Lupo III

Lupo III  é duque de Vascónia em 818 e exilado em 819[1], filho de Centulo, neto provável de Lupo II.

BiografiaEditar

Em 816, Sancho Lupo, duque de Vasconia, e seu irmão Garcia Lupo, conde de Dax, tinham sido mortos durante uma batalha contra os Mouros, e o ducado da Vasconia é confiado a Lupo Centulo e a Garcia (i) Sêmeno seu irmão.

Em 817, Luís, o Piedoso confia o reino da Aquitânia a seu filho Pepino I. Ele ajudou seus parentes Guerino, conde de Auvergne , e Bernardo de Septimânia, conde de Toulouse, cometendo rapidamente muitos erros, espalhando e desgraçando os senhores locais e assassinando os bispos, como João Auch em 820.

Em 819 Lupo Centulo e Garcia I de Semeno de Vasconia revoltam-se contra Berengário, conde de Toulouse e Warin , conde de Auvergne, mas eles são derrotados. Garcia (Garuhand) "um homem de notável loucura" é morto enquanto Lupo é exilado[2].

DescendênciaEditar

Tradicionalmente, lhe atribuem pelo menos dois filhos :

Mas esta afirmação é baseada na carta de Alaone, alegadamente datada de 845 e que acabou por ser um falso do século XVII.

Acredita-se[3] que ele é o avô de outro Lupo, ele próprio pai de Raimundo, conde de Pallars, de Unifredo, de Dadilde, casado com o rei Garcia II de Navarra, e provavelmente Donato Lupo, conde de Bigorre.

Referências

  1. Jean de Jaurgain,  Jean de Jaurgain, , t. 1, PyréMonde (Ed.Régionalismes), 1898, 447 p. (ISBN 2846181446 et 9782846181846, OCLC 492934726lire en ligne [archive])
  2. Eginhard , a Vida de Luís, o Piedoso , o AD 819
  3. Christian Settipani, Ibid, página 14 e 16.


  Este artigo sobre um nobre é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.