Juan Gualberto González

político paraguaio

Juan Gualberto González (Assunção, 12 de julho de 185130 de julho de 1912) foi um político paraguaio, presidente do país de 25 de novembro de 1890 a 9 de junho de 1894. Foi um dos fundadores da Associação Nacional Republicana, em 1887.[1]

Juan Gualberto González
Nascimento 12 de julho de 1851
Assunção
Morte 30 de julho de 1912
Assunção
Cidadania Paraguai
Ocupação político

Sua vidaEditar

Juan Gualberto González nasceu em Assunção em 12 de julho de 1851. Casou-se com a professora Rosa Peña Guanez, filha de Rosario Guanes e de Manuel Pedro Peña.

Quando ocorreu a Guerra do Paraguai contra a Tríplice Aliança, ele ofereceu seus serviços e ingressou no Departamento de Saúde do Exército. Ele foi feito prisioneiro, junto com Juan Bautista Gill, e teve que se alistar no exército dos aliados. Retornou a Assunção em 1869, dois anos depois ingressou na Maçonaria, na Loja União Paraguaia nº 30. Após algum tempo tornou-se um dos fundadores do Conselho Supremo Grau 33, esta instituição o exaltou neste cargo no dia 8 de julho, 1895, com Eleuterio Correo, Antonio Taboada e Cecilio Báez. Ele morreu em Assunção, em 30 de julho de 1912.

PresidênciaEditar

Foi Presidente da República entre 25 de novembro de 1890 e 9 de junho de 1894. O Vice-Presidente foi Marcos Morínigo e seu gabinete teve: José Tomás Sosa, como Ministro do Ministério do Interior, Venancio V. López (neto de Carlos Antonio López e sobrinho do Marechal López) no Ministério das Relações Exteriores, José Segundo Decoud no Tesouro; Benjamín Aceval no Departamento de Justiça e o General Juan B. Egusquiza na Guerra e Marinha.

Durante seu governo, a crise bancária declarada pelo governo anterior se agravou. Foi criada a Secretaria de Contribuição Direta (Imposto sobre Imóveis) e também o Município de Assunção. O Bispo Pedro Juan Aponte morreu. A Escola Prática de Agricultura, o Palácio do Governo foi inaugurado com uma grande exposição em comemoração ao Quarto Centenário do Descobrimento da América; foi concluída a construção da Cadeia Pública, foi criado também o edifício do Hospital Caridad e do Banco Mercantil. Em 18 de outubro de 1891, um golpe contra seu governo falhou, mas deixou um precedente na história do Paraguai. Em 1891 deixou o ex-chanceler coronel Juan Crisóstomo Centurión sem poder plenipotenciário diante dos governos da Inglaterra, França e Espanha; naquele ano fracassou a missão diplomática do representante boliviano Mariano Baptista.

Em 1892 foram concedidas as primeiras bolsas militares e criada uma Escola Prática de Agricultura. Em outubro do mesmo ano começou a funcionar a Lei do Ensino Médio e Superior, que foi muito importante na época. Em maio de 1893, a Faculdade de Notários e Escriturários do Tribunal Público. No dia 16 de julho se formaram os primeiros Doutores em Direito e Ciências Sociais em solenidade, foram eles: Emeterio González, Cecilio Báez e Gaspar J. Villamayor, o patrocinador foi Ramón Zubizarreta.[2]

A cidade Hiparía foi fundada oficialmente; em 2 de abril de 1861 Facundo Insfrán foi nomeado Ministro do Departamento de Justiça em substituição a Benjamín Aceval. O Código de Comércio da Argentina foi adotado no Paraguai, o Palácio de López foi reformado, muitas novas colônias foram fundadas e foi possível a chegada de 1 723 imigrantes. O trem chega em sua viagem a Pirapó em agosto de 1891, perto de Yuty e o gasto público foi de cerca de 314 615,23 pesos. Havia 292 escolas com 18 944 alunos. O orçamento nacional foi estabelecido em 1 226 000,00 pesos para 1893.

José Segundo Decoud foi nomeado representante do Paraguai no Uruguai e no Brasil, César Gondra no Vaticano e Juan Durán y Cuervo na Espanha.

Os jornais: “La Democracia” (A Democracia) e “El Independiente” (O Independente) foram criados em 1891, “La República” (A República), “La Libertad” (A Liberdade), “El Pueblo” (O Povo ), “El Centinela” (A Guarda) e “La Patria” (A Pátria).

DeposiçãoEditar

González deveria dar o poder a seu cunhado José Segundo Decoud, mas na manhã de 9 de junho de 1894, por causa de desentendimentos políticos, uma delegação que incluía Rufino Mazó, Eusebio Mongelós e Rufino Careaga apresentou-se ao seu gabinete e em nome do General Juan Bautista Egusquiza pediu-lhe que renunciasse à presidência. Quando González negou, foi levado ao quartel onde Egusquiza e o general Caballero o esperavam. González negou ter novamente renunciado e, por persuasão, o Parlamento concedeu o poder ao vice-presidente Marcos Morínigo.

Carreira políticaEditar

Foi ajudante da Secretaria de Saúde durante a Guerra do Paraguai contra a Tríplice Aliança. Foi magistrado e presidente da Câmara dos Deputados.[3]  Em 26 de junho de 1869 ele se tornou membro fundador do “Club del Pueblo”. Em 1872, ele examinava o magistrado do comércio. Em 1873 ele foi o Defensor do povo. Em 1877 foi membro fundador da “Asociación Nacional Republicana” (Associação Nacional Republicana). Foi Presidente do Conselho de Créditos Públicos e responsável pelo Departamento de Justiça.

Referências

  1. «Portal Guarani - JUAN GUALBERTO GONZÁLEZ». Portal Guarani. Consultado em 8 de julho de 2021 
  2. Amaral, Raúl (2000). Forjadores del Paraguay: diccionario biográfico (em espanhol). [S.l.]: Distribuidora Quevedo de Ediciones 
  3. Paraguay (1879). Registro oficial correspondiente al año de ... (em espanhol). [S.l.]: Imprenta Nacional 

Precedido por
Patricio Escobar
Presidente do Paraguai
1890 - 1894
Sucedido por
Marcos Morínigo