Jorge Paleólogo Cantacuzeno

Jorge Paleólogo Cantacuzeno (em grego: Γεώργιος Παλαιολόγος Καντακουζηνός; romaniz.: Geórgios Palaiológos Kantakouzenós ca. 1390 - 1456/1459[1]) foi um aristocrata bizantino, membro da família Cantacuzeno, e aventureiro. É melhor conhecido por seu apelido turco Sachatai, que ele adquiriu no serviço do déspota Constantino Paleólogo no começo de sua carreira militar.[2]

Jorge Paleólogo Cantacuzeno
Nascimento ca. 1390
Morte 1456/1459
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação General
Religião Ortodoxia oriental

BiografiaEditar

Jorge Paleólogo Cantacuzeno era o filho de Teodoro Paleólogo Cantacuzeno. Entre seus irmãos estava a despotisa da Sérvia Irene Cantacuzena, a imperatriz de Trebizonda Helena, e a esposa de nome desconhecido do rei Jorge VIII da Geórgia. Ele também foi um primo dos últimos dois imperadores bizantino, João VIII Paleólogo (r. 1425–1448) e Constantino XI Paleólogo (r. 1448–1453). Ele ocupou sua juventude na capital bizantina, Constantinopla, onde estudou sob João Cortasmeno. Mais tarde, mudou-se para o Despotado de Moreia, onde é atestado nos documentos de Ragusa escritos em 1431. Ele tinha inclinações eruditas e mantinha uma biblioteca em Calavrita, onde foi visitado por Ciríaco de Ancona em 1436.[1][2]

Quando o déspota Constantino partiu para Constantinopla em setembro de 1437 para governar a cidade durante a ausência de seu irmão João VIII Paleólogo, Jorge também deixou a Grécia. Ele visitou sua irmão Helena de Trebizonda, e então sua outra irmão Irene na Sérvia, onde decidiu permanecer. Ele auxiliou na construção e defesa do Castelo de Semêndria que sua irmã e cunhado Jorge I Brankovic começam em 1430; por um tempo ele comandou a guarnição da fortaleza. Uma nota datada de 31 de maio de 1454 em um manuscrito de Procópio (Cod. Palatin. gr. 278) indica que pertenceu a Jorge Cantacuzeno enquanto ele estava vivendo em Semêndria.[3]

Seu bisneto, o historiador Teodoro Espandunes, registra que Jorge liderou a defesa de Semêndria contra os ataques dos húngaros em 1456, recusando render a fortaleza mesmo quando os atacantes ostentaram seu filho cativo Teodoro diante dos muros. O historiador Donald Nicon, que estudou a família Cantacuzeno, acredita que Jorge não estava presente na primeira captura turca da fortaleza por Murade II em 1439, quando a defesa de Semêndria estava nas mãos de seu irmão Tomás, nem no cerco final e captura por Maomé II, o Conquistador em 20 de junho de 1459.[4] Nicol data sua morte entre 1456 e 1459, e argumenta que este Jorge Cantacuzeno não pode ser identificado com o Jorge Paleólogo que, de acordo com Jorge Frantzes, esteve envolvido no conflito entre os déspotas Demétrio e Tomás Paleólogo na Moreia em 1459.[5][6]

FamíliaEditar

Hugues Busac, compilando a genealogia de sua esposa Carola Cantacuzene de Flory, descreve Jorge Paleólogo Cantacuzeno como o avô dela e o irmão do grande doméstico Andrônico Paleólogo Cantacuzeno. Espandunes afirma ele como seu avô materno, e em outro lugar descreve-o como o neto do imperador João VI Cantacuzeno. Nicol acredita que Espandunes está errado, sendo o imperador João VI seu bisavô e Mateus Cantacuzeno seu avô. Nicol também sugere que seu pai foi Demétrio I Cantacuzeno.[nt 1]

Embora não haja registros sobreviventes do nome de sua esposa, Hugues Busac credita-o com uma família de nove crianças, quatro filhos e cinco filhas. De acordo com Nicol, eles são:[5]

  • Teodoro Cantacuzeno (morreu em 1459?)
  • Manuel Cantacuzeno (fl. 1450-1470)
  • Tomás Cantacuzeno (fl. 1460), apenas conhecido na genealogia de Busac.[9]
  • Demétrio Cantacuzeno, de quem nada certo é conhecido.[10]
  • Uma filha de nome desconhecido, que se casou com Jorge Raul; Rasul serviu como um emissário para o déspota da Moreia Tomás Paleólogo em julho de 1460.[11]
  • Outra filha de nome desconhecido, que casou-se com Nicolau Paleólogo.{{notaNT|Nicol sugere que, baseado na raridade deste nome, ele é o mesmo Nicolau Paleólogo que rendeu Monemvasia para os venezianos em 1463.[12]
  • Zoé Cantacuzena de Flory, que casou-se com Jaime II de Flory, conde de Jafa, e o parente de Carola, a esposa de Hugues Busac.[13]
  • Ana Cantacuzena, que casou-se com Vladislav Hercegović.
  • Outra filha de nome desconhecido, que Nicol especula que foi a mãe de Eudócia Cantacuzena, a mãe de Teodoro Espandunes.[14]

Notas

  1. Nicol, entretanto, afastou-se da identificação da paternidade de Jorge e Andrônico.[7][8]

Referências

  1. a b Trapp 1989.
  2. a b Nicol 1968, p. 177.
  3. Nicol 1968, p. 178.
  4. Nicol 1968, p. 178f.
  5. a b Nicol 1968, p. 179.
  6. Philippides 1980, p. 80.
  7. Nicol 1968, p. 176.
  8. Nicol 1973, p. 312f.
  9. Nicol 1968, p. 203.
  10. Nicol 1968, p. 203f.
  11. Nicol 1968, p. 204f.
  12. Nicol 1968, p. 205.
  13. Nicol 1968, p. 205ff.
  14. Nicol 1968, p. 209.

BibliografiaEditar

  • Nicol, Donald MacGillivray (1968). The Byzantine family of Kantakouzenos (Cantacuzenus) ca. 1100–1460: A Genealogical and Prosopographical Study. Washington, Distrito de Colúmbia: Dumbarton Oaks Center for Byzantine Studies 
  • Nicol, Donald MacGillivray (1973). «The Byzantine Family of Kantakouzenos: Some Addenda and Corrigenda». 27 
  • Philippides, Marios (1980). The Fall of the Byzantine Empire: A Chronicle by George Sphrantzes, 1401-1477. Amherst: University of Massachusetts 
  • Trapp, Erich; Walther, Rainer; Beyer, Hans-Veit; Sturm-Schnabl, Katja (1989). «10959. Καντακουζηνός, Γεώργιος Παλαιολόγος». Prosopographisches Lexikon der Palaiologenzeit. 5. Viena: Verlag der Österreichischen Akademie der Wissenschaften