Madge Bellamy

Madge Bellamy (nascida Margaret Derden Philpott; Hillsboro, Texas, 30 de junho de 1899Upland, Califórnia, 24 de janeiro de 1990) foi uma atriz americana de teatro e cinema. Era popular na década de 1920 e no início da década de 1930. Sua carreira entrou em declínio com o cinema falado e encerrou-se após um escândalo amoroso na década de 1940.

Madge Bellamy
Nascimento 30 de junho de 1899
Hillsboro
Morte 24 de janeiro de 1990 (90 anos)
Upland
Sepultamento Forest Lawn Memorial Park (Glendale)
Cidadania Estados Unidos
Ocupação actriz, autobiógrafo, ator de teatro, ator de cinema
Prêmios
  • estrela na calçada da fama de Hollywood
Religião ateísmo
Causa da morte enfarte agudo do miocárdio

Primeiros AnosEditar

Margaret Derden Philpott nasceu em Hillsboro, Texas, em 30 de junho de 1899,[1][2] filha de William Bledsoe e Annie Margaret Philpott. Bellamy foi criada em San Antonio, Texas até os 6 anos de idade, quando a família mudou-se para Brownwood, Texas, onde seu pai trabalhava como professor de inglês na Texas A&M University.[3]

Quando criança, teve aulas de dança e logo começou a aspirar a se tornar uma artista de teatro. Bellamy fez sua estréia no palco dançando em uma produção local de Aida, aos 9 anos de idade.[4]

Posteriormente, os Philpotts se mudaram para Denver, Colorado.[5] Madge se casou com Carlos Bellamy no Colorado, mas eles se divorciaram quando ela decidiu deixar o Colorado para seguir sua carreira de atriz.

CarreiraEditar

Primeiros anosEditar

Pouco antes de terminar o colegial, Bellamy foi para Nova York. Ela logo começou a trabalhar como dançarina na Broadway. Depois de aparecer no coro de The Love Mill (1917), decidiu que queria atuar. Em 1918, Bellamy apareceu em uma produção em turnê de Pollyanna, pela qual recebeu boas críticas. Sua grande chance veio em 1919, quando substituiu Helen Hayes na produção da Broadway de Dear Brutus, ao lado de William Gillette, em 1918.[4] Bellamy também apareceu na turnê de Dear Brutus. Enquanto atuava em Dear Brutus, Bellamy foi escalada para um papel coadjuvante em seu primeiro filme, The Riddle: Woman (1920), estrelado por Geraldine Farrar.[6]

Depois que a turnê de Dear Brutus terminou, ela ingressou em uma grupo de teatro em Washington DC, onde atuou em Peg o 'My Heart. Bellamy fez um teste de cinema para o diretor Thomas H. Ince.[7] Em novembro de 1920, assinou um contrato de três anos com a recém-formada Triangle Film Corporation da Ince. Seu primeiro filme para Triangle foi The Cup of Life, de 1921, estrelado por Hobart Bosworth.[6]

FilmesEditar

 
Madge Bellamy, 1920

O papel principal de Bellamy foi o personagem-título na adaptação cinematográfica de 1922 do romance Lorna Doone, de 1869. Em seguida ficou conhecida como "a requintada Madge" (a artista Penrhyn Stanlaws mais tarde a chamou de "A Garota Mais Bonita da América"),[8] e foi lançada em vários melodramas por Ince.[9] Em 1924, o contrato de Bellamy com a Ince terminou e ela assinou com a Fox Film Corporation, onde ficaria pelos próximos cinco anos.[10] Na Fox, atuou em dois filmes para John Ford, The Iron Horse (1924) e Lightin '. Em 1925, Bellamy começou a enfrentar dificuldades devido a várias "diferenças artísticas" que ela tinha com executivos de estúdio. Naquele ano, ela se recusou a aceitar um papel no épico mudo de grande sucesso Ben-Hur. Mais tarde, atribuiu seu declínio na carreira à sua própria escolha de querer aparecer em papéis leves de comédia e melindrosa que destacavam sua aparência ao invés de papéis mais exigentes.[7]

Em 1927, o executivo da Fox, Winfield Sheehan, com quem Bellamy estava tendo um caso, tentou colocá-la no papel principal de "Diane" no drama romântico 7th Heaven.[11] Mais tarde, Bellamy disse ao autor Anthony Slide que ela foi escalada como "Diane", mas foi substituída por Janet Gaynor (que ganhou o primeiro Oscar de Melhor Atriz por seu trabalho no filme) quando estava na França, filmando cenas externas.[12] Bellamy apareceu na comédia romântica Very Confidential, na qual ela atuou como modelo que personifica uma famosa figura esportiva feminina.[13] Em 1928, Bellamy foi escalada para o primeiro filme falado da Fox, Mother Knows Best O filme foi uma adaptação do romance de Edna Ferber, de mesmo nome, e apresenta Bellamy como Sally Quail, uma artista de teatro cuja vida é dominada por sua mãe dominadora "Ma Quail" ( Louise Dresser ). Nas seqüências musicais, Bellamy representou vários artistas populares do dia, incluindo Anna Held, Sir Harry Lauder e Al Jolson cantando " My Mammy " em blackface.[14] As críticas ao filme foram geralmente positivas com os críticos, observando que a voz de Bellamy era fraca.[15][16]

O filme mudo final de Bellamy, Fugitives, foi lançado em 1929. Seu primeiro longa-metragem, todo falado Tonight at Twelve, foi lançado no final daquele ano.[16] Na época de seu lançamento, a carreira de Bellamy havia sofrido uma forte crise devido a várias escolhas mal sucedidas que ela fez em ataques de raiva (as revistas de fãs da época chamavam Bellamy de "Senhorita Fogos de Artifício" devido ao seu temperamento).[7] Apesar de seu temperamento, ela ainda era uma artista bastante popular e foi nomeada "Beleza Americana" pela Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood.[17] Em 1929, desistiu de seu contrato com a Fox depois de se recusar a estrelar a adaptação cinematográfica de O Julgamento de Mary Dugan, uma peça da Broadway de Bayard Veiller, de 1927, que o estúdio comprou especialmente para Bellamy (o filme foi feito no final daquele ano). na Metro-Goldwyn-Mayer, estrelando Norma Shearer ).[18] Bellamy disse mais tarde sobre sua carreira: "Eu fiquei grande demais para minhas calças. Eu queria muito dinheiro e, quando isso não aconteceu, parei. "[19]

Bellamy tentou encontrar trabalho como atriz freelancer, mas não voltou a trabalhar até 1932, quando começou a aparecer nos filmes Poverty Row. Um de seus papéis mais conhecidos desse período foi no filme White Zombie de 1932, ao lado de Bela Lugosi e dirigido pelos irmãos Edward e Victor Hugo Halperin.[9] O filme foi um sucesso moderado, mas recebeu críticas mistas, enquanto a performance de Bellamy era geralmente mal recebida pela crítica (em uma carta de 1970 ao Classic Film Collector, Bellamy afirmou que sua performance parecia ruim porque ela havia perdido a voz devido a um resfriado e foi dublada por outra atriz.. Isso já foi provado ser falso).[20][21] Ela estava programada para aparecer no próximo filme dos irmãos Halperin, Supernatural, mas Carole Lombard foi escalada em seu lugar.

Declínio e escândaloEditar

No início da década de 1940, a carreira de Bellamy havia praticamente terminado. Ela ganhou considerável atenção da mídia quando, em 20 de janeiro de 1943, foi presa em São Francisco e acusada de agressão com uma arma depois de disparar por três vezes um revólver calibre 32 contra seu ex-amante, o rico executivo madeireiro Albert Stanwood Murphy. Bellamy estava tendo um caso com Murphy por cinco anos antes de ele terminar o relacionamento em outubro de 1942. Depois de saber que Murphy havia se casado com a ex-modelo June Almy logo após o rompimento, Bellamy viajou para São Francisco para confrontá-lo e "... fazê-lo sofrer de alguma forma".[22]

Mais tarde, ela admitiu que esperou quatro dias no apartamento de Murphy na área de Nob Hill. Eventualmente, ela viu Murphy saindo do Pacific-Union Club em 20 de janeiro. Enquanto Murphy entrava no carro, Bellamy disparou três tiros. Mais tarde, ela disse: "Eu não estava perto [de Murphy], mas ele me viu e gritou algo que não entendi. Talvez fosse 'não'. Então acho que atirei nele. Ele se abaixou e correu. " Ela atirou três vezes, atingindo o carro de Murphy duas vezes enquanto o terceiro tiro falhou. Testemunhas tiraram a arma dela.[23]

Logo após o tiroteio, Bellamy afirmou que não pretendia prejudicar Murphy e que ela "... só queria vê-lo. Ele não me viu, então eu levei a arma comigo. [... ] Eu tinha a arma há tanto tempo que pensei que era apenas um brinquedo".[23] Em 11 de fevereiro de 1943, Bellamy se declarou culpada de menor acusação por violar uma lei sobre armas e recebeu uma sentença suspensa de seis meses. Ela também foi condenada a um ano de liberdade condicional.[24]

Em julho de 1943, Bellamy processou Murphy por divórcio em Las Vegas, alegando que ela e Murphy se casaram por "consentimento mútuo" em abril de 1941 e viveram como marido e mulher até Murphy terminar o relacionamento. Ela acusou Murphy de "extrema crueldade mental" e pediu pensão alimentícia temporária e permanente.[25] Em dezembro de 1943, Albert Stanwood Murphy pediu que o tribunal negasse provimento ao processo, afirmando que ele e Bellamy "não são e nunca foram marido e mulher".[26] Em 4 de janeiro de 1944, um tribunal de Nevada negou o processo de divórcio de Bellamy, alegando que ela e Murphy nunca haviam sido legalmente casados.[27] Um dia após o processo de divórcio de Bellamy ter sido julgado, ela recebeu um acordo extrajudicial de seis dígitos de Murphy.[28]

Os tiros e a questão do divórcio geraram publicidade para Bellamy, mas efetivamente encerraram sua carreira que já estava desaparecendo. Ela fez sua última aparição tela na Northwestern filme Northwest Trail em 1945. Voltou aos palcos em 1946 na produção de Holiday Lady de Los Angeles, depois da qual se aposentou.[29]

Por sua contribuição para a indústria cinematográfica, Bellamy recebeu uma estrela de cinema na Calçada da Fama de Hollywood em 1960. A estrela está localizada na 6517 Hollywood Boulevard.[30]

Vida pessoalEditar

Bellamy's foi brevemente casada com o corretor de títulos Logan F. Metcalf.[31] Eles se casaram em Tijuana em 24 de janeiro de 1928.[32] e se separaram quatro dias depois. Metcalf pediu o divórcio alegando que, enquanto os dois estavam em lua de mel, Bellamy se recusou a falar com ele por causa de seu gosto por comer presunto e ovos, que ela considerava "plebeus".[33] O divórcio foi oficializado em em 25 de abril de 1928.[34]

Quando Bellamy se aposentou, ela havia desperdiçado grande parte de sua fortuna e perdido o dinheiro restante durante a Depressão.[7][10] Em sua autobiografia postumamente publicada, A Darling of the Twenties, Bellamy afirmou que vivia em "extrema pobreza" após sua aposentadoria.[19] No entanto, possuía algumas participações no setor imobiliário e uma loja de varejo na qual trabalhava para se sustentar. Em seu tempo livre, escreveu roteiros e romances que nunca foram comprados. No início dos anos 80, ela vendeu a loja pelo dobro do valor que havia pago por ela e viveu em relativo conforto financeiro pelo resto da vida.

Bellamy permaneceu fora da vista do público até a década de 1980, quando historiadores de cinema e fãs de cinema mudo que redescobriram seu trabalho começaram a solicitar entrevistas.

Nos seus últimos anos, Bellamy viveu sozinha em Ontario, Califórnia.

MorteEditar

Bellamy sofria de problemas cardíacos crônicos no final de sua vida. Em 10 de janeiro de 1990, ela se internou no Hospital Comunitário de San Antonio, em Upland, Califórnia, para tratamento.[3] Faleceu de insuficiência cardíaca em 24 de janeiro aos 90 anos.[19][35] Está enterrada no Forest Lawn Memorial Park, em Glendale, Califórnia.[36]

Sua autobiografia A Darling of the Twenties foi publicada um mês após sua morte.[19]

FilmografiaEditar

Ano Título Papel Notas
1920 The Riddle: Woman Marie Meyer Desconhecido/presumivelmente perdido
1921 The Cup of Life Pain
1921 Passing Through Mary Spivins Desconhecido/presumivelmente perdido
1921 Blind Hearts Julia Larson
1921 Love Never Dies Tilly Whaley
1921 The Call of the North Virginia Albret Desconhecido/presumivelmente perdido
1921 Hail the Woman Nan Higgins
1922 Lorna Doone Lorna Doone
1922 The Hottentot Peggy Fairfax Incompleto
1923 Garrison's Finish Sue Desha
1923 Are You a Failure? Phyllis Thorpe
1923 Soul of the Beast Ruth Lorrimore
1924 No More Women Peggy Van Dyke
1924 Do It Now
1924 The White Sin Hattie Lou Harkness
1924 Love's Whirlpool Nadine Milton
1924 His Forgotten Wife Suzanne
1924 Love and Glory Gabrielle
1924 The Fire Patrol Molly Thatcher
1924 The Iron Horse Miriam Marsh
1924 Secrets of the Night Anne Maynard
1924 On the Stroke of Three Mary Jordan
1925 A Fool and His Money Countess von Pless
1925 The Dancers Una
1925 The Parasite Joan Laird
1925 The Restless Sex Mary Hamilton
1925 Wings of Youth Madelyne Manners/Angela Du Bois
1925 The Man in Blue Teresa "Tita" Sartori
1925 Lightnin' Millie
1925 Havoc Tessie Dunton
1925 Thunder Mountain Azalea
1925 Lazybones Kit
1925 The Golden Strain Dixie Denniston
1926 The Dixie Merchant Aida Fippany
1926 Sandy Sandy McNeil
1926 Black Paradise Sylvia Douglas
1926 Summer Bachelors Derry Thomas
1926 Bertha, the Sewing Machine Girl Bertha Sloan
1927 Ankles Preferred Nora
1927 The Telephone Girl Kitty O'Brien
1927 Colleen Sheila Kelly
1927 Very Confidential Madge Murphy
1927 Silk Legs Ruth Stevens
1928 Soft Living Nancy Woods
1928 The Play Girl Madge Norton
1928 Mother Knows Best Sally Quail
1929 Fugitives Alice Carroll
1929 Tonight at Twelve Jane Eldridge
1932 White Zombie Madeline Short Parker
1933 Riot Squad Lil Daley Titulo alternativo: Police Patrol
1933 Gordon of Ghost City Mary Gray
1933 Gigolettes of Paris Suzanne Ricord
1934 Charlie Chan in London Mrs. Fothergill
1935 The Great Hotel Murder Tessie
1935 The Daring Young Man Sally
1935 Metropolitan Mulher em Negligee Não creditado
1936 Champagne Charlie Mulher no táxi Não creditado
1936 Under Your Spell Miss Stafford
1936 Crack-Up Secretaria Não creditado
1945 Northwest Trail Mrs. Yeager

Referências

  1. Profile, goldensilents.com; accessed October 3, 2015.
  2. Profile including year of birth (1899), death-records.mooseroots.com; accessed October 3, 2015.
  3. a b «Silent screen star Madge Bellamy at 89 (sic)». Bangor Daily News 
  4. a b (Lowe 2014, p. 1875)
  5. (Ankerich 1993, p. 47)
  6. a b «Madge Make-Believe». Photoplay. XVIII. ISSN 0732-538X 
  7. a b c d (Lowe 2014, p. 1876)
  8. (Lamparski 1989, p. 22)
  9. a b (Slide 2010, p. 20)
  10. a b (Ankerich 1993, p. 46)
  11. (Eagan 2010, p. 129)
  12. (Slide 2010, pp. 19–20)
  13. (Solomon 2001, p. 306)
  14. (Barrios 1995, p. 53)
  15. (Crafton 1999, p. 281)
  16. a b (Liebman 1998, p. 29)
  17. «Madge Bellamy, '20s Star Of Silent Screen» 
  18. (Ankerich 1993, p. 55)
  19. a b c d «Madge Bellamy, 90, 1920's Film Actress». nytimes.com 
  20. (Slide 2010, pp. 108, 115)
  21. (Soister 2012, p. 355)
  22. «Actress Madge Bellamy Takes Shot at Clubman». St. Petersburg Times 
  23. a b «Clubman Dodges Three Shots From Gun of Madge Bellamy». The Milwaukee Journal 
  24. «Madge Bellamy Wins Suspension». Toledo Blade 
  25. «Madge Bellamy Asks Divorce». St. Petersburg Times 
  26. «Californian Denies He Wed Madge Bellamy». Lewiston Evening Journal 
  27. «Madge Bellamy, 'Never Married', Denied Decree». The Milwaukee Journal 
  28. «Madge Loses But Gets Settlement». St. Petersburg Times 
  29. (Dindle 2001, p. 201)
  30. «Hollywood Walk of Fame - Madge Bellamy». walkoffame.com 
  31. «Madge Bellamy». Sarasota Herald-Tribune 
  32. «Madge Bellamy's Husband Gets Divorce». The Lewiston Daily Sun 
  33. «Refused 2,000,000 to Return To Her Husband-and Yet She Loves Him». The Milwaukee Sentinel 
  34. «Actress Divorced». San Jose News 
  35. (Willis 1991, p. 236)
  36. (Ellenberger 2001, p. 228)

FontesEditar

  • Ankerich, Michael G. Broken Silence: Conversations With 23 Silent Film Stars. [S.l.: s.n.] ISBN 0-899-50835-9 
  • Barrios, Richard. A Song in the Dark: The Birth of the Musical Film. [S.l.: s.n.] ISBN 0-195-08811-5 
  • Bellamy, Joe David. The Bellamys of Early Virginia. [S.l.: s.n.] ISBN 0-595-67329-5 
  • Crafton, Donald. The Talkies: American Cinema's Transition to Sound, 1926-1931. 4. [S.l.: s.n.] ISBN 0-520-22128-1 
  • Dindle, Peter. The Zombie Movie Encyclopedia. [S.l.: s.n.] ISBN 0-7864-0859-6 
  • Eagan, Daniel. America's Film Legacy: The Authoritative Guide to the Landmark Movies in the National Film Registry. [S.l.: s.n.] ISBN 0-826-42977-7 
  • Ellenberger, Allan R. Celebrities in Los Angeles Cemeteries: A Directory. [S.l.: s.n.] ISBN 0-786-40983-5 
  • Lamparski, Richard. Whatever Became Of-- ? All New Eleventh Series: 100 Profiles of the Most-asked-about Movie, TV, and Media Personalities, Hundreds of Never-before-published Facts, Dates, Etc. on Celebrities, 227 Then-and-now Photographs. [S.l.: s.n.] ISBN 0-517-57150-1 
  • Liebman, Roy. From Silents to Sound: A Biographical Encyclopedia of Performers who Made the Transition to Talking Pictures. [S.l.: s.n.] ISBN 0-786-40382-9 
  • Lowe, Denise. An Encyclopedic Dictionary of Women in Early American Films: 1895-1930. [S.l.: s.n.] ISBN 1-317-71896-8 
  • Rhodes, Gary D. White Zombie: Anatomy of a Horror Film. [S.l.: s.n.] ISBN 1-476-60491-6  Rhodes, Gary D. White Zombie: Anatomy of a Horror Film. [S.l.: s.n.] ISBN 1-476-60491-6 
  • Slide, Anthony. Silent Players: A Biographical and Autobiographical Study of 100 Silent Film Actors and Actresses. [S.l.: s.n.] ISBN 0-813-12708-4 
  • Soister, John T. American Silent Horror, Science Fiction and Fantasy Feature Films, 1913-1929. [S.l.: s.n.] ISBN 0-786-48790-9 
  • Solomon, Aubrey. The Fox Film Corporation, 1915-1935: A History and Filmography. [S.l.: s.n.] ISBN 0-786-48610-4 
  • Willis, John. John Willis' Screen World, Volume 42. [S.l.: s.n.] 

Ligações externasEditar