Abrir menu principal
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Manfredi Beninati
Nome completo Manfredi Beninati
Nascimento 11 de janeiro de 1970 (49 anos)
 Itália, Palermo
Nacionalidade Italiana
Ocupação Pintura, Escultura, Instalação e Desenho

Manfredi Beninati (Palermo, 11 de janeiro de 1970) é um artista italiano, que atualmente vive e trabalha em Los Angeles e Palermo.

Índice

BiografiaEditar

Depois de ter abandonado seus estudos de Direito, Beninati passou a estudar cinema e colaborou com conhecidos diretores do cinema italiano. Apenas no final dos anos 90 ele começou a fazer arte e desde então tornou-se um artista reconhecido internacionalmente, com várias participações em bienais e mostras em museus em seu currículo. Ele também faz teatro experimental.

ObraEditar

Beninati pinta um universo de sonhos, que fica numa fronteira surrealista, onírica e figurativa das camadas de sua memória.[1][2][3][4][5] Sua fonte é o cinema, fotografia e literatura e, através dela, ele nos mostra o mundo da memória pessoal. Historicamente, as pinturas do artista, instalações e esculturas referem-se a teatrialização das artes visuais.[6] O trabalho deste artista é enriquecido pela sua experiência como assistente de importantes diretores italianos no início dos anos 90.

Beninati sabe bem como usar uma câmera de cinema e como criar imagens para as suas telas em movimento. Através de sua percepção cinematográfica, Beninati prefere vistas frontal e perspectivas clássicas, a construção de palcos para que o público só tenha um ponto de vista, assim como em teatros ou cinema. Na Bienal de Veneza, sua obra era apenas visível a partir de um determinado ângulo e através de uma porta de vidro, representando simbolicamente a fronteira entre o sonho e a realidade.[7] A separação entre o mundo do artista e do público e de transição entre o presente e o passado que pertence a uma memória privada ou imaginária, um evento passado e à representação do seu esquecimento.

ExposiçõesEditar

Participou em muitas bienais (Veneza 2005 e 2009, Liverpool 2008, Istambul 2009, Atenas, Praga e Shanghai entre outras) e seu trabalho tem sido exibido em museus de todo o mundo como o MAXXI de Roma,[8] Royal Academy de Londres, Parrish Museum de Southampton (Nova York).

Referências

  1. Julie Cirelli, "Manfredi Beninati", in Tema Celeste, July/August 2007
  2. Pier Paolo Pancotto, "Arte Contemporanea dal Minimalismo alle Ultime Tendenze", Carocci Editore, 2010
  3. Julie Cirelli, "Manfredi Beninati", em Tema Celeste, 2007
  4. Matthew J. Westerby, "Negotiating Reality",2006
  5. Francesco Stocchi, "Manfredi Beninati" ,em Art Forum, 2005
  6. JJ Charlesworth, em "After the Flood"
  7. J. Hontoria em "El cultural", 2005
  8. «Beninati no website do MAXXI - Museu nacionl de artes plásticas do século XX de Roma». Consultado em 4 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2013 

Ligações externasEditar