Abrir menu principal

José Bonifácio, o Moço

poeta, professor e político franco-brasileiro
Disambig grey.svg Nota: Se procura outras acepções, veja José Bonifácio (desambiguação).


José Bonifácio, o Moço
Nome completo José Bonifácio de Andrada e Silva
Nascimento 8 de novembro de 1827
Bordéus
Morte 26 de outubro de 1886 (58 anos)
São Paulo
Nacionalidade  Brasileiro
Progenitores Mãe: Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada
Pai: Martim Francisco Ribeiro de Andrada
Ocupação Poeta, jurista, professor e político
Escola/tradição Romantismo

José Bonifácio de Andrada e Silva (Bordéus, 8 de novembro de 1827São Paulo, 26 de outubro de 1886) foi um poeta, jurista, professor e político brasileiro.

Da segunda geração e segundo político deste nome da família dos Andradas, filho de Martim Francisco Ribeiro de Andrada e Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada (o pai era irmão e a mãe era filha de José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência), nasceu na França por ocasião do exílio da família após a dissolução da Assembleia Constituinte de 1823 por D. Pedro I.

Índice

BiografiaEditar

Apelidado de "o moço", para distingui-lo de seu tio-avô, "o Patriarca", fez os primeiros estudos em São Paulo. Aos 14 anos ingressou na Escola Militar da Corte, de onde se afastou em 1846, sem terminar o curso. Formou-se em 1853 pela Faculdade de Direito de São Paulo. Foi professor de direito na escola de Recife e depois em São Paulo, tendo sido titular da cadeira de Direito Criminal e da de Direito Civil. Teve como alunos figuras como Rui Barbosa, Castro Alves, Joaquim Nabuco,Rodrigues Alves e Afonso Pena.

 
Estátua de José Bonifácio, o Moço na Faculdade de Direito de São Paulo.

Foi deputado provincial (1860) e deputado geral por São Paulo de 1861 a 1868 e de 1878 a 1879 e senador do Império do Brasil de 1879 a 1886. Orador e escritor de estilo romântico, notabilizou-se pela defesa do sistema parlamentarista e do voto dos analfabetos. Foi também ministro da Marinha em 1862 e do Império em 1864, participou do movimento abolicionista defendendo a libertação dos escravos de forma imediata e sem indenização. Rejeitou o cargo de Presidente do Conselho de Ministros em 1883 que lhe foi oferecido pelo Imperador D. Pedro II.

Era casado com Adelaide Eugênia da Costa Aguiar de Andrada em primeiras núpcias e após o seu falecimento casou-se em segundas núpcias com Rafaela de Souza Aguiar Gurgel do Amaral. Do primeiro casamento teve os seguintes filhos: José Bonifácio, Martim Francisco, Narcisa, Maria Flora e Gabriela.

Rui Barbosa fez um pronunciamento prestando-lhe homenagem póstuma no Teatro São José, em sessão cívica em 1886.

Olivenkranz.png Academia Brasileira de LetrasEditar

Foi escolhido por Medeiros e Albuquerque como patrono da cadeira 22 da Academia Brasileira de Letras, fundada em 1897, e como patrono da cadeira 7 da Academia Paulista de Letras, fundada em 1909.

BibliografiaEditar

  • BONIFÁCIO, José, o moço. Poesias. Org. e apres. Alfredo Bosi e Nilo Scalzo. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1962. (Poesia, 5).
  • BONIFÁCIO, José, o velho e o moço. José Bonifácio: o velho e o moço. Org. Afrânio Peixoto e Constâncio Alves. Paris: Aillaud e Bertrand; Porto: Chardron; Rio de Janeiro: F. Alves, 1920. p. 181-294. (Antologia brasileira)
  • FARIA, Júlio César de. José Bonifácio, o moço. São Paulo: Ed. Nacional, 1944.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar