Abrir menu principal

Wikipédia β

Portal:Academia Brasileira de Letras

Portal ABL.jpg
Laurel wreath.svg

Este portal reúne os artigos relacionados com a Academia Brasileira de Letras - seus Patronos, Imortais, bem como os artigos relacionados com as Academias de Letras no Brasil e no mundo - tornando a sua pesquisa mais simples e contribuindo para uniformizar a redação dos artigos.
Petit Trianon, sede da ABL


CuriosidadesEditar

  • Emílio de Meneses foi preterido para fazer parte da fundação da Academia, mas depois foi eleito para nela ocupar uma das Cadeiras... E nunca chegou a tomar posse, por se recusar a mudar o seu discurso.
T e m á t i c a

Categorias & ListasEditar

Por criarEditar

Verbetes que precisam ser criados - sinta-se livre para tanto, se tiver conhecimento sobre eles:

CorrelatosEditar

Artigos em destaque

Biografia em DestaqueEditar

Castro Alves, o "Poeta dos Escravos"Editar

Castro Alves

Antônio Frederico de Castro Alves (Muritiba, Bahia, 14 de Março de 1847 - Salvador, Bahia, 6 de Julho de 1871). Poeta brasileiro, nasceu numa fazenda a sete léguas da vila de Curralinho, hoje Castro Alves.

  • Biografia

Nasceu Antônio Frederico de Castro Alves do Dr. Antônio José Alves, cirurgião e professor da Faculdade de Medicina da Bahia, e de sua mulher D. Clélia Brasilia da Silva Castro. Os primeiros anos da vida passou no sertão da terra natal, do qual havia de guardar indelével impressão. Em 54, porém, já estava com a família na capital e cursava com o irmão mais velho, José Antônio, as aulas do Ginásio Baiano, dirigido pela afamado educador Abílio César Borges, depois Barão de Macaúbas.

No colégio o jovem Castro Alves, estimulado no lar por seu pai, iria encontrar uma atmosfera literária, produzida pelos oiteiros, ou sauraus, então em moda, festas de arte, música, poesia, declamação de versos. Aos treze anos faz os primeiros versos.

Em 1862, foi fazer o curso anexo da Faculdade do Recife. Lá ele foi tribuno e poeta sempre requisitado nas sessões públicas da Faculdade, nas sociedades estudantis, na platéia dos teatros, incitado desde logo pelos aplausos e ovações, que começara a receber, e ia num crescendo de apoteose.

Era, então, um belo rapaz, de porte esbelto, tez pálida, grandes olhos vivos, negra e basta cabeleira, voz possante, dons e maneiras que impressionavam à multidão, impondo-se à admiração dos homens e arrebatando paixões às mulheres. Ocorrem então os primeiros romances, os quais ele nos fez sentir em seus versos, os mais belos poemas líricos do Brasil.

Influência decisiva em sua vida exerceu a atriz portuguesa Eugénia Câmara, que veio ao Brasil com Furtado Coelho. Esta foi uma fase de intensa produção literária e a do seu apostolado por duas grandes causas: uma, social e moral, a da abolição da escravatura; outra, a república, aspiração política dos liberais mais exaltados. Data deste tempo o seu drama Gonzaga ou a Revolução de Minas, representado primeiramente na Bahia e depois em S. Paulo, no qual conseguiu consagrar as duas grandes causas de sua vocação.

No início de 68, passou pelo Rio, recebendo a consagração pública de José de Alencar e de Machado de Assis.


Artigo ModelarEditar

Academia francesaEditar

o Cardeal Richelieu

A Academia Francesa (Académie française), é uma associação composta pelas mais proeminentes pessoas instruídas nos assuntos relativos ao idioma francês. Foi criada em 1635 pelo Cardeal Richelieu, principal ministro e homem forte no reinado de Luís XIII. Fechada em 1793, durante a Revolução Francesa, foi novamente instituída por Napoleão Bonaparte, em 1803. É a mais antiga das 5 academias que compõem o Instituto da França.

Foi instaurada invocando-se o "sítio de Akademus" - local da Grécia Antiga onde teria sido os jardins do herói Akademus, e escolhido por Platão para ministrar suas palestras aos discípulos - recebendo aquele lugar o nome de "Akademia".

A Académie compõe-se de quarenta membros, conhecidos por Immortels ("Imortais"), sendo que novos membros são eleitos pelos mais antigos. Uma vez ingresso em seus quadros, ali permanece por toda a vida, podendo entretanto ser removidos por conduta inapropriada.

HistóricoEditar

Em suas origens a Académie era composta de um grupo informal que se reunia para debates literários, entre as décadas de 1620 e 1630, em Paris (um, dentre muitos dos grupos que então se formaram). O Cardeal Richelieu, na prática o governante da França na época, adotou este grupo como seu protegido. Como preparação para a sua constituição oficial, foram convidados vários associados, no ano de 1634. A 22 de fevereiro do ano seguinte, com a interceção e apressamento de Richelieu, a Carta Real foi concedida por Luis XIII, e a organização tornou-se formalmente legítima. A Carta, entretanto, somente foi registrada no Parlamento de Paris a 10 de julho de 1637. A Académie Française passou formalmente a ser a responsável pela regulamentação da gramática francesa, a ortografia e literatura.

Durante a Revolução francesa, a Convenção Nacional suprimiu todas as academias reais, inclusive a Académiefrançaise. Em 1792, foi proibida a eleição de novos sócios para substituir os que morreram, e no ano seguinte foram completamente abolidas. As academias foram reunidas numa única entidade, em 1795, chamado de Institut de France (Instituto da França). Napoleão, quando era Primeiro Cônsul, decidiu restabelecer as antigas academias, mas como "classes", ou divisões, do Instituto. A segunda classe do Instituto equivalia à antiga Académie. Quando assumiu o trono o rei Luis XVIII, em 1816, cada classe recuperou o título de "Académie" - e aquela segunda classe voltou a apropriadamente intitular-se "Academia". Desde este ano, portanto, a Académie française funciona ininterruptamente.


Artigos existentesEditar

Abgar Renault, Adelmar Tavares, Adonias Filho, Affonso Arinos de Mello Franco, Afonso Arinos de Melo Franco (jurista), Afonso Arinos de Melo Franco, Afonso Celso, Afonso Pena Júnior, Afonso d’Escragnolle Taunay, Afrânio Coutinho, Afrânio Peixoto, Alberto da Costa e Silva, Alberto de Oliveira, Alceu Amoroso Lima, Alcindo Guanabara, Álvares de Azevedo, Ana Maria Machado, Antonio Carlos Secchin, Antônio Olinto, António Pereira de Sousa Caldas, Antônio Houaiss, Ariano Suassuna, Arnaldo Niskier, Ataulfo de Paiva, Austregésilo de Athayde, Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira

Joaquim Manuel de Macedo, Jorge Amado, José Maria da Silva Paranhos Júnior, José Sarney, José de Alencar, Josué Montello, João Cabral de Melo Neto, João Ubaldo Ribeiro, João Manuel Pereira da Silva