Louis Charles Antoine Desaix

Louis Charles Antoine Desaix (Saint-Hilaire d'Ayat, 17 de agosto de 1768 – Batalha de Marengo, Itália, 14 de junho de 1800) foi um general e líder militar francês nas Guerras Revolucionárias Francesas. Ao longo do tempo, ele tomou o nome Louis Charles Antoine Desaix de Veygoux.

Louis Charles Antoine Desaix
Nascimento 17 de agosto de 1768
Ayat-sur-Sioule
Morte 14 de junho de 1800 (31 anos)
Spinetta Marengo
Sepultamento Grande São Bernardo
Cidadania França
Ocupação oficial, militar,
Prêmios
Causa da morte morto em combate

BiografiaEditar

Desaix nasceu em uma família nobre no Château d'Ayat em Ayat-sur-Sioule,[1] na província de Auvergne, filho de Gilbert des Aix, Senhor de Veygoux, o feudo da família em Charbonnières-les-Varennes, e Amable de Beaufranchet, sua esposa e prima.[2] Desaix recebeu sua educação militar na escola fundada pelo marechal d 'Effiat e entrou para o exército real francês. Durante seus primeiros seis anos de serviço, ele se dedicou ao serviço e aos estudos militares. Quando a Revolução Francesa estourou, ele se lançou pela causa da liberdade. Recusando-se a "emigrar", ele se juntou à equipe de Charles Louis Victor de Broglie, príncipe de Broglie, o filho jacobino do príncipe de Broglie. Isso quase custou a vida de Desaix, mas ele escapou da guilhotina e, por seu serviço conspícuo, logo conquistou o favor do governo republicano. Como muitos outros membros das velhas classes dominantes que aceitaram a nova ordem, o instinto de comando unido à habilidade nativa trouxe o sucesso de carreira de Desaix, e assim ele alcançou o comando de uma divisão em 1794.[3]

 
Desaix in the uniform of a captain of the 46th infantry regiment in 1792, by Charles de Steuben.

Durante a campanha de 1795, ele comandou a direita de Jourdan e, durante a invasão de Jean Victor Marie Moreau à Baviera, no ano seguinte, ocupou um comando igualmente importante. Após a retirada que se seguiu quando o arquiduque Carlos venceu as batalhas de Amberg e Würzburg, Desaix comandou a retaguarda de Moreau e, mais tarde, a fortaleza de Kehl, com a mais alta distinção, e seu nome tornou-se uma palavra familiar, como os de Bonaparte, Jourdan, Louis Lazare Hoche, François Séverin Marceau-Desgraviers e Kléber. No ano seguinte, seus sucessos iniciais foram interrompidos pelas Preliminares de Leoben, e ele conseguiu para si uma missão na Itália a fim de encontrar o general Bonaparte, que não poupou esforços para cativar o jovem e brilhante general dos campos quase rivais da Alemanha. Comandante provisoriamente nomeado do "Exército da Inglaterra", Desaix foi logo transferido por Bonaparte para a força expedicionária destinada ao Egito. Foi sua divisão que suportou o impacto do ataque mameluco na Batalha das Pirâmides, e ele coroou sua reputação com suas vitórias sobre Murad Bey no Alto Egito. Entre os felá, ele adquiriu a significativa denominação de "Justo Sultão".[3]

Quando o comando passou para Kléber, Desaix era um dos pequenos grupos selecionados para acompanhar Bonaparte. No entanto, demorou meses antes que ele pudesse se juntar ao novo primeiro cônsul. A campanha de 1800 estava perto de seu clímax quando Desaix, finalmente, chegou à Itália. Ele foi imediatamente designado para o comando de um corpo de duas divisões de infantaria. Três dias depois (14 de junho), destacado, com a divisão de Boudet, em Rivalta, ouviu o canhão de Marengo à sua direita. Tomando a iniciativa, marchou imediatamente em direção ao som, encontrando-se com o oficial do estado-maior de Bonaparte, que viera chamá-lo, a meio caminho. Ele chegou com a divisão de Boudet no momento em que os austríacos foram vitoriosos ao longo de toda a linha. Exclamando: "Ainda há tempo para vencer outra batalha!" ele liderou seus três regimentos direto contra o centro do inimigo. No momento da vitória, Desaix foi morto por uma bala de mosquete. Aconteceu que foi no mesmo dia, quando Jean-Baptiste Kleber, bom amigo de Desaix, e camarada, governador-geral do Egito, foi assassinado no Cairo.[3] Ao ouvir a notícia da morte de Desaix, um Napoleão angustiado exclamou: "Por que não estou autorizado a chorar?".[4]

Referências

  1. Claude Desprez (1884). Desaix (em francês). Paris: [s.n.] p. 3 
  2. Gustave Louis Chaix d'Est-Ange. Dictionnaire des familles françaises anciennes ou notables à la fin du XIXe siècle (em francês). Évreux: [s.n.] 
  3. a b c Chisholm 1911, p. 78.
  4. Roberts, Andrew (2014). Napoleon: A Life. [S.l.]: Penguin. p. 339 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Desaix
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.