Lista de evangelhos

Nessa lista estão relacionados textos que descrevem os ensinamentos ou fatos da vida (e ressurreição) de Jesus e não evangelhos em seu sentido etimológico (Boa nova)[1].

O Novo Testamento contém os quatro evangelhos canônicos, que são aceitos como os únicos autênticos pela grande maioria dos cristãos, mas muitos outros existem, ou existiram, e são chamados de Apócrifos do Novo Testamento. Alguns deles deixaram traços consideráveis ​​nas tradições cristãs, incluindo a iconografia.

Evangelhos canônicosEditar

Artigo principal: Evangelhos canônicos

Ver também: Cânon bíblico e Desenvolvimento do cânone do Novo Testamento.

  • Evangelhos Sinópticos: Contém uma grande quantidade de histórias em comum, na mesma sequência, e algumas vezes utilizando exatamente a mesma estrutura de palavras[2].
  • Evangelho segundo Mateus: Trata-se de um texto muito alinhado com o judaísmo do primeiro século, e tem sido associado aos evangelhos judaico-cristãos; ressalta como Jesus teria cumprido as profecias judaicas. Enfatiza a obediência e a preservação da lei bíblica.
Alguns estudiosos acreditam que foi composto na parte final do primeiro século por um judeu cristão[3], entre a queda de Jerusalém e o período no qual, Inácio de Antioquia escreveu a Epístola aos Esmirniotas (em torno de 115 DC), que menciona a "Parábola das Bodas"[4].
Costuma ser dividido em cinco seções distintas: o Sermão da Montanha (cap. 5, 6 e 7), as Instruções para a missão aos doze apóstolos (cap 10), o Discurso das Parábolas (cap. 13), instruções para a comunidade (cap. 18), o Sermão do Monte das Oliveiras (caps. 24-25).
  • Acréscimo a Marcos: Muitos estudiosos afirmam que os versículos 9 a 20 do Capítulo 16 do Evangelho Segundo Marcos não estavam na versão original do texto[5].
  • Evangelho segundo Lucas: A obra tem uma ênfase especial sobre a oração, a atividade do Espírito Santo, a alegria e o cuidado de Deus para com os pobres, as crianças e as mulheres[6]. Apresenta Jesus como o Filho de Deus, mas volta sua atenção especialmente para a humanidade d'Ele, com Sua compaixão para com os fracos, os aflitos e os marginalizados[7].

Evangelhos apócrifosEditar

Artigo principal: Apócrifos do Novo Testamento

Evangelhos gnósticosEditar

Artigo principal: Evangelhos Gnósticos

Referências

  1. vangèlo, em italiano, acesso em 30/10/2021.
  2. F.L. Cross and E.A. Livingston, The Oxford Dictionary of the Christian Church, Oxford University Press, 1989 p. 1333
  3. Paul Foster (2003). "Why Did Matthew Get the Shema Wrong? A Study of Matthew 22:37". Journal of Biblical Literature.
  4. Stanton, Graham (1993). A gospel for a new people: studies in Matthew. Westminster John Knox Press
  5. Funk, Robert W. e o Jesus Seminar. "The acts of Jesus: the search for the authentic deeds of Jesus. Harper San Francisco. 1998". "Empty Tomb, Appearances & Ascension" p. 449-495.
  6. Donald Guthrie. New Testament Introduction. Leicester, England: Apollos, 1990.
  7. Leon Morris. Lucas. São Paulo: Vida Nova, 2005.
  8. EVANGELHO DE TOMÉ ONLINE, acesso em 01/11/2021.
  9. Against Heresies (Book III, Chapter 11), em inglês, acesso em 31/10/2021.
  10. Gospel of Philip, acesso em 01/11/2021.
  11. Thomas Cruttwell, Charles (2004). A Literary History of Early Christianity Including the Fathers and the Chief Heretical Writers of the Ante-Nicene Period. Kessinger Publishing. p. 170.
  12. Leandro Bertoldo (2016). Breve Resumo Dos Evangelhos Desconhecidos. Clube de Autores. p. 80.
  13. Foster, Paul (2009). The apocryphal Gospels : a very short introduction. Oxford: Oxford University Press. pp. 56–58.