João Simões Lopes

político brasileiro
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja João Simões Lopes (desambiguação).

João Simões Lopes (Pelotas, 1 de agosto de 1817 — Pelotas, 25 de outubro de 1893), primeiro e único barão e visconde da Graça, foi um nobre, político e estancieiro brasileiro.[1]

João Simões Lopes
Nascimento 1 de agosto de 1817
Pelotas
Morte 25 de outubro de 1893
Cidadania Brasil
Ocupação político

Foi vice-presidente da província do Rio Grande do Sul, assumindo a presidência da província de 24 de maio a 12 de setembro de 1871.

BiografiaEditar

Foi o primeiro filho do casal João Simões Lopes e Isabel Dorotéia da Fontoura. A trajetória de João começa quando juntou-se aos republicanos, lutando na Revolução Farroupilha, havendo sido preso algumas vezes. Sua irmã, Cândida Clara da Fontoura, casou-se com o barão de Jaraú, tornando-se a baronesa consorte de Jaraú.

Casou-se em primeiras núpcias, aos 19 anos de idade, em 1 de junho de 1836 com Eufrásia Gonçalves Vitorino, nascida em Piratini em 1822, filha de Manuel Gonçalves Vitorino e Francisca Gomes de Jesus, neta paterna de Manuel Gonçalves da Silveira e Francisca Inácia de Jesus, neta materna de Manuel José Gomes e Rosa Maria da Fonte. Eufrásia veio a falecer de cholera morbus, em 21 de dezembro de 1855. Desse primeiro casamento nasceram doze filhos.

Terminada a guerra, dedicou-se por pouco tempo ao comércio, estabelecendo depois uma charqueada em Pelotas. Filiou-se ao Partido Conservador e colaborou com diversas iniciativas da cidade: desobstrução do canal São Gonçalo, construção da Biblioteca Pública de Pelotas, asilo de mendigos e organização da Companhia de Iluminação a Gás.

Com o comércio adquiriu uma grande quantidade de terras e tornou-se uma personalidade de influência política na sua cidade natal e demais arredores.

Casou-se em segundas núpcias, aos 40 anos de idade, em 1 de julho de 1857, com Zeferina Antônia da Luz, nascida em Encruzilhada do Sul, em 21 de agosto de 1837, filha de Manuel Pereira da Luz e Joaquina Clementina Antônia da Luz. Do segundo casamento de Simões Lopes nasceram dez filhos, entre eles o futuro senador da República Augusto Simões Lopes e o também futuro deputado Ildefonso Simões Lopes. Zeferina veio a falecer em Pelotas, a 25 de junho de 1923, aos 86 anos.

Simões Lopes foi nomeado vice-presidente da província em 24 de maio de 1871, tendo permanecido no cargo até 12 de setembro do mesmo ano. Foi distinguido com o título de barão da Graça em 27 de novembro de 1872, sendo posteriormente elevado a visconde da Graça em 16 de fevereiro de 1876.

Em decorrência do nome de seu título, suas terras passaram a se chamar de estância da Graça.

Fonte de referênciaEditar

Referências

  1. Graça Sites de Sérgio de Freitas


Precedido por
Francisco Xavier Pinto de Lima
Presidente da província do Rio Grande do Sul
1871
Sucedido por
João Dias de Castro