Abrir menu principal

Wikipédia β

João André Teixeira Mendes

NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

João André Teixeira Mendes (Icó, 17 de março de 17811874) foi um militar brasileiro.

Oficial da Guarda Nacional do Brasil e político, protagonizou polêmicos eventos na história do Ceará. Também ficou conhecido pela alcunha de "Canela Preta".

BiografiaEditar

João André Teixeira Mendes foi o quarto filho do casal Manoel Alexandre Teixeira Mendes e Maria Catarina Sebastiana de Arrendes e tinha como irmão mais velho o Pe. Filipe Benício Mariz. Pertenceu ao partido Conservador e foi membro da Comissão Militar do Icó, organizada pelo governo provisório imperialista daquela cidade para julgar os implicados na revolução de 1824 e tornada tristemente famosa pela alcunha de "Comissão Matuta".[1] Foi julgado pelas mortes do Ten. Antônio Vieira do Lago Cavalcante e do Ten. Cel. José Cavalcante de Luna Albuquerque, sendo condenado à morte mais de uma vez em sucessivos julgamentos. Em Fortaleza as penas foram reduzidas a exílio de 20 anos no Amazonas. Faleceu quase centenário e segundo conta-se mantendo sua intransigência.

Referências

  1. BARROSO, Oswald. Tristão Araripe: alma afoita da revolução. Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará 1993

BibliografiaEditar

  • MACÊDO, Nertan. O Bacamarte dos Mourões; roteiro de andança e guerra de Alexandre e seus irmãos. Instituto do Ceará 1966

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.