Abrir menu principal

Imperador Jing de Han

(Redirecionado de Jingdi)
Han Jingdi
Nome em Chinês: 漢景帝 / 汉景帝
Nome em pinyin: Hàn Jǐngdì
Nome real: Liu Qi (劉啟)
Nome cortês: Jingwen (景文)
Nome de família: Liu (劉)
Nome dado: Qi (啟)
Data do reinado: 157 a.C.141 a.C.
Nome de templo: Não existe
Nome póstumo: Imperador Jing (景 - "decisivo") ou
Xiaojing Huangdi (孝景皇帝) "filial e decisivo"4

O Imperador Jing de Han (188 a.C-141 a.C) foi um imperador da China da Dinastia Han a partir de 156 a.C.a 141 a.C. No seu reinado houve a redução do poder dos príncipes feudais, que resultou na Revolta dos Sete Estados em 154 a.C. O Imperador Jing conseguiu esmagar a revolta e foi negado aos príncipes posteriormente os direitos de nomear ministros para o seu feudo. Este movimento consolidou o poder central que abriu caminho para o glorioso e longo reinado de seu filho do Imperador Wu de Han.

O Imperador Jing tinha uma personalidade complexa, ele continuou a política do seu pai, o imperador Wen de não-interferência com as pessoas, reduziu impostos e outros encargos, e aumentou as influências taoistas, devido à sua mãe, a Imperatriz Dou, ele continuou a política de redução das sentenças penais de seu pai. No entanto, ele também foi criticado pelos duros tratamentos à Yafu Zhou, o general cujas habilidades permitiu a vitória na Revolta dos Sete Estados, e sua esposa Imperatriz Bo.

Primórdios e carreira como príncipe herdeiroEditar

O Imperador Jing nasceu da relação entre o Imperador Wen, então Príncipe de Dai, e a Concubina Dou, uma de suas favoritas concubinas, em 188 a.C. Ele era o filho mais velho. Após o seu pai se tornar imperador em 180 a.C, o então príncipe Qi tornou-se príncipe herdeiro em 179 a.C. Ao mesmo tempo, sua mãe se tornou imperatriz.

Na sua infância como príncipe herdeiro, o príncipe Qi foi elogiado por ser compassivo. Ele foi profundamente influenciado por sua mãe, a Imperatriz Dou, que era taoista e exigia de todos os seus filhos e netos que estudassem as doutrinas taoistas. Ele também desenvolveu laços profundos com a sua irmã mais velha, Princesa Liu Piao (刘嫖) e seu irmão mais novo Wu Liu (刘武), ambos também filhos da Imperatriz Dou.

Quando Príncipe Qi ficou mais velho, como era costume, ele estabeleceu o seu próprio lar, e um membro do seu agregado familiar, Chao Cuo (晁错), conhecido por sua inteligência e implacável eficiência, bem como o seu talento retórico, se tornou um conselheiro de confiança do Príncipe Qi.

Em 157 a.C, o Imperador Wen morreu e o Príncipe Qi se tornou imperador. De acordo com a vontade do imperador Wen, o período de luto foi encurtado. O Imperador Jing se casou com a a Princesa Bo (um membro do clã por parte de sua avó) e se tornou imperatriz.

Nomes de ErasEditar

Estes "nomes de era" não são verdadeiros "nomes de era", no sentido de que foram instituídos pelo filho do Imperador Jing, o Imperador Wu. O próprio Imperador Jing, teria simplesmente referido-se ao número de anos do seu reinado, mas por razões desconhecidas repos a contagem duas vezes, exigindo, portanto, historiadores para consultá-las separadamente.

  • Qianyuan (前元Qian yuan) 156 a.C.150 a.C
  • Zhongyuan (中元Zhong yuan) 149 a.C.144 a.C
  • Houyuan (后元Hou yuan) 143 a.C.141 a.C

Começo do reinadoEditar

O Imperador Jing continuou a política de não interferência com a população e redução de impostos e outros encargos do seu pai. Sob Jing, os impostos foram cortados ao meio, a um trigésimo do total. [1] Ele continuou a sua política de redução de sanções penais e, em 156 a.C, assim como o pai, que abolido os castigos corporais de cortar o nariz e pés fora, o Imperador Jing também diminuiu reduziu o número de chicotadas que os criminosos, pois causava muitas mortes. (Ele viria a reduzir a pena de novo em 144 a.C.) Ele também continuou a política do pai de amizade com Xiongnu, o que evitou grandes conflitos com o vizinho do norte. No entanto, um problema confrontado pelo Imperador Jing foi o poder dos príncipes das linhas do clã imperial. Os príncipes muitas vezes criaram as suas próprias forças militares e resistiam à decretos emitidos pelo imperador. Este já foi um problema enfrentado pelo Imperador Wen, porém ele não tomou quaisquer medidas decisivas sobre o assunto.

O Imperador Jing não designou um príncipe herdeiro para nos primeiros anos de seu reinado, porque a Imperatriz Bo não teve nenhum filho. Sua mãe, a imperatriz viúva Dou, queria que ele fizesse de seu irmão mais novo Liu Wu, o Príncipe de Liang, o príncipe herdeiro, mas isso não aconteceu devido à oposição por parte dos funcionários. No entanto, foi dado à Liu Wu muitos privilégios que não eram concedidos a outros príncipes.

A Rebelião dos Sete EstadosEditar

A questão de lidar com poderosos príncipes iria em breve causar uma guerra, mais tarde conhecida como a Rebelião das Sete Estados. O Imperador Jing já tinha uma relação hostil com seu primo distante (o sobrinho de seu avô, o Imperador Gao) Liu Pi (刘濞), o príncipe do Principado de Wu (sul da moderna Jiangsu, no norte de Zhejiang, o sul de Anhui, e norte Jiangxi), que possuía, entre outros recursos naturais, abundantes fornecimentos de cobre e sal. Quando o Imperador Jing era príncipe herdeiro, o herdeiro aparente de Liu Pi, era Liu Xian (刘贤), que havia estado em uma visita oficial à capital Chang'an, eles inclusive jogaram juntos o liubo, jogo de tabuleiro (fortemente vinculada à adivinhação e previsões do futuro). Enquanto estiveram jogando o jogo de tabuleiro, Liu Xian, em seguida, ofendeu o Príncipe Herdeiro Qi, e o Príncipe Qi jogou o tabuleiro de madeira em Liu Xian, matando-o. Liu Pi, assim, tinha grande ódio pelo novo imperador.

Chao Cuo, aconselhou o Imperador Jing, à usar como desculpa que os príncipes haviam cometido infrações que haviam sido geralmente ignoradas pelo imperador Wen, assim, reduzindo o tamanho dos principados, tornando-os menos ameaçadores. Chao explicitamente fez isso especialmente com Wu e outros principados mais rebeldes, justificando a ação ao afirmar que, se eles estavam se tornando rebeldes, seria melhor enfrentá-los mais cedo do que mais tarde, quando eles poderiam estar mais preparados. Sob essa teoria, o Imperador Jing, em 154 a.C, expulsou cada os comandantes dos principados de Chu (norte da moderna Jiangsu e norte Anhui) e Zhao e seis condados do Principado de Jiaoxi (aproximadamente moderno Weifang, Shandong), antes de expulsar outros dois comandantes de Wu.

Wu, efetivamente iniciou uma rebelião, em aliança com Chu, Jiaoxi, Zhao, e três outros pequenos principados - Jiaodong (aproximadamente moderno Qingdao, Shandong), Zaichuan (parte moderna de Weifang, Shandong), e Jinan (moderno Jinan, Shandong). Dois outros principados concordaram em aderir, Qi (moderno centro de Shandong) e Jibei (noroeste do moderno Shandong), recuando no momento final. Wu também procurou assistência dos reinos independentes de Donghai (moderno Zhejiang) e Minyue (moderno Fujian), e ambos os reinos uniram forças. Zhao procurou assistência de Xiongnu, mas enquanto Xiongnu inicialmente concordou em ajudar, não chegou a entrar na guerra.

De acordo com as instruções deixadas pelo imperador Wen, o Imperador Jing, deixou Zhou Yafu como o comandante das suas forças armadas para enfrentar a principal força rebelde - forças conjuntas de Wu e Chu. Contudo, ele logo temeu a perspectiva de perder, e por sugestão do Chao Cuo, ele executou o Ang Yuan, para tentar apaziguar os sete príncipes, em vão.

As forças de Wu e Chu estavam atacando ferozmente o Principado de Liang (moderna parte oriental de Henan), cujo príncipe Liu Wu, era o amado irmão mais novo do Imperador Jing, e o imperador ordenou à Zhou imediatamente que fosse à Liang para salvá-lo. Zhou recusou, seguindo o raciocínio de que a uma boa estratégia implicaria primeiro no corte do fornecimento para as linhas de Chu e Wu, o que lhes causaria fome. Zhou chefiou suas tropas ao nordeste e ao redor de Liang, cortando os fornecimentos das forças de Wu e Chu. A estratégia foi eficaz. Wu e Chu, não conseguiram capturar Liang rapidamente e percebendo que os seus fornecimentos foram reduzidos, foram para o nordeste atacar Zhou. Depois de ter sido incapaz de obter uma vitória decisiva contra Zhou, as forças Chu Wu desabaram de fome. Liu Pi fugiu para Donghai, que o matou e procurou a paz com Han. Liu Wu, o Príncipe de Chu, cometeu suicídio. Os outros principados envolvidos acabaram derrotados também.

Médio reinado e questões de sucessãoEditar

Em 153 a.C, porque a Imperatriz Bo não teve um filho, o Imperador Jing tornou seu filho mais velho, Liu Rong (刘荣) príncipe herdeiro. Isso fez a mãe de Liu Rong, a concubina Li (栗姬), que era uma das concubinas favoritas do Imperador Jing, extremamente arrogante. Ela também pensou que se tornaria imperatriz, especialmente após a Imperatriz Bo ser desposta em 151 a.C, nessa época a Grande Imperatriz viúva Bo morreu. A concubina Li odiava a irmão do Imperador Jing, a Princesa Liu Piao, porque muitas vezes a Princesa Piao tinha dado ao seu irmão, mulheres bonitas como concubinas, causando ciúme na concubina Li. Quando a Princesa Piao quis acabar com essa disputa oferecendo sua filha Chen Jiao como esposa para o Principe Rong, a concubina Li recusou.

A Princesa Piao, ao ver o estado precário em que ela ficaria caso a concubina Li fosse imperatriz viúva um dia, levou a cabo um plano alternativo. Ela deu como esposa à Chen Jiao, Liu Che, a concubina favorita de outro filho do Imperador Jing, Wang Zhi, o Príncipe de Jiaodong. Ela então incessantemente criticou à concubina Li pelo seu ciúme - lembrando que, caso Li se tornasse imperatriz viúva, muitas concubinas poderiam sofrer o destino como o da concubina Qi, concubina favorita do Imperador Gao, que foi torturado e morto pela imperatriz viúva Lü após a morte do Imperador Gao. O Imperador Jing finalmente acordou, e ele despos o Príncipe Rong em 150 a.C. Li faleceria nesse ano. No mesmo ano, Che se tornaria príncipe herdeiro.

O Príncipe Rong não seria poupado. Em 148 a.C, ele foi acusado de intrusão no templo de seu avô o imperador Wen, ao construir as paredes de seu palácio. Ele foi preso e não autorizado a escrever para seu pai. Sua tia, Dou Ying (窦婴, irmã do irmãi ou primo Dou da imperatriz viúva) escreveu uma carta e cometeu o suicídio.

Um incidente envolvendo um outro grande potencial herdeiro, o príncipe Wu de Liang, eclodiu em 148 a.C, também. O Príncipe Wu, por causa de suas contribuições para a vitória durante a Revolta dos Sete Estados, foi ainda dado o privilégio de usar as cores e cerimônias imperiais. Membros do seu agregado familiar incentivaram-no a procurar tornar-se príncipe herdeiro. Ele foi favorecido pela imperatriz viúva Dou, mas por oposição dos funcionários, que acreditaram que isso traria instabilidade na dinastia, sua aceitação como tal ficou incerta. Quando o príncipe Wu solicitou autorização para construir uma rodovia diretamente de seu capital Suiyang a Chang'an, os mesmos funcionários, temendo que a estrada pudesse ser utilizada para fins militares se rebelaram em Liang. O Príncipe Wu mandou matar esses funcionários. O Imperador Jing ficou extremamente irritado e enviou para lá muitos pesquisadores para achar os conspiradores, o príncipe Wu, eventualmente renunciou. O Imperador Jing, com medo de ofender a mãe e ainda carinhoso para o seu irmão, perdoou o príncipe Wu, mas ele deixou de ser considerada como possível herdeiro.

Final do reinadoEditar

O final do reinado do imperador Jing foi marcado por um incidente ao qual ele foi profundamente criticado - a morte de Zhou Yafu, que tinha sido determinante na vitória contra o Sete Estados. Zhou, ao se tornar posteriormente primeiro-ministro, ofenderia praticamente todos os poderosos ao redor do Imperador Jing - seu irmão príncipe Liu Wu e sua mãe, a imperatriz viúva Dou (por ter se recusado à salvar primeiro Liang das forças de Wu e Chu), e sua esposa a Imperatriz Wang, e seu irmão Wang Xin (王信), a quem Imperador Jing pretendia tornar um marquês, mas cuja candidatura foi recusada por Zhou. Em torno de 143 a.C, ele estava aposentado, quando o seu filho, em antecipação a sua morte, comprou armaduras e armas de soldados aposentados do arsenal imperial para servir como enfeites no enterro de seu pai. O filho de Zhou se recusou a pagar aos trabalhadores, em retaliação, Zhou foi acusado de traição. Zhou Yafu foi detido e interrogado pelo Imperador Jing, e quando informado que as armaduras e armas eram para fins de enterro, o acusou de "traição subterrânea" - ou seja, pronto para cometer traição contra os espíritos dos imperadores depois que ele morresse. Zhou cometeu suicídio na prisão.

O Imperador Jing morreu em 141 a.C.e foi enterrado no mausoléu piramidal de Yangling em Chang'an. Ele foi sucedido pelo Príncipe Herdeiro Che (como Imperador Wu).

Impacto na história chinesaEditar

Conforme mencionado antes, o Imperador Jing é um personagem histórico complicado. Seu reinado, juntamente com o de seu pai imperador Wen, é considerado como sendo uma das idades de ouro na história chinesa. No entanto, é também evidente a partir de suas ações que lhe faltava a autoridade que seu pai tinha, e em muitas maneiras o seu reinado foi marcado por intrigas políticas e traições. O Imperador Jing também pode ser creditado por ter aprofundado o estudo dos textos taoistas.

Informações pessoaisEditar

  • Pai
  • Mãe
    • Imperatriz Dou
  • Esposas
    • Imperatriz Bo (deposto 151 aC)
    • Imperatriz Wang Zhi, mãe do Imperador Wu
  • Concubinas mais importantes
    • Li (m. 150 aC), mãe do príncipe Rong, De, e E
    • Cheng, mãe do príncipe Yu, Fei, e Duan
    • Jia, mãe do príncipe Pengzu e Sheng
    • Tang, mãe do príncipe Fa
    • Wang, mãe do príncipe Yue, Ji, Cheng, e Shun
  • Filhos
    • Liu Rong (刘荣), Príncipe Herdeiro (criado em 153 a.C, deposto em 150 a.C), depois da Princesa Min Linjiang (criada em 150 a.C), cometeu suicídio em 148 a.C.
    • De Liu (刘德), Príncipe de Xian Hejian (criado em 155 a.C, d. 130 a.C.)
    • Liu E (刘阏), o príncipe Ai de Linjiang (criado em 155 a.C, d. 153 a.C.)
    • Liu Yu (刘余), Príncipe de Huaiyang (criado em 155 a.C), depois de Prince Gong Lu (criado em 154 aC, d. 127 a.C.)
    • Liu Fei (刘非), Príncipe de Runan (criado em 155 a.C), depois de Prince Yi Jiangdu (criado em 154 aC, d. 127 a.C.)
    • Liu Pengzu (刘彭祖), Príncipe de Guangchuan (criado em 155 a.C), mais tarde Prince Jingxu de Zhao (criados 152 aC, d. 92 a.C.)
    • Liu Fa (刘发), Prince Ding de Changsha (criado em 155 a.C, d. 128 a.C.)
    • Liu Duan (刘端), Príncipe de Yu Jiaoxi (criado em 154 a.C, d. 108 a.C.)
    • Liu Sheng (刘胜), o príncipe Jing de Zhongshan (criado em 154 a.C, d. 114 a.C.)
    • Liu Che (刘彻), Príncipe de Jiaodong (criado em 153 a.C), então Príncipe Herdeiro (criados 150 a.C), depois o Imperador Wu Han
    • Liu Yue (刘越), Príncipe de Guangchuan Hui (criado em 148 a.C, d. 136 a.C.)
    • Liu Ji (刘寄), Príncipe de Jiaodong Kang (criado em 148 a.C, d. 120 a.C.)
    • Liu Cheng (刘乘), o príncipe Ai de Qinghe (criado em 148 a.C, d. 136 a.C.)
    • Liu Shun (刘舜), Príncipe de Xian Changshan (criado em 145 a.C, d. 114 a.C.)
    • Princesa Pingyang
    • Princesa Nangong
    • Princesa Longlü

ReferênciasEditar

  1. Hucker, Charles O. (1975). Imperial da China Passado: Uma Introdução à História e Cultura chinês. Stanford: Stanford University Press, 123. ISBN 0-8047-2353-2.
  • Livro de Han, vol. 5.
  • Zizhi Tongjian, vols. 15, 16.
  • Roberts, John A. G., History of China (título original), Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (segunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3


Precedido por
Imperador Wen de Han
Imperador da China
156 a.C - 141 a.C
Sucedido por
Imperador Wu de Han