Lei Noroeste

A Lei do Noroeste (formalmente uma Portaria para o Governo do Território dos Estados Unidos, Noroeste do Rio Ohio, e também conhecida como Portaria de 1787) promulgada em 13 de julho de 1787, foi um ato orgânico do Congresso da Confederação dos Estados Unidos. Criou o Território do Noroeste, o primeiro território incorporado organizado da nova nação, de terras além das Montanhas Apalaches, entre a América do Norte Britânica e os Grandes Lagos ao norte e o Rio Ohio ao sul. O rio Mississippi formava a fronteira oeste do território. A Pensilvânia era a fronteira oriental.

No Tratado de Paris de 1783, que encerrou formalmente a Guerra Revolucionária Americana, a Grã-Bretanha cedeu a região aos Estados Unidos. No entanto, o Congresso da Confederação enfrentou vários problemas para obter o controle das terras, como o movimento não autorizado de colonos americanos para o Vale do Ohio; confrontos violentos com os povos indígenas da região; a presença contínua do Exército Britânico, que continuou a ocupar fortes na região; e um tesouro americano vazio.[1] A lei substituiu a Portaria Terra de 1784, que declarou que os estados um dia seria formado na região, e o decreto fundiário de 1785, que descrevia como o Congresso da Confederação venderia as terras para cidadãos privados. Projetado para servir como um modelo para o desenvolvimento e colonização da região, o decreto de 1787 carecia de um governo central forte para implementá-lo. Essa necessidade foi abordada em breve pelo governo federal dos Estados Unidos, formado em 1789. O Primeiro Congresso reafirmou a portaria de 1787 e, com pequenas modificações, renovou-a pela Portaria do Noroeste de 1789.[2]

Mapa dos estados e territórios dos Estados Unidos em 7 de agosto de 1789, quando o Território do Noroeste foi organizado.

Considerado um dos atos legislativos mais importantes do Congresso da Confederação,[3] estabeleceu o precedente pelo qual o governo federal seria soberano e se expandiria para o oeste com a admissão de novos estados, ao invés da expansão dos estados existentes e sua soberania estabelecida sob os Artigos da Confederação. Também estabeleceu precedente legislativo com relação a terras de domínio público americano.[4] A Suprema Corte dos EUA reconheceu a autoridade da Portaria Noroeste de 1789 dentro do Território Noroeste aplicável como constitucional em Strader v. Graham,[5]  mas não estendeu a portaria para abranger os respectivos estados, uma vez que foram admitidos na União.

A proibição da escravidão no território teve o efeito prático de estabelecer o rio Ohio como a divisão geográfica entre os estados escravistas e os estados livres das Montanhas Apalaches ao rio Mississippi, uma extensão da linha Mason-Dixon. Também ajudou a preparar o terreno para conflitos políticos federais posteriores sobre a escravidão durante o século XIX até a Guerra Civil Americana.[6][7]

Referências

  1. «Land Ordinance of 1785». Ohio History Central. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  2. Horsman, Reginald (1989). «The Northwest Ordinance and the Shaping of an Expanding Republic». The Wisconsin Magazine of History. 73 (1): 21–32. JSTOR 4636235 
  3. «Primary Documents in American History: Northwest Ordinance». loc.gov. The Library of Congress. Consultado em 7 de abril de 2020. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2019 
  4. Shōsuke Satō, History of the land question in the United States, Johns Hopkins University, (1886), p.352
  5. Strader v. Graham, 51 U.S. (10 How.) 82, 96-97 (1851).
  6. Hubbard, Bill, Jr. (2009). American Boundaries: the Nation, the States, the Rectangular Survey. University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-35591-7
  7. De Soto, Hernando (2000). The Mystery of Capital: Why Capitalism Triumphs in the West and Fails Everywhere Else. Basic Books. ISBN 978-0465016143

Ligações externasEditar

 
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com The Northwest Ordinance
  Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.