Massacre em Jenin em 2023

confronto entre forças israelenses e palestinas na Cisjordânia em janeiro de 2023

O Massacre em Jenin em 2023 ocorreu em 26 de janeiro de 2023, quando o Yamam e as Forças de Defesa de Israel realizaram um ataque contra militantes palestinos na cidade de Jenin, na Cisjordânia. De acordo com os militares israelenses, suas tropas entraram em Jenin para prender um esquadrão terrorista da Jihad Islâmica Palestina, que acusou de estar fortemente envolvido no planejamento e execução de vários grandes ataques terroristas contra civis e soldados israelenses.[1] De acordo com o The Jerusalem Post, o objetivo era impedir um ataque terrorista planejado e prender três militantes procurados da Jihad Islâmica.[2] 9 palestinos, incluindo 7 militantes e dois civis, foram mortos.[3][4][5] Foi o ataque israelense mais mortífero ao campo de refugiados de Jenin em quase 20 anos.[6]

Massacre em Jenin em 2023
Parte do conflito israelo-palestino
Local Jenin, Cisjordânia
Data 26 de janeiro de 2023
Mortes 9
Feridos 20
Consequência 1 preso
1 prédio destruído

Os militares israelenses disseram que pelo menos seis dos mortos eram homens armados.[7] Os confrontos elevaram o número de mortes de militantes e civis palestinos em 2023 para trinta.[8]

Antecedentes editar

As tensões aumentaram desde os eventos que deram origem ao conflito israelo-palestino de 2021.[9] No início de 2022, Israel iniciou uma campanha militar chamada Break the Wave (em português, Quebrar a Onda) após uma série de ataques palestinos contra israelenses. Alguns foram executados por cidadãos palestinos de Israel que apoiavam o Estado Islâmico. Vários foram iniciados por pistoleiros palestinos de Jenin e levaram quase todas as noites a buscas israelenses, prisões e incursões de demolição de casas.[10] Jenin chamou a atenção mundial em maio, quando a jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh foi morta enquanto fazia uma reportagem sobre uma invasão do exército em seu campo de refugiados lotado.[11] Os confrontos Gaza-Israel de agosto de 2022 seguiram-se a um ataque a Jenin, no qual as forças israelenses prenderam Bassam al-Saadi, um líder da Jihad Islâmica Palestina naquela área.[12][13]

Mais de 170 palestinos, incluindo 30 crianças, foram mortos em 2022.[14] Militantes armados foram uma proporção significativa das mortes de palestinos, mas muitos não portavam armas e às vezes eram civis. Algumas mortes ocorreram durante protestos contra colonos israelenses que estabeleceram postos avançados ilegais. Israel foi repetidamente acusado de uso excessivo da força, uma alegação que o país nega.[10] Em 2023, antes do ataque, um terço dos palestinos mortos tinha ligações com grupos armados.[8]

Confrontos e consequências editar

No início de 26 de janeiro de 2023, a Yamam (Unidade Nacional de Combate ao Terror de Israel) e as Forças de Defesa de Israel entraram no campo de refugiados de Jenin, próximo à cidade de Jenin, na Cisjordânia, para deter militantes da Jihad Islâmica Palestina que disseram ter estado anteriormente envolvidos no planejamento e execução disparando contra alvos israelenses e planejando ataques adicionais.[3] Um tiroteio começou depois que as forças israelenses entraram em contato com quatro militantes da Jihad Islâmica, com dois dos militantes sendo mortos. Escaramuças adicionais eclodiram depois disso entre as tropas israelenses e várias facções militantes palestinas, com quatro militantes do Hamas e um militante do Fatah sendo mortos nas três horas de combate. Dois civis, um homem e uma mulher, também foram mortos.[3] A operação durou três horas e resultou em distúrbios entre centenas, e às vezes milhares, de residentes palestinos no campo.[15]

Conforme relatado por um alto oficial do exército ao Haaretz, os soldados israelenses foram obrigados a usar mísseis antitanque, pois os militantes se barricaram em uma residência onde abriram fogo e lançaram artefatos explosivos na direção dos soldados. O oficial afirmou que o nível de força utilizado foi proporcional e que, se os militares julgassem necessário, teriam utilizado o poder aéreo. O alto número de vítimas foi atribuído ao "nível de ameaça contra as tropas" e não a qualquer mudança na política, de acordo com o funcionário.[15]

Os militares israelenses anunciaram que tinham como alvo os locais de treinamento do grupo militante palestino depois que 10 ou mais foguetes foram lançados da Faixa de Gaza; de acordo com os militares, quatro foram interceptados, três caíram em áreas abertas e vários dentro de Gaza.[16] Fontes de Gaza disseram à Al Jazeera sobre pelo menos 13 ataques aéreos israelenses no campo de refugiados de al-Maghazi após dois ataques com mísseis de drones.[17]

Reações editar

Palestina editar

O governo palestino expressou sua condenação pelos assassinatos, que descreveu como um massacre. Apelou para uma intervenção internacional urgente.[18] No final do dia, a liderança realizou uma reunião urgente e foi declarado que a "coordenação de segurança" não estava mais em vigor.[19] Também referiu que iria imediatamente ao Conselho de Segurança solicitar a intervenção das Nações Unidas (ONU) e retomar os esforços para ingressar nas agências da ONU como membro pleno.[20]

O vice-chefe do departamento político do Hamas, Saleh al-Arouri, referiu-se aos acontecimentos em Jenin como um "massacre" cometido pela "ocupação",[21] afirmando que uma resposta armada não demoraria.[22]

Internacional editar

A Organização para a Cooperação Islâmica (OIC), com sede em Gidá, também condenou o "crime hediondo cometido pela ocupação israelense".[23] O Egito denunciou o ataque israelense e pediu que parasse de atacar as cidades palestinas.[24] O enviado da ONU instou as autoridades israelenses e palestinas a reduzir a escalada da situação na Cisjordânia.[7] A Liga Árabe considerou o governo de Netanyahu totalmente responsável por cometer o "horrível massacre" e pediu uma ação internacional.[25]

Os Emirados Árabes Unidos, a China e a França solicitaram uma reunião fechada do Conselho de Segurança para discutir os confrontos e as mortes.[26]

O Ministério das Relações Exteriores e Expatriados da Síria declarou: "Israel, a potência ocupante e seu governo terrorista, acrescenta este massacre à sua história de atos de agressão e assassinato, aproveitando-se da impunidade oferecida por sucessivas administrações dos Estados Unidos".[27]

Ver também editar

Referências

  1. «Nine Palestinians killed in Israeli raid in Jenin» (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 – via www.bbc.com 
  2. «Nine Palestinians killed in Jenin, Israeli forces thwart terror attack». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  3. a b c «Nine Palestinians killed by Israeli troops in Jenin clash». The Irish Times (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  4. «8 Palestinians killed after Israel storms West Bank refugee camp». MSN (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  5. «Israeli army kills nine Palestinians, including elderly woman». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  6. «Israel-Palestinian conflict: Fears of wider flare-up after deadly Jenin raid». BBC News (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  7. a b «Palestinians say 9 killed in the West Bank, the deadliest Israeli raid there in years» (em inglês). NPR. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  8. a b «Palestinians: Israeli troops kill 10 in West Bank violence». AP NEWS (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  9. Tahhan, Zena Al. «Analysis: Palestinian 'popular outburst' in May a turning point». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  10. a b «Israel-Palestinian conflict: Fears of wider flare-up after deadly Jenin raid» (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 – via www.bbc.com 
  11. Mackenzie, James; Sawafta, Ali (9 de agosto de 2022). «Away from Gaza, Islamic Jihad digs in against Israel on West Bank» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 – via www.reuters.com 
  12. Staff, Al Jazeera. «Israeli forces kill Palestinian teenager in raid on Jenin camp». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2022 
  13. «Israeli forces arrest senior Islamic Jihad leader in raid that kills Palestinian youth» (em inglês). Middle East Eye. 1 de agosto de 2022. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  14. Tahhan, Zena Al. «Israel raids: Why are so many Palestinians being killed?». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  15. a b «Senior Israeli Officer: High Number of Deaths in Jenin Raid Do Not Represent Policy Shift». Haaretz (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  16. Schwartz, Abeer Salman,Celine Alkhaldi,Hadas Gold,Michael (26 de janeiro de 2023). «Lethal Israeli raid marks deadliest day in over a year». CNN (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  17. «Israel air attacks hit Gaza, escalation fears after Jenin raid». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  18. «KUNA: Palestinian Presidency describes Israeli aggression in Jenin as "massacre" - Politics - 26/01/2023». www.kuna.net.kw (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  19. «PA suspends security coordination with Israel». Israel National News (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  20. Ravid, Barak (26 de janeiro de 2023). «Palestinian Authority suspends security coordination with Israel after deadly Jenin raid». Axios (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  21. Abdulrahim, Raja; Yazbek, Hiba (26 de janeiro de 2023). «Israeli Raid on West Bank City Kills Nine Palestinians, Officials Say». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  22. Sawafta, Ali (26 de janeiro de 2023). «Israeli troops kill 7 Palestinian gunmen, 2 civilians in Jenin clash, Palestinians say». Reuters (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  23. «OIC Condemns in the Strongest Terms the Continued Crimes of the Israeli Occupation in Jenin and its Camp, Calls on the International Community to Assume its Responsibilities». Organization of Islamic Cooperation (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  24. «Egypt denounces Israeli raid on Jenin camp that killed 9 Palestinians - Foreign Affairs - Egypt». Ahram Online (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  25. «Israel raid in West Bank kills 9 in deadliest clash in years». France 24 (em inglês). 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  26. Magid, Jacob; staff, T. O. I. «UN Security Council to hold emergency meet following lethal Jenin sweep». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  27. «Syria condemns Israeli occupation massacre in Jenin». Syrian Arab News Agency (em inglês). 27 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de janeiro de 2023