Jean-Jacques Chifflet

Jean-Jacques Chifflet
Nascimento 21 de janeiro de 1588
Besançon
Morte 20 de abril de 1673 (85 anos)
Cidade de Bruxelas
Cidadania Condado da Borgonha
Filho(s) Jules Chifflet
Irmão(s) Philippe Chifflet, Laurent Chifflet
Ocupação médico, arqueólogo
Blason de la famille Chifflet.svg

Jean-Jacques Chifflet (também Chiflet; Besançon, 1588–1660) foi um médico, antiquário e arqueólogo do Condado da Borgonha (atualmente França).

Jean-Jacques Chifflet (1588–1660) (Cornelius Galle o Jovem, 1647)
Jean-Jacques Chifflet: Recueil des traittez de paix, trèves et neutralité entre les couronnes d'Espagne et de France, Antérpia 1664.

VidaEditar

Visitou Paris e Montpellier, e viajou para a Itália e Alemanha. Por indicação de Filipe IV de Espanha foi médico da corte de Bruxelas. Desempenhou papel fundamental na controvérsia da década de 1650 sobre o uso da herva dos jesuítas para tratar malária, publicando o panfleto céptico Pulvis Febrifugus Orbis Americani em 1653[1] após tratar Leopoldo I do Sacro Império Romano-Germânico.[2]

A pedido de seu empregador, o arquiduque Leopoldo Guilherme da Áustria, que era então Governador da Holanda Espanhola, estudou os objetos que haviam sido recuperados da tumba de Quilderico I em Tournai. Em 1655 Chifflet publicou um relatório ilustrado sobre suas descobertas intitulado Anastasis Childerici I. Francorvm Regis, sive Thesavrvs Sepvlchralis Tornaci Neruiorum ... . Atualmente, este relatório é considerado a primeira publicação arqueológica científica do mundo.[3]

ObrasEditar

Referências

  1. Cinchona. U. S. Cinchona, Cinch. [Peruvian Bark, Yellow Peruvian Bark]. Cinchona Rubra, Red Cinchona. | Henriette's Herbal Homepage
  2. Andreas-Holger Maehle, Drugs on Trial: Experimental Pharmacology and Therapeutic Innovation in the Eighteenth Century (1999), pp. 226-9.
  3. Peter S. Welles, Barbarians to Angels: The Dark Ages Reconsidered (2009), p. 51.