Abrir menu principal
Manejo de floresta na Escócia

O manejo florestal sustentável,[1] é um modelo que permite a exploração racional com técnicas de mínimo impacto ambiental sobre os elementos da natureza.[2] Uma floresta manejada continuará oferecendo suas riquezas para as gerações futuras, pois a madeira e seus outros produtos são recursos renováveis.

Uma definição mais precisa de manejo se encontra no próprio decreto que regulamentou a exploração das florestas da Bacia Amazônica (Decreto nº1.282, de 19.10.95). Neste documento, o termo manejo florestal sustentável é definido como administração de floresta para a obtenção de benefícios econômicos e sociais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema. Esta definição deixa claro que para ser sustentável, o manejo deve ser economicamente viável, ecologicamente correto e socialmente justo.[3]

O manejo florestal sustentável prioriza a permanência da floresta "em pé", já que sua existência é o que garante a sobrevivência econômica da atividade florestal. Também possibilita que as populações nativas vivam dos recursos proporcionados pela própria floresta, evitando sua derrubada e contribuindo para que a floresta seja preservada, ao mesmo tempo que lhe confere um valor econômico.

Índice

Importância do manejo florestalEditar

Qualidade de vidaEditar

Considera-se o manejo florestal uma parte importante para o sucesso de se manter a qualidade de vida.[4]

EconomiaEditar

Há uma crescente preocupação com a conservação das florestas, visto às taxas assustadoras de desmatamento decorrente da agricultura itinerante, a formação de pastagens e a atividade madeireira. Os países importadores de madeira tropical estão exigindo, cada vez mais, que a matéria-prima ou o produto acabado tenham origem em florestas bem manejadas[3].

Dessa forma, há uma vantagem para o empresário ao ter acesso a mercados mais seletivos, menor pressão governamental e maior legalidade no assunto, redução de custo operacional e diminuição de acidentes[5].

Plano de Manejo Florestal Sustentável - PMFSEditar

O Plano de Manejo Florestal é um documento técnico realizado por um engenheiro para estabelecer o zoneamento e as normas que devem ser seguidas na área e o manejo dos recursos naturais, inclusive a implantação das estruturas físicas necessárias à sua gestão[6].
De acordo com o decreto n°5.975 de 30 de Novembro de 2006, o PMFS deverá atender aos seguintes fundamentos técnicos e científicos:[7]

  1. Caracterização do meio físico e biológico;
  2. Determinação do estoque existente;
  3. Intensidade de exploração compatível com a capacidade da floresta;
  4. Ciclo de corte compatível com o tempo de restabelecimento do volume de produto extraído oda floresta;
  5. Promoção da regeneração natural da floresta;
  6. Adoção de sistemas silvicultural adequado;
  7. Adoção de sistema de exploração adequado;
  8. Monitoramento do desenvolvimento da floresta remanescente;
  9. Adoção de medidas mitigadoras dos impactos ambientais e sociais;

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Operações:O manejo florestal sustentável». Amata Brasil. Consultado em 4 de agosto de 2011. Arquivado do original em 7 de outubro de 2011 
  2. «O bom manejo florestal». RP Portal. Consultado em 4 de agosto de 2011. Arquivado do original em 25 de junho de 2009 
  3. a b Natalino Macedo Silva, José (1996). Manejo Florestal. [S.l.]: Embrapa 
  4. «O manejo sustentável da floresta amazônica». Portal Uai. Consultado em 4 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  5. Sabogal, Lentini, César, Marco, Benno Pokrny, J.Natalino M. Silva, Johan Zweed, Adalberto Veríssimo, Marco Boscolo (2006). Manejo florestal empresarial na Amazônia Brasileira. Belém: Embrapa 
  6. Nativa, Mata (13 de março de 2016). «Roteiro básico para elaboração de um plano de manejo florestal». Blog Mata Nativa. Consultado em 30 de março de 2019 
  7. «Decreto Nº 5975/2006 - "Regulamenta os arts. 12, parte final, 15, 16, 19, 20 e 21 da Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, o art. 4o, inciso III, da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, o art. 2o da Lei no 10.650, de 16 de abril de 2003, altera e acrescenta dispositivos aos Decretos nos 3.179, de 21 de setembro de 1999, e 3.420, de 20 de abril de 2000, e dá outras providências."». www2.mma.gov.br. Consultado em 30 de março de 2019 
  Este artigo sobre ambiente é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.