Abrir menu principal

Correia Picanço

(Redirecionado de José Correia Picanço)
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo título brasileiro, veja Barão de Goiana.
Correia Picanço
Nome completo José Correia Picanço
Nascimento 10 de novembro de 1745
Goiana, Pernambuco
Morte 23 de janeiro de 1823 (77 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Nacionalidade Flag of Brazil.svg Brasileiro

José Correia Picanço, primeiro e único barão de Goiana com grandeza (Goiana, 10 de novembro de 1745Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 1823), foi um médico luso-brasileiro, aclamado "Patriarca da Medicina Brasileira". Iniciou carreira em sua capitania natal, Pernambuco, e no ano de 1789 obteve o título de Doutor em Medicina pela Universidade de Paris. Foi nomeado Cirurgião–mor do Reino de Portugal, e criou as primeiras escolas de medicina do Brasil: a Faculdade de Medicina da Bahia e a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.[1][2][3]

Em sua homenagem, a Sociedade Brasileira de História da Medicina instituiu a "Medalha José Correia Picanço", que premia nomes notórios da área médica.[4]

BiografiaEditar

Nascido na vila de Goiana, Pernambuco, filho de Francisco Correia Picanço e Joana do Rosário, conquistou o título de Officer de Santé e formou-se doutor em medicina pela Universidade de Paris. Foi depois lente da Universidade de Coimbra, em 1789.[5]

Retornou ao Brasil com Dom João VI em 1807, obtendo deste autorização para criar o primeiro curso de medicina do Brasil, na Bahia, em 18 de fevereiro de 1808, onde foi professor.

Acompanhou o parto da Imperatriz Maria Leopoldina, do qual nasceu D. Maria da Glória, futura rainha de Portugal.

Casou com Catarina Brochot, na França, e foi pai do marechal José Correia Picanço e do desembargador Antônio Correia Picanço.

Foi pioneiro no uso de cadáveres humanos no ensino de Anatomia, e, em 1817, fez no Hospital Militar do Recife a primeira operação cesariana do Brasil.[6][7]

TítulosEditar

Trabalho publicadoEditar

  • Ensaios sobre os perigos das sepulturas dentro das cidades e nos seus contornos, Rio de Janeiro, 1812.

Referências