Jean-François Champollion

egiptólogo francês
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções para "Champollion", veja Champollion (desambiguação).

Jean-François Champollion (Figeac, 23 de dezembro de 1790Paris, 4 de março de 1832), também conhecido como Champollion le jeune,[nota 1] foi um egiptólogo, considerado o pai da egiptologia, que se tornou famoso pelos seus trabalhos sobre a cultura e a língua do Egito Antigo, e, em especial, por ter sido o principal responsável pela decifração dos hieróglifos egípcios.

Jean-François Champollion
Jean-François Champollion
Nome completo Jean-François Champollion
Nascimento 23 de dezembro de 1790
Figeac, França
Morte 4 de março de 1832 (41 anos)
Paris, França
Ocupação egiptólogo
Principais trabalhos decifração dos hieróglifos egípcios
Sepultura de Champollion no Cemitério do Père-Lachaise.

BiografiaEditar

Nascido em 1790, no departamento de Lot, em França, teve uma trajetória de vida essencialmente voltada para o estudo das culturas e línguas orientais antigas.

Com dezesseis anos dominava uma dúzia de línguas, e com vinte anos dominava o latim, grego, hebreu, amárico, sânscrito, árabe, siríaco, caldeu, persa e chinês, sem contar o francês. Estudou com Antoine-Isaac Silvestre de Sacy.

Em 1810 tornou-se professor de História da Faculté des Lettres de Grenoble, em Grenoble (departamento de Isère), em França. O seu interesse pelas línguas orientais, especialmente pela copta, levou-o a dedicar-se profundamente à tarefa de compreender melhor o funcionamento da escrita egípcia antiga, e auxiliaram-no no estudo dos escritos da então recém-descoberta Pedra de Roseta, que ele finalmente conseguiu compreender e decifrar em 1822, anunciando a sua descoberta na carta ao Sr. Dacier.

Em 1831 foi eleito titular da cadeira de Arqueologia do Collège de France, instituição de maior prestígio no cenário intelectual francês.

Morreu em 4 de março de 1832 com apenas 41 anos de idade e encontra-se sepultado no Cemitério do Père-Lachaise, Paris.

Principais obrasEditar

  • Grammaire Égiptienne, ou Principes Généraux de l'Écriture Sacrée Égyptienne Appliquée a la Représentation de la Langue Parlée. Paris : Firmin Didot, 1836-1838.
 
Estátua de Jean-François Champollion no pátio do Collège de France, instituição para qual ele foi eleito titular da cadeira de Arqueologia em 1831.

Notas

  1. Champollion, o jovem
  2. Publicado, com base nos manuscritos autógrafos, por Champollion Figeac.

Referências

  • CABRAL, Jessica. Entre Ensino, Pesquisa e Política: dois momentos da trajetória de Jean-François Champollion à luz de suas aulas inaugurais (1810-1831). Universidade Federal do Paraná, 2017.
  • CABRAL, Jessica. História, Filologia e Arqueologia : a trajetória de Jean-François Champollion através de suas sociabilidades (1790-1832). 2020. 138f. Dissertação (Mestrado em História). Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná – Curitiba/PR. 2020. Acesso em junho de 2020.
  • HARTLEBEN, Hermine. Champollion: sa vie et son oeuvre (1790-1832). Paris: Pygmalion Gérard Watlet, 1983.
  • LACOUTURE, Jean. Champollion: une vie de lumières. Paris : Grasset, 1988.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Jean-François Champollion