Jeddah Tower

Arranha-céu em construção em Gidá

A Torre de Gidá[2][3] ou, em inglês, Jeddah Tower, antigamente conhecida como Kingdom Tower[4][5][6] (em árabe: برج المملكة‎ Burj al-Mamlakah), é um projeto de construção de arranha-céu atualmente em pausa, localizado em Gidá,[7][8] segunda maior cidade da Arábia Saudita.[9] Com custo total estimado em 1,23 bilhão de dólares (4,34 bilhões de reais), está planejado para ser o primeiro edifício de 1 km (3.281 pés) de altura do mundo, o que o tornaria na mais alta construção já feita pelo homem.[10][11]

Jeddah Tower
Projeto digital da Jeddah Tower
Gidá
Arábia Saudita
Status Em construção
Em construção 2024
Destruição 2013
Altura
Antena 1 000 metros
Características
Elevador 59
Andares 167
Custo US$ 1,23 bilhão[1]
Construção
Arquiteto Adrian D. Smith, Adrian Smith + Gordon Gill Architecture
Contratante Saudi Binladin Group
Engenheiro Langan International

Houve um progresso constante, mas, em janeiro de 2018, o proprietário do edifício, JEC (Jeddah Economic Company), interrompeu o trabalho com a torre estando cerca de um terço de seu tamanho final devido a problemas trabalhistas com um empreiteiro após os expurgos na Arábia Saudita de 2017–19.

O projeto, criado pelo arquiteto americano Adrian Smith, que também projetou o Burj Khalifa, incorpora muitas características estruturais e estéticas exclusivas. O criador e líder do projeto é o príncipe da Arábia Saudita Al-Waleed bin Talal, que é o presidente da Kingdom Holding Company (KHC), sócia da Jeddah Economic Company (JEC), que foi formada em 2009 para o desenvolvimento da Jeddah Tower and City.[12]

ConcepçãoEditar

Em construção em pleno deserto da Arábia, na segunda maior cidade saudita, Gidá[7][8][13] (Djeddah em francês, Jeddah em inglês), o edifício foi planejado para suportar tempestades de areia e outras intempéries existentes no deserto saudita. Por essa razão, seu formato terá formas curvas, a fim de não lutar contra os ventos do deserto, que poderiam comprometer a estrutura de um prédio tão grande e, sim, dispersar as rajadas.

Aproveitando essa condição inicial os arquitetos desenvolveram um conceito de uma torre que lembrasse uma planta do deserto que brota com uma folha e com o seu crescimento surgem outras. Dessa forma ao longo da torre há 3 'recortes' que são andares de estrutura única que se separam a fim de que o vento passe por eles, garantindo uma estabilidade ainda maior .

Outra curiosidade é a logística e as condições para driblar as leis da natureza e possíveis sinistros que poderão ocorrer nesse 'Reino Vertical maior do que muitas cidades'. Para a locomoção pelo interior da torre serão necessários 12 escadas rolantes e 59 elevadores sendo que 1 décimo dos mesmos terá velocidade acima de 60 km/hora.

Já a manutenção de uma temperatura agradável fica por conta de poderosos sistemas de ar condicionado que farão o serviço junto com vidros especiais que ajudam a dispersar boa parte dos raios solares. O condicionamento por sua vez é garantido por água e eletricidade que também serão vitais para o cotidiano de quem viver na torre - ambos ainda estão sendo cuidadosamente planejados por especialistas.

Por último temos a segurança que é extremamente complexa e consumirá espaços preciosos da torre. Além de paredes que evitam a propagação de pequenos incêndios, o sistema elétrico é em boa parte refrigerado. Mas são as galerias de contenção as responsáveis por tirar boa fatia do espaço comercializável do prédio. Essas galerias possuem sistema de eletricidade e hidráulicos próprios, além de sistemas de comunicação e enfermaria. Todas suportam temperaturas consideráveis provenientes de incêndios menores até grandes temperaturas em algumas horas. Isto foi necessário para conter um grande número de pessoas enquanto outras são retiradas rapidamente no prédio - sem essas galerias haveria um grande caos na hora em que todos acessassem os elevadores ao mesmo tempo a fim de fugirem de um perigo iminente.

A torre será, assim, um dos grandes desafios da engenharia moderna, de onde poderão surgir novos conceitos que modernizarão a construção de edifícios menores.

ConstruçãoEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Summer Said (3 de agosto de 2011). «Saudis Plan World's Tallest Tower». The Wall Street Journal. Consultado em 3 de agosto de 2011 
  2. «Até onde podemos ir, quando o céu é o limite?». Jornal Expresso. Consultado em 8 de dezembro de 2015 
  3. «Prédio mais alto do mundo terá 1 km de altura». Revista Encontro. Consultado em 8 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2015 
  4. Novo prédio mais alto do mundo terá quase 1 Km de altura
  5. «O prédio de um quilômetro». ISTOÉ Independente. 5 de agosto de 2011. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  6. Bourroul, João Mello. «O novo prédio mais alto do mundo terá 1km de altura». Revista Galileu. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  7. a b «Reino da Arábia Saudita». www.itamaraty.gov.br. Consultado em 22 de setembro de 2015  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":0" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  8. a b Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa
  9. Wright, Herbert. «Jeddah's Kingdom Tower: how much higher can skyscrapers go? A history of cities in 50 buildings, day 50». the Guardian. Consultado em 22 de setembro de 2015 
  10. Wright, Herbert. «Jeddah's Kingdom Tower: how much higher can skyscrapers go? A history of cities in 50 buildings, day 50». the Guardian. Consultado em 22 de setembro de 2015 
  11. http://smithgill.com/media/pdfs/Kingdom_for_web6.pdf
  12. «ESD Designing Building Systems for Kingdom Tower». www.businesswire.com (em inglês). 5 de agosto de 2011. Consultado em 27 de setembro de 2021 
  13. Vocabulário Onomástico da Língua Portuguesa

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre arranha-céus é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.