Abrir menu principal

Max Erdmannsdörfer

professor académico alemão
Max Erdmannsdörfer
Nascimento 14 de junho de 1848
Nuremberg
Morte 14 de fevereiro de 1905 (56 anos)
Munique
Cidadania Alemanha
Alma mater Escola Superior de música e arte dramática Felix Mendelssohn Bartholdy
Ocupação maestro, compositor, professor universitário, pianista
Empregador Conservatório de Moscou

Max Erdmannsdörfer (14 de junho de 1848  – 14 de fevereiro de 1905), também conhecido como Max von Erdmannsdörfer, foi um maestro, pianista e compositor alemão.

Erdmannsdörfer nasceu em Nuremberg, e estudou no Conservatório de Leipzig, tornando-se mestre de concerto em Sondershausen. Em 1874 ele se casou com a pianista e compositora Pauline Fichtner, uma estudante de Franz Liszt. Mais tarde, ela usou o nome profissional Pauline Erdmannsdörfer-Fichtner. Erdmannsdörfer trocou correspondência com Liszt,[1] e ele executou em sua estréia o poema sinfônico de Liszt, Hamlet, em em 2 de julho de 1876.[2] Ele também possuía parte da partitura do Concerto para piano n. 3 de Liszt, que foi finalmente reunida apenas em 1989, a partir de páginas manuscritas separadas que foram dispersas em lugares distantes como Weimar, Nuremberg e Leningrado.[3] Max Erdmannsdörfer também teve uma associação com Joachim Raff. A ele e Pauline, Raff dedicou sua versão de dois pianos do Quinteto de Piano, op. 107, e eles o executaram em sua estréia em Sondershausen, em 22 de setembro de 1877. Em 1870, Pauline foi homenageada com a Suite de Piano em Sol menor de Raff. Erdmannsdörfer completou a Sinfonia nº 11, de Raff, op. 214, inacabada após a morte do seu compositor, e a publicou.[4]

Em 1882 ele se tornou o principal regente dos shows da Sociedade Musical Russa em Moscou, e professor no Conservatório de Moscou. Ele e sua esposa permaneceram lá até 1889.[5]

Ele teve uma associação significativa com Piotr Ilitch Tchaikovski. Enquanto Tchaikovski escreveu que Erdmannsdörfer estava "inclinado a ceder ao gosto do público de nuances exageradas" e "despreocupado em sua atitude em relação à música russa (exceto a minha)", ele o considerava "um regente muito habilidoso, experiente e experiente". Tchaikovski permitiu que ele conduzisse apresentações de estréia de suas obras, em Moscou.

A Suite Nº 3 de Tchaikovski é dedicada a Erdmannsdörfer, que estreou em Moscou em janeiro de 1885, poucos dias depois da sua estréia mundial em São Petersburgo sob Hans von Bülow.[6] Uma fonte diz que Erdmannsdörfer conduziu a estréia da Serenata para Cordas de Tchaikovski, op. 48,[7] mas outras fontes dizem que foi Eduard Nápravník, em São Petersburgo, em 30 de outubro de 1881. É possível que Erdmannsdörfer tenha conduzido a estréia de Moscou.

Tchaikovsky valorizou muito o arranjo de Erdmannsdörfer de seu Chant sans paroles, op. 2 n. 3, de Souvenir de Hapsal, que ele próprio conduziu em 1892. Erdmannsdörfer também orquestrou peças de piano de Anton Rubinstein.[8]

Depois de voltar para a Alemanha em 1889, o casal se estabeleceu em Bremen e em 1896 mudou-se para Munique.

Erdmannsdörfer apoiou a introdução do contrabaixo de cinco cordas, inventado por Carl Otho.[9]

Referências