Abrir menu principal

José Manuel Rosado

José Manuel Rosado
Nome completo José Manuel da Graça Rosado Amores
Nascimento 12 de Fevereiro de 1952 (67 anos)
Lagos
Nacionalidade Portugal Portugal
Morte 19 de Junho de 2002 (50 anos)
Lagos
Outros prémios
Prémio Casa da Imprensa
Prémio Nova Gente

José Manuel da Graça Rosado Amores (Lagos, 12 de Fevereiro de 1952 - Lagos, 19 de Junho de 2002) foi um actor de teatro, cinema e televisão português.

BiografiaEditar

 
Casa Museu Rosado Amores, onde José Manuel Rosado nasceu, e onde foi instalado um núcleo museológico.

Nascimento e formaçãoEditar

José Manuel Rosado nasceu na cidade de Lagos, em 12 de Fevereiro de 1952, filho de Júlia Maria Rosado Amores e José Graça Luz Amores.[1] Licenciou-se em geologia pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tendo depois frquentado o Curso Superior de Teatro no Conservatório Nacional de Lisboa.[1]

Carreira artísticaEditar

José Manuel Rosado destacou-se principalmente como actor, tendo sido um dos principais fomentadores da arte do transformismo em Portugal.[1] A sua principal criação como transformista foi a personagem Lydia Barloff.[1]

No teatro, fez parte do elenco das peças O Velho da Horta e Sonho de Uma Noite de Verão no Teatro da Trindade, O Auto da Cananeia no Teatro Villaret, De Afonso Henriques a Mário Soares e Maldita Cocaína no Teatro Politeama, e Minha Fera Lady no Teatro Monumental.[1] Também fez várias peças com espectáculos do género de café-teatro, e passou pelo Teatro Infantil de Lisboa, onde representou nas peças O Principezinho e Romance da Raposa.[1]

Na televisão, participou em vários espectáculos, destacando-se a sua presença nos programas A Mulher do Senhor Ministro, Ora Bolas Marina, O Conde de Abranhos, Cabaret, Cuidado com as Aparências e A Birra do Morto.[1]

Também representou nos filmes Fúria, Les Nuits d'Argel, A Santa Aliança , de Eduardo Geada, O Espião que saiu do Quente, de César de Oliveira, Iratan e Iracema, de Paulo Guilherme d'Eça Leal, O Rei das Berlengas, de Artur Semedo, e A Raiz do Coração, de Paulo Rocha.[1]

José Manuel Rosado também se dedicou à pintura, arte onde foi autodidacta.[1]

FalecimentoEditar

José Manuel Rosado faleceu na cidade de Lagos, em 19 de Junho de 2002.[1]

HomenagensEditar

Recebeu o Prémio Casa da Imprensa em 1981 e 1982, e o Prémio Nova Gente em 1981 e 1983.[1] Também foi homenageado durante a segunda Gala Rainhas da Noite no Cinema São Jorge, em 2006, onde Maria Odete dos Santos leu um texto de Filipe La Féria.[1] A Câmara Municipal de Lagos homenageou-o com um louvor público em 27 de Outubro de 2008, e criou a Casa Museu José Manuel Rosado, no edifício onde tinha nascido o artista.[1] Este museu encerra o acervo que o artista tinha deixado numa habitação perto de Lisboa, que tinha sido furtado após o seu falecimento, e que foi parcialmente recuperado.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n MARREIROS, 2015:231-232

BibliografiaEditar

  • MARREIROS, Glória Maria (2015). Algarvios pelo coração, algarvios por nascimento. Lisboa: Edições Colibri. 432 páginas. ISBN 978-989-689-519-8 


  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.