotic em sua adolescência. Quando jovem, ele era famoso nos círculos científicos e falava Copta, grego antigo, latim, hebraico e árabe.[1]

 
A comparação de Champollion de sua própria decifração das letras no nome Ptolomeu, com a de Young (coluna do meio)

Durante o início do século XIX, a cultura francesa experimentou um período de 'Egiptomania', provocada pelas descobertas de Napoleão no Egito durante sua campanha lá (1798-1801), que também trouxe à luz a Pedra de Roseta trilíngue. Estudiosos debateram a idade da civilização egípcia e a função e natureza da escrita hieroglífica, qual língua ela gravou, e o grau em que os sinais eram fonéticos (representando sons da fala) ou ideográficos (gravando conceitos semânticos diretamente). Muitos pensavam que a escrita era usada apenas para funções sagradas e rituais e que, como tal, dificilmente seria decifrável, pois estava ligada a ideias esotéricas e filosóficas, e não registrava informações históricas. O significado da decifração de Champollion foi que ele mostrou que essas suposições estavam erradas e tornou possível começar a recuperar muitos tipos de informações registradas pelos antigos egípcios.[2][3]

Champollion viveu em um período de turbulência política na França que continuamente ameaçava interromper sua pesquisa de várias maneiras. Durante as Guerras Napoleônicas, ele conseguiu evitar o recrutamento, mas sua lealdade napoleônica fizeram com que ele fosse considerado suspeito pelo regime monarquista subsequente. Suas próprias ações, às vezes impetuosas e imprudentes, não ajudaram em seu caso. Suas relações com importantes figuras políticas e científicas da época, como Joseph Fourier e Silvestre de Sacy, o ajudaram, embora em alguns períodos tenha vivido exilado da comunidade científica.[4][5][6]

Em 1820, Champollion embarcou a sério no projeto de decifração da escrita hieroglífica, logo ofuscando as realizações do polímata britânico Thomas Young, que havia feito os primeiros avanços na decifração antes de 1819. Em 1822, Champollion publicou seu primeiro avanço na decifração da hieróglifos da pedra de Roseta, mostrando que o sistema de escrita egípcio era uma combinação de sinais fonéticos e ideográficos – a primeira escrita desse tipo descoberta. Em 1824, publicou um Précis na qual detalhou uma decifração da escrita hieroglífica demonstrando os valores de seus signos fonéticos e ideográficos. Em 1829, ele viajou para o Egito, onde pôde ler muitos textos hieroglíficos que nunca haviam sido estudados, e trouxe para casa um grande conjunto de novos desenhos de inscrições hieroglíficas. De volta para casa, ele recebeu uma cátedra de egiptologia, mas só lecionou algumas vezes antes de sua saúde, arruinada pelas dificuldades da jornada egípcia, obrigá-lo a desistir de ensinar. Ele morreu em Paris em 1832, 41 anos. Sua gramática do egípcio antigo foi publicada postumamente.[6][5][7]

Durante sua vida e muito depois de sua morte, intensas discussões sobre os méritos de sua decifração foram realizadas entre os egiptólogos. Alguns o culparam por não ter dado crédito suficiente às primeiras descobertas de Young, acusando-o de plágio, e outros por muito tempo contestaram a precisão de suas decifrações. Mas descobertas subsequentes e confirmações de suas leituras por estudiosos com base em seus resultados gradualmente levaram à aceitação geral de seu trabalho. Embora alguns ainda argumentem que ele deveria ter reconhecido as contribuições de Young, sua decifração agora é universalmente aceita e tem sido a base para todos os desenvolvimentos posteriores no campo. Consequentemente, ele é considerado o "Fundador e Pai da Egiptologia".[2][3][4]

 
Um extrato de "Lettre à M. Dacier".

TrabalhosEditar

 
Estátua de Jean-François Champollion no pátio do Collège de France, instituição para qual ele foi eleito titular da cadeira de Arqueologia em 1831.

PóstumosEditar

Notas

  1. Champollion, o jovem

Referências

  1. a b «CHAMPOLLION-Jean-Francois - INHA». web.archive.org. 5 de janeiro de 2017. Consultado em 3 de março de 2022 
  2. a b Adkins, Lesley; Adkins, Roy (Roy A. ) (2000). The keys of Egypt : the obsession to decipher Egyptian hieroglyphs. Internet Archive. [S.l.]: New York, NY : HarperCollins Publishers 
  3. a b Johan David Åkerblad (1802). Lettre sur l'inscription Égyptienne de Rosette: adressée au C.en Silvestre de Sacy, Professeur ... (em French). Oxford University. [S.l.]: L'imprimerie de la République 
  4. a b Champollion, Jean-François (1827). Précis du système hiéroglyphique des anciens égyptiens, ou, Recherches sur les élemens premiers de cette écriture sacrée, sur leurs diverses combinaisons, et sur les rapports de ce système avec les autres méthodes graphiques égyptiennes. Oxford University. [S.l.]: Paris : Imprimerie royale 
  5. a b Frimmer, Steven (1969). The stone that spoke : and other clues to the decipherment of lost languages / by Steven Frimmer. Internet Archive. [S.l.]: New York : G. P. Putnam's Sons 
  6. a b Pope, Maurice (1999). The story of decipherment. Internet Archive. [S.l.]: Thames and Hudson 
  7. Poole, Reginald Stuart (1 de janeiro de 1864). «XXVI. On the method of interpreting Egyptian Hieroglyphics by Young and Champollion, with a vindication of its correctness from the strictures of Sir George Cornewall Lewis». doi:10.1017/s026134090000446x. Consultado em 3 de março de 2022 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Jean-François Champollion