Leonardo Cortez

ator brasileiro

Leonardo Cortez[1] (São Paulo, 18 de janeiro de 1975)[1] é um ator, diretor e dramaturgo brasileiro, formado em artes cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da USP. É irmão do ator e jornalista Rafael Cortez.[2]

Leonardo Cortez
Nome completo Leonardo de Faria Cortez[1]
Nascimento 18 de janeiro de 1975 (45 anos)
São Paulo, SP
 Brasil
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Ator, diretor e dramaturgo

CarreiraEditar

Fundou a Companhia dos Gansos de Teatro em 1999. Dirigiu "Mumu, A Vaca Metafísica” em 2000, recebendo os prêmios de Melhor Diretor no Festival Universitário de Teatro de Blumenau, indicação para a mesma categoria no Festival Nacional de Teatro de Florianópolis - além de ter sido finalista na Categoria Direção no Prêmio Nascente 2000. Escreveu e dirigiu “O Crápula Redimido“ em 2003, recebendo dois prêmios pelo texto original nos Festivais de Florianópolis e Pindamonhangaba.

Ainda em 2003, adaptou “O Livro do Adolescente” de Liliana e Michelle Iacocca para o teatro, transformando-o no espetáculo “Da Hora“ que estreou em março de 2004 no Centro Cultural São Paulo. Em novembro de 2003, escreveu e interpretou o monólogo “In Memoriam”. Em 2005, escreveu o roteiro e protagonizou o curta-metragem “São Paulo Nos Pertence”, sob a direção de Zé Roberto Pereira. Em dezembro do mesmo ano escreveu “O Dia que Mamãe Soltou o Verbo”, Tele-Teatro exibido na TV Cultura. Escreveu, dirigiu e protagonizou o espetáculo “Escombros”, recebendo o Prêmio de Melhor Diretor, Melhor Espetáculo e indicação como Melhor Ator no Festival Nacional de Teatro de Pindamonhangaba e ainda em 2006 fez o mordomo do conde seu nome era Evaristo em Floribella.

Seu texto “O Rei dos Urubus” foi selecionado para o projeto “Dramaturgias” do Banco do Brasil, e ficou em cartaz nos meses de fevereiro e março de 2008 no Centro Cultural São Paulo. No final de 2008, lançou, pela Editora Candombá, o livro Trilogia Canalha com os textos integrais de “O Crápula Redimido”, “Escombros” e “O Rei dos Urubus”, prefaciado por Sebastião Milaré.

Na televisão, foi durante três anos o Especialista Léo, no Programa Zapping Zone, exibido pelo SBT e pelo Disney Channel.[1][3] Atuou nas séries Mothern do GNT e “Ó, Coitado”, no SBT, e no projeto “Senta que Lá Vem Comédia”, da TV Cultura. Em 2008 integrou o elenco do humorístico Uma Escolinha Muito Louca, na Band.

Foi repórter dos programas “Me Poupe”, exibido pelo GNT e Zapping Sports, exibido pelo Disney Channel. Atuou nas novelas Floribella (2006) e Dance, Dance, Dance (2007-2008), na Band. Em 2010, escreveu e atuou em "Rua do Medo", sendo indicado ao Prêmio Shell e ao Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro como melhor autor.

Entre 2011 e 2013 atuou nas séries “Quando Bate o Sino”, no Disney Channel , “Caco e Dado”, Tv Cultura e “O Negócio’’, HBO . Em 2014, escreveu e protagonizou “Maldito Benefício”. Por esse trabalho recebeu indicações aos principais prêmios do teatro paulista na categoria Melhor Autor: Shell, APCA e Aplauso Brasil. O Texto de "Maldito Benefício" foi adaptado para o cinema e será filmado em 2017 pelo cineasta Clovis Mello. Ainda em 2014 lançou seu segundo livro: Comédias Urbanas de Leonardo Cortez, pela Editora SESI-SP.

Em 2015, Leonardo Cortez concebeu ao lado de Ricardo Côrte Real a série "Máximo & Confúcio", escrevendo em parceria com André Rodrigues os 13 episódios da primeira temporada produzida pela Moonshot Pictures exibida em 2017, na TV Cultura. Também com a produção da Moonshot Pictures, atuou na série "171- Negócio de Família", exibida no Universal Channel em 2017.

Em 2016, escreveu a peça "Sala dos Professores" encenada pela Cia Elevador de Teatro Panorâmico. Por esse texto, Leonardo Cortez foi mais uma vez indicado como Melhor Autor nos Prêmios Shell e APCA. O texto de Sala dos Professores também foi finalista do Prêmio Aplauso Brasil e Leonardo Cortez foi indicado ao Prêmio Arte Qualidade Brasil como Melhor Ator de 2016 na Categoria Drama.

Em 2018, escreveu e protagonizou a peça "Pousada Refúgio", sob a direção de Pedro Granato. O espetáculo teve sua estréia em junho no SESC Pompéia e atualmente realiza temporada no Teatro Vivo. O texto de "Pousada Refúgio" rendeu a Leonardo Cortez indicações como Melhor Autor aos Prêmios Shell, APCA e Aplauso Brasil. Leonardo Cortez foi o único dramaturgo paulistano a ser indicado aos três prêmios no primeiro semestre.

Referências

  1. a b c d Luiz Almeida (20 de maio de 2006). «Leonardo Cortez estréia em novelas e se diverte com Floribella». Terra. Consultado em 6 de novembro de 2011. Arquivado do original em 10 de agosto de 2011  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  2. «Os irmãos Rafael e Leonardo Cortez». Caras. 12 de abril de 2011. Consultado em 6 de novembro de 2011 
  3. Bernardo, André (6 de maio de 2003). «Zapping Zone ganha outras reformulações». Vale Paraibano. Consultado em 5 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 13 de julho de 2009  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.