Abrir menu principal

Os magaras (em árabe: مغارة; transl.: al-Magarha) são um dos maiores grupos de árabo-berbere da Líbia. Após os uarfalas, que são a maior tribo do país,[1] os magaras são a segunda maior tribo com população estimada de 1 milhão de pessoas.[2]

Magaras
Libya ethnic-pt.svg
Distribuição dos grupos étnicos e localização de algumas tribos na Líbia
População total

1 milhão

Regiões com população significativa
Líbia Fezã
Línguas
árabe
Religiões
islamismo
Etnia
árabo-berbere

VidaEditar

Os magaras eram originários do Fezã. Foram semi-nômades e suas alianças são mencionadas em textos históricos. Obras islâmicas do século XIV sugerem que foram uma das tribos que controlara oásis e tamareiras na região que hoje corresponde à Líbia Ocidental.[3] Seus direitos foram reconhecidos nos séculos XVI-XVIII, na era dos Piratas da Barbária.[4] Os registros históricos do Império Otomano sugerem que junto com a tribo dos riadas, os magaras foram árabes da região de Axati e que apoiaram a autoridade otomana em Fezã. Em troa de seu apoio, o Império Otomano isentou-os de tributos, permitindo-os coletar impostos de caravanas e representaram os interesses otomanos como sua força policial.[5]

Os magaras, e os uarfalas, formaram aliança com Muamar Gadafi,[1] com muitos ocupando altos postos no governo e forças de segurança da Líbia; Abdalá Senussi, cunhado de Muamar Gadafi e chefe de inteligência militar, e Abdul Basite, um oficial líbio acusado do Atentado de Lockerbie, eram descendentes da tribo magara.[6][7][8] Os magaras foram influentes apoiadores de beneficiários durante o longo período que governou a Líbia e na Guerra Civil Líbia de 2011.[1][9] Mais recentemente se registrou que alguns dos magaras se realocaram em Sirte em algum lugar junto a costa.[10]

Referências

BibliografiaEditar

  • Ahmida, Ali Abdullatif (2011). Making of Modern Libya, The: State Formation, Colonization, and Resistance, Second Edition. Nova Iorque: State University of New York. ISBN 1438428936 
  • Bassiouni, M. Cherif (2013). Libya: From Repression to Revolution. Leida: Martinus Nijhoff. ISBN 978-90-04-25735-1 
  • Genugten, Saskia van (2016). Libya in Western Foreign Policies, 1911–2011. Nova Iorque: Springer. ISBN 978-1-137-48950-0 
  • McLachlan, K. S. (1978). «Tripoli and Tripolitania: Conflict and Cohesion during the Period of the Barbary Corsairs (1551-1850)». Transactions of the Institute of British Geographers. The Royal Geographical Society. 3 (3): 285–294. doi:10.2307/622157