Abrir menu principal


Marina Tsvigun (em cirílico Марина Тсвигун) (Ucrânia, 1960), também conhecida como Maria Devi Christos (Мариа Деви Цхристос), ou ainda Victoria Victorovna Preobrazhenskaya (Вицториа Вицторовна Преобразхенскаyа) é uma religiosa ucraniana líder da seita "Nova Comunidade da Humanidade Iluminada", também conhecida como "YUSMALOS" (YUS - Youann Swami [também conhecido como Yuri Krivonogov, co-fundador]; MA - Maria; LOS - logos, uma referência a Jesus)[1][2], ou ainda "Grande Irmandade Branca". Após a dissolução da União Soviética em 1991, a Grande Irmandade Branca foi um dos movimentos da Nova Era mais notáveis na região, com cerca de 80.000 membros, de acordo com dados oficiais.[3][4]

BiografiaEditar

Tsvigun nasceu em Stalino, Ucrânia Soviética, na então União Soviética, em 1960.[5] Ela trabalhou como funcionária do comitê distrital da Liga Comunista Jovem, e também como jornalista e editora da rede de rádio da fábrica têxtil de Donetsk.

Em 1990, ela foi a uma palestra de Yuri Krivonogov, co-fundador da Grande Irmandade Branca, que a identificou como um novo Messias, recebendo posteriormente o título de "Sumo Sacerdote" da Grande Irmandade Branca.

Tsvigun e Krivonogov exigiam de seus membros que se desfizessem de seus laços familiares, e doassem dinheiro e propriedades para Irmandade. A Grande Irmandade Branca entrou em conflito com Igreja Ortodoxa Russa.

Prisão e CondenaçãoEditar

Marina Tsvigun teria predito[6][7] que o fim dos tempos e a descida do Espírito Santo ocorreria em 10 de novembro de 1993. Segundo ela, o evento seria acompanhado de um de seus sermões na Catedral de Santa Sofia em Kiev. Na data marcada, seus seguidores invadiram a Catedral de Santa Sofia e foram presos.

De acordo com relatos da Igreja Ortodoxa Russa, o Tribunal da Cidade de Kiev considerou Tsvigun e Krivonogov culpados de violarem a saúde da população, sob o pretexto de cerimônia religiosa, e invasão de propriedade, e foram a 4 e 7 anos de prisão, respectivamente, em fevereiro de 1997. A Grande Irmandade Branca protestou junto às Nações Unidas e à Corte Internacional de Justiça. Seis meses depois, em agosto do mesmo ano, Tsvigun foi libertada, como parte de anistia pelo 6º aniversário da independência da Ucrânia.

Após a prisãoEditar

Ao sair da prisão, Tsvigun mudou seu nome para Victoria Victorovna Preobrazhenskaya, e casou-se com um membro da irmandade chamado Peter Kovalchuk (Петер Ковалцхук), conhecido como Peter-John II. Sob o nome de Victoria, ela deu início a um novo projeto multidimensional chamado "Poliarte Cósmica do Terceiro Milênio de Victoria Preobrazhenskaya", e tentou renovar o registro da Grande Irmandade Branca como organização pública, o que lhe foi negado.

Ela continuou suas atividades e organizou o "Colégio Místico de Ísis e Seus Seguidores". Publicou os panfletos doutrinários "A Ciência sobra a Luz e a Sua Tranformação" e "O Último Testamento da Mãe do Mundo", ambos escritos por ela durante a prisão, e, em 2011 criou uma revista periódica chamada "Victoria RA".[8]

ReferênciasEditar

  1. Richard., Abanes, (1998). End-time visions : the road to Armageddon?. New York: Four Walls Eight Windows. ISBN 1568581041. OCLC 37801470 
  2. ЮСМАЛОС, ПрогРАмма Спасения Земли. «ПрогРАмма Спасения Земли ЮСМАЛОС, Добро пожаловать на сайт». www.usmalos.narod.ru. Consultado em 10 de maio de 2018 
  3. Anastasia Daugule, "White Brotherhood - 15 years later". "Glavnoe" Kharkiv Net Review, a1404
  4. «Белое братство – 15 лет спустя - Главное™». 28 de julho de 2009. Consultado em 10 de maio de 2018 
  5. Vladimir Tikhomirov, "The Criminal Goddess". "Ogonyok" #42 October 17–23, 2005
  6. Sergei Tereshchenko. "Great White Brotherhood Universal Church". Center for Apologetic Studies
  7. «ЦАИ». www.apologetika.ru (em russo). Consultado em 10 de maio de 2018 
  8. «Kosmiceskoe Poliiskusstvo Tretʹego Tʹìsâceletiâ Viktorii PreobrAženskoj». Consultado em 10 de maio de 2018