Abrir menu principal
João Bigotte Chorão
Nome completo João Dagoberto Forte Bigotte Chorão
Nascimento 18 de outubro de 1933
São Vicente, Guarda Portugal Portugal
Morte 23 de fevereiro de 2019 (85 anos)
Lisboa Portugal Portugal
Cônjuge Maria José Teixeira de Magalhães Mexia
Prémios Grande Prémio de Literatura Biográfica (2007)
Género literário Ensaio, diário
Magnum opus Diário quase completo

João Dagoberto Forte Bigotte Chorão (Guarda, São Vicente, 18 de Outubro de 1933 - Lisboa, 23 de Fevereiro de 2019)[1] foi um escritor, crítico literário e ensaísta português.

Índice

BiografiaEditar

Licenciado em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, foi professor do ensino particular, funcionário público e director literário da Editorial Verbo.[2] Foi responsável por várias entradas na Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, na Enciclopédia da Sociedade e do Estado Polis, e na Enciclopédia Luso-Brasileira de Filosofia Logos.

Destacou-se como estudioso de Camilo Castelo Branco. Publicou vários livros de ensaios e assinou prefácios ou posfácios a obras de Almeida Garrett, Trindade Coelho, João de Araújo Correia, Francisco Costa, Tomás de Figueiredo, Domingos Monteiro ou A. M. Couto Viana.[3]

Teve uma vasta e dispersa colaboração em jornais e revistas, entre os quais as revistas Tempo Presente, Colóquio/Letras, Távola Redonda e Observador.

Manteve uma produção diarística durante mais de cinquenta anos. Pela sua obra Diário Quase Completo, recebeu o Grande Prémio de Literatura Biográfica, atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores.[4]

Pertenceu à direcção do Círculo Eça de Queiroz. Era membro efectivo da Academia das Ciências de Lisboa (Classe de Letras).[5]

FamíliaEditar

Filho de José dos Reis Bigotte Chorão (5 de Março de 1902 - Lisboa, 18 de Dezembro de 1975), Licenciado em Filologia Românica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, professor do Ensino Secundário e inspetor do Ministério da Educação; e de sua mulher e prima, Ema Forte Bigotte de Carvalho (22 de Dezembro de 1900 - Lisboa, 14 de Fevereiro de 1964), ambos de ascendência Italiana. Era irmão de Mário Emílio Forte Bigotte Chorão.[6]

Casou na Lousã, Lousã, a 12 de Setembro de 1970 com Maria José Teixeira de Magalhães Mexia (Coimbra, Sé Nova, 6 de Junho de 1940), Licenciada em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, dos antigos Senhores do Morgado do Casal dos Rios, na Lousã, trineta do filho bastardo do 1.º Barão das Laranjeiras e meio-irmão do 2.º Barão e 1.º Visconde das Laranjeiras. Do seu casamento é pai dum filho, Pedro de Magalhães Mexia Bigotte Chorão.[7]

ObrasEditar

  • O Discípulo Nocturno, ed. autor, Coimbra, 1965
  • Aventura Interior, Livraria Almedina, Coimbra, 1969
  • Vintila Horia ou um Camponês do Danúbio, Edições do Templo, Lisboa, 1978
  • Camilo. A Obra e o Homem, Arcádia, Lisboa, 1979
  • O Escritor na Cidade, Editorial Verbo, Lisboa, 1986
  • João de Araújo Correia, um Clássico Contemporâneo, ICALP, Lisboa, 1986
  • Páginas camilianas e outros temas oitocentistas, Guimarães Editores, Lisboa, 1990
  • Carlos Malheiro Dias, na Ficção e na História, ICALP, Lisboa, 1992
  • Camilo Camiliano, Rei dos Livros, Lisboa, 1993
  • O essencial sobre Camilo, INCM, Lisboa, 1997
  • O Reino dividido, Grifo, Lisboa, 1999
  • Nossa Lisboa dos Outros, CTT Correios de Portugal, Lisboa, 1999
  • O essencial sobre Tomaz de Figueiredo, INCM, Lisboa, 2000
  • Galeria de Retratos, Lello Editores, Porto, 2000
  • Diário quase completo, INCM, 2001 (Grande Prémio da Literatura Biográfica APE)
  • O Espírito da Letra, Fundação Lusíada, Lisboa, 2004
  • Além da Literatura, Quetzal, 2014
  • Diário 2000-2015, INCM, 2018

Referências

  1. «Morreu o ensaísta e crítico João Bigotte Chorão». Sapo 24. 24 de fevereiro de 2019. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  2. Biografia de João Bigotte Chorão
  3. Biografia na página da Universidade Católica Portuguesa
  4. Prémio de Literatura Biográfica/ João Bigotte Chorão por Diário Quase Completo
  5. Biografia na página da Academia de Ciências de Lisboa
  6. Manuel Braga da Cruz e António Costa Pinto (Lisboa, 2005). Dicionário Biográfico Parlamentar (1935-1974). [S.l.]: co-edição Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Assembleia da República. pp. Vol. IV. 413-4  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  7. António Luís Cansado de Carvalho de Matos e Silva (1.ª Edição, Lisboa, 2006). Anuário da Nobreza de Portugal - 2006. [S.l.]: Dislivro Histórica. pp. Tomo IV. 238  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.