O canhão M777 howitzer é um obus, construido para ser sucessor do M198 como a principal peça de artilharia do exército e do Corpo de Fuzileiros dos Estados Unidos. O M777 também é utilizado no Canadá e na Austrália. Sua estreia em combate aconteceu na guerra do Afeganistão.[1]

M777
M777 howitzer rear.jpg
Um M777 do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos.
Tipo Obus
Local de origem  Reino Unido
História operacional
Em serviço 2005–presente
Utilizadores  Estados Unidos
 Austrália
Arábia Saudita
 Canadá
 Ucrânia
Histórico de produção
Variantes M777A1
M777A2
M777ER
M777C1
Especificações
Peso 3 420 kg
Comprimento 10,7 m
Tripulação 7 (+1)
Calibre 155 mm
Elevação 0° para +71,7°
Alcance efetivo 24 - 40 km
Um M777 em ação na província de Logar, Afeganistão.

O M777 foi desenvolvido pela divisão de armamentos da BAE Systems. Sua principal linha de produção fica em Barrow-in-Furness, no Reino Unido. Os testes de eficiência e funcionalidade são feitas em Hattiesburg, Mississippi, nos Estados Unidos.[2]

HistóriaEditar

Pesando aproximadamente 4 200 kg, o M777 é 41% mais leve que o M198, que pesava 7 154 kg.[3][4] Grande parte desta redução de peso se deve ao uso extensivo de titânio.[5] O cano da arma serve como barra de reboque, com o anel de conexão forjado como uma projeção do freio de boca.[6] O M777 pode ser facilmente transportado por uma aeronave via cabos, como por um Lockheed C-130 Hercules ou até um helicóptero CH-47 Chinook, ou pode ser ainda rebocado por veículos com freio a ar com peso superior a 2,5 toneladas, como os do tipo FMTV e MTVR.[7][3] A tripulação mínima necessária para manusear o canhão é de cinco pessoas, em comparação com as nove anteriores,[8] embora a tripulação normal seja oito.[6]

As variantes M777A1 e M777A2 usam um sistema de controle de disparo digital similar ao que o obusteiro M109A6 Paladin utiliza para navegação, apontando e auto-localização, permitindo que ele seja colocado em ação rapidamente.[9] O M777A2 e outras versões mais modernas podem ser municiadas com o M982 Excalibur, com projéteis guiados por GPS, que permite disparos precisos a uma distância de até 40 km com notável precisão. Isso quase dobra a área coberta por uma única bateria para cerca de 1 250 km². Testado no Campo de testes de Yuma, no Arizona, pelo Exército dos Estados Unidos, foi colocado 13 dos 14 cartuchos Excalibur, disparados de até 24 km, que cairam dentro de uma área de dez metros no alvo, sugerindo um erro circular provável de cinco metros.[10]

GaleriaEditar

Referências

  1. "M777 Lightweight 155mm howitzer (LW155)". Página acessada em 3 de abril de 2014.
  2. «U.S. Upgrades and Orders More Lightweight BAE Systems Howitzers». Press release. BAE Systems – USA. 4 de outubro de 2011. Consultado em 4 de abril de 2014 
  3. a b «M777 Howitzer - Specifications». Canadian Army (em inglês). 8 de março de 2013. Consultado em 18 de março de 2017. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2016 
  4. «M198 Towed Howitzer - Specifications». GlobalSecurity.org (em inglês). Consultado em 18 de março de 2017. Cópia arquivada em 1 de abril de 2013 
  5. «M777 155mm Ultralightweight Field Howitzer». Army Technology (em inglês). Consultado em 18 de março de 2017. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2016 
  6. a b «M777 - 155 mm lightweight towed howitzer». Military-Today.com. Consultado em 15 de maio de 2022 
  7. «M777 155mm Ultralightweight Field Howitzer». Army Technology (em inglês). Consultado em 18 de março de 2017. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2016 
  8. «M777 Lightweight 155 mm howitzer (LW155)». GlobalSecurity.org. Consultado em 26 de maio de 2005. Cópia arquivada em 26 de maio de 2005 
  9. «M777 155mm Ultralightweight Field Howitzer». Army Technology (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2020 
  10. «Canada Deploys GPS Shell To Afghanistan». defensenews.com. Consultado em 4 de novembro de 2014