Mary Rose

O Mary Rose é o único sobrevivente dos navios de guerra Tudor do século XVI, e encontra-se em exposição no Portsmouth Historic Dockyard, depois de 437 anos no fundo do Solent.

Mary Rose
Mary rose 2019 sideish.JPG
Os restos do Mary Rose em Portsmouth
Inglaterra
Operador Marinha Real Inglesa
Batimento de quilha 1510
Lançamento julho de 1511
Comissionamento 1512
Porto de registro Portsmouth, Inglaterra
Estado Navio-museu
Destino Afundou em 1545
Resgatado em 1982
Características gerais
Tipo de navio Navio de guerra carraca
Tonelagem 500 t (700–800 t depois de 1536)
Propulsão Velas
Armamento 78–91 canhões

Descoberto em 1965 por Alexander McKee, foi trazido à superfície em 1982.

HistóricoEditar

Construído entre 1509 e 1511, foi um dos primeiros navios desenhados de origem para disparem artilharia pelos costados (bordadas). Mas o Mary Rose marca também o abandono da construção naval em casco trincado, e a adopção do tabuado liso, mais adequado à instalação das portinholas que garantiam a estanquicidade do casco.[1]

O Mary Rose foi alvo de duas grandes reformas, uma em Portsmouth em 1527-28, e outra no Tâmisa por volta de 1536; suspeita-se que durante esta última foram adicionadas 700 t ao navio.

Após uma longa e bem sucedida carreira, o Mary Rose afundou-se acidentalmente durante um recontro com a frota francesa em 1545.

Depois de uma redescoberta acidental, em 1836, em que foi recuperada parte do seu armamento, o navio voltaria a desaparecer durante cerca de 140 anos. Até que voltou a ser localizado, em 1979, dando origem a uma das maiores operações de arqueologia marinha da história.

Em 1982, a parte do casco (cerca de 40%) que sobreviveu ao naufrágio e ao desgaste dos elementos foi devolvida à superfície, juntamente com mais de 19 mil artefactos. O casco encontra-se hoje em exibição na doca histórica de Portsmouth, onde tinha sido construído, permitindo aos visitantes uma visão incomparável de um dos primeiros verdadeiros navios de guerra do mundo e o último, entre os que foram construídos durante a dinastia Tudor, a chegar até aos dias de hoje.

Os objetos recuperados, bem como os restos mortais da tripulação que foram recuperados, estão à guarda do Museu Mary Rose, aberto em 2013, na mesma cidade

Ver tambémEditar

Referências

  1. Richard Barker, Brad Loewen and Christopher Dobbs, "Hull Design of the Mary Rose" in Marsden (2009), p. 36.

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Mary Rose