Luiz Antonio Mello

jornalista brasileiro

Luiz Antonio Mello (Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 1955) é produtor musical, jornalista, radialista e escritor brasileiro, além de bacharel em Comunicação Social pela Universidade Estácio de Sá. Executivo de Comunicação & Marketing avançado.

Luiz Antonio Mello
Nascimento 18 de fevereiro de 1955
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista, escritor, romancista

Biografia editar

Começou sua carreira em 1971 no Jornal de Icaraí, de Niterói e, no ano seguinte, passou a trabalhar na Rádio Federal (a primeira emissora no Brasil dedicada a jazz, blues, rock e MPB alternativa) nas funções de programador, produtor e redator musical. A seguir foi para o departamento jornalístico da Rádio Tupi, trabalhando ainda na Rádio Jornal do Brasil e no jornal Última Hora.[1]

Montou em 1981, juntamente com Samuel Wainer Filho, o projeto "Maldita", da Fluminense FM.[2] Em 1985 deixou a Fluminense para participar da implantação da Globo FM. Trabalhou ainda como crítico musical em vários programas de televisão.

De 1985 a 1990 foi consultor de marketing avançado do departamento internacional da gravadora Polygram, responsável pelas campanhas de lançamento de álbuns do Dire Straits, Tears for Fears, Jimi Hendrix, Supertramp, Janet Jackson, Eric Clapton e outros 82 artistas. Foi responsável pelo lançamento da gravadora Windham Hill Records no Brasil (label norte-americano líder mundial em new age music) e do projeto Música dos Anos 1990 da Warner Music.

Em 1986 foi para a Rede Manchete, onde atuou como diretor do Domingo Especial e redator-chefe do programa Shock, dirigindo aproximadamente 200 musicais internacionais para a emissora.[1]

Como produtor musical, trabalhou nos discos de Celso Blues Boy (Som Na Guitarra) e de Antônio Quintella (Araribóia Blues, Os Intocáveis), coletâneas do The Who, Jimi Hendrix e na série On The Road, entre outros.

Assumiu em 1989 a presidência da Funiarte (Fundação Niteroiense de Arte). Nos anos 1990, coordenou um projeto chamado "Música dos Anos 90", pela gravadora Warner Music.[1]

Foi colunista ainda dos jornais O Pasquim, Jornal do Brasil, O Estado de S. Paulo, Jornal Opinião e Folha de Niterói.

Foi diretor de criação da Tech & Midia Comunicação Integrada, editor de cultura da revista de arte Caffè Magazine, cronista do jornal International Magazine e vários outros veículos.

Em 2005 fez parte da equipe que fundou a BandNews FM, sucursal Rio de Janeiro. Produz o blog diário Coluna do LAM, com centenas de milhares de acessos.

Obras publicadas editar

  • Nichteroy, Essa Doida Balzaka (1988)
  • A Onda Maldita (1992)
  • Torpedos de Itaipu (1995)
  • Manual de sobrevivência na selva do jornalismo (1996)
  • Jornalismo na Prática (junho de 2006)
  • 5 e 15, Romance Atonal Beta (junho de 2006)

Notas e referências editar

Ligações externas editar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.