Lula-colossal

espécie de molusco

A lula-colossal (Mesonychoteuthis hamiltoni) é provavelmente a maior espécie de lula existente, e o único membro do gênero Mesonychoteuthis. A lula-colossal é considerada o maior invertebrado em termos de massa do planeta de que se tem conhecimento, podendo ultrapassar os 15 metros de comprimento.[1]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaLula-colossal
Mesonychoteuthis hamiltoni
Mesonychoteuthis hamiltoni
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Cephalopoda
Ordem: Teuthida
Família: Cranchiidae
Subfamília: Taoniinae
Género: Mesonychoteuthis
Espécie: M. hamiltoni
Nome binomial
Mesonychoteuthis hamiltoni
Robson, 1925
Distribuição geográfica
Extensão da M. hamiltoni
Extensão da M. hamiltoni

CaracterísticasEditar

O Mesonychoteuthis hamiltoni possui a maior cabeça de todos os tipos de lulas, excedendo até o do Architeuthis no tamanho e na robustez. A lula-colossal também possui os maiores olhos no reino animal chegando ao tamanho de um prato. Dispõe de dois bicos enormes e afiados, e garras giratórias em forma de ganchos, profundamente fixados em seus tentáculos.

Habita as profundezas do Oceano Antártico.[2]

Pouco se sabe sobre a vida desta criatura. É caçadora como outras lulas e no mar profundo se utiliza da bioluminescência para encontrar a presa. Baseado na captação do bico das lulas em estômagos do cachalote, estima-se o tamanho de animais adultos (já que poucos foram capturados) de pelo menos 22 metros, no caso de adultos, enquanto os mais jovens a cerca de 10 metros.

Muitos cachalotes carregam cicatrizes causadas pelos tentáculos da lula-colossal, pois além das ventosas, possuem ganchos que podem causar feridas profundas. A lula-colossal é uma das principais presas para os cachalotes que se alimentam no Oceano Antártico; 14% dos tentáculos de lula encontrados nestas baleias são da lula-colossal.

Recentemente pescadores da Nova Zelândia encontraram em águas antárticas uma lula-colossal com mais de 14 metros de comprimento. O molusco que pesava 495 quilos tinha olhos do diâmetro de pratos de comida. O animal foi fisgado por acidente, trazido a bordo e conservado no gelo, sendo enviado para estudo na Universidade de Tecnologia de Auckland, Nova Zelândia. Esse é o segundo maior exemplar da lula-colossal já encontrado e está exposto no Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongar.

O tamanho total do animal se refere ao tamanho da massa visceral (parte do corpo que aloja os órgãos internos em forma de cone) e da cabeça, acrescido do tamanho dos tentáculos. Esta medida não é das melhores, porque o animal pode ser esticado, alterando assim o tamanho. Há notícias de que a primeira Architeuthys spp descrita, encontrada encalhada numa praia, tinha 22 metros, exatamente pela elasticidade dos tentáculos, por isso é importante que não se analise as informações parcialmente. A medida da massa visceral com a cabeça é uma das melhores medidas.

A lula colossal, ao contrário das lulas-gigantes (Architeuthys) à medida que cresce vai adquirindo uma forma redonda em sua cabeça. Os tentáculos da lula-colossal são grandes para agarrarem a presa no gélido mar de Ross. Então o corpo apenas flutua, enquanto seus tentáculos buscam uma presa. Por esta capacidade de flutuar, as lulas moribundas sobem até a superfície. Essa é uma forma muito comum de se encontrar lulas gigantes ou colossais.

MorfologiaEditar

Diferentemente da Lula Gigante, que possui braços e tentáculos alinhados com pequenos dentes, os membros da lula colossal possuem também ganchos afiados. Seu corpo é robusto e mais largo, e consequentemente mais pesado do que o corpo da lula gigante.

A lula colossal possui gigantismo abissal. Além disso, possui o maior globo ocular conhecido no reino animal, uma espécime coletada possuía o globo ocular com 27 cm de diâmetro e 9 cm de pupila. Acredita-se que quando viva, o globo ocular possuía entre 30 e 40 centímetros de diâmetro.

DistribuiçãoEditar

A extensão da distribuição da lula colossal vai de vários quilômetros do norte da antártica ao sul da América do Sul, sul da África do Sul e extremo sul da Nova Zelândia, tornando-a uma habitante de todo o oceano austral antártico.[2]

Linha do tempoEditar

  • 1925 - A espécie foi descoberta na forma de dois tentáculos encontrados no estômago de um cachalote.
  • 1970 - Uma traineira russa, no mar de Ross, ao largo da costa da Antártida, capturou uma grande lula com um comprimento total de 4 metros, que foi identificado mais tarde como uma fêmea imatura do Mesonychoteuthis hamiltoni.
  • 2003 - Um espécime completo foi encontrado perto da superfície, com um comprimento total de 22 metros e um comprimento total e com corpo (massa visceral + cabeça) de 8,5 metros.
  • 2007 - Pescadores neozelandeses capturaram a maior lula-colossal de até então; com 495 kg e um comprimento do corpo (massa visceral + cabeça) de aproximadamente 14 metros.[3][4]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Barratt, I.; Allcock, L. (2014). «Mesonychoteuthis hamiltoni». The IUCN Red List of Threatened Species. 2014: e.T163170A980001. doi:10.2305/IUCN.UK.2014-1.RLTS.T163170A980001.en 
  2. a b Rosa, Rui & Lopes, Vanessa M. & Guerreiro, Miguel & Bolstad, Kathrin & Xavier, José C. 2017. Biology and ecology of the world's largest invertebrate, the colossal squid (Mesonychoteuthis hamiltoni): a short review. Polar Biology, published online on March 30, 2017. doi:10.1007/s00300-017-2104-5
  3. «Estadão». Consultado em 22 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2007 
  4. NZ fishermen land colossal squid (em inglês)

BibliografiaEditar

  • Aldridge, A.E. (2009). «Can beak shape help to research the life history of squid?». New Zealand Journal of Marine and Freshwater Research. 43 (5): 1061–1067. doi:10.1080/00288330.2009.9626529  (em inglês)
  • Klumov, S.K. & V.L. Yukhov 1975. Mesonychoteuthis hamiltoni Robson, 1925 (Cephalopoda, Oegopsida). Antarktika Doklady Komission 14: 159–189. (em russo)
  • McSweeny, E.S. (1970). «Description of the juvenile form of the Antarctic squid Mesonychoteuthis hamiltoni Robson». Malacologia. 10: 323–332  (em inglês)
  • Rodhouse, P.G.; Clarke, M.R. (1985). «Growth and distribution of young Mesonychoteuthis hamiltoni Robson (Mollusca: Cephalopoda): an Antarctic squid». Vie Milieu. 35 (3–4): 223–230  (em inglês)

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre Cefalópodes, integrado no Projeto Invertebrados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.