Maximino (prefeito pretoriano da Itália)

Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Maximino.

Maximino (em latim: Maximinus) foi um oficial bizantino do século VI, ativo durante o reinado do imperador Justiniano (r. 527–565).

VidaEditar

Maximino era membro do senado e homem ilustre. O início de sua carreira é desconhecida, mas provavelmente foi civil uma vez que em 542 não possuía nenhuma experiência militar. No começo de 540, ele e Domnico foram enviados por Justiniano como emissários para o rei Vitige (r. 536–540) na Itália para fazer a paz ao oferecerem a partilha da península com os godos e igualmente o tesouro real com Vitige. Eles primeiro mostraram a carta imperial para Belisário e então prosseguiram para Ravena, onde os ostrogodos rapidamente aceitaram as propostas.[1] Quando os emissários retornaram com notícias, Belisário recusou assinar o acordo e defendeu sua ação em reunião com seus oficiais companheiros e na presença de Maximino e Domnico. Depois, em outra reunião, os emissários e os oficiais concordaram com a sugestão de Belisário de que deveriam tentar capturar os godos e seu dinheiro e recuperar toda a Itália para os bizantinos.[2]

Em 542, os bizantinos perderam rapidamente o controle de boa parte da Itália para os godos, e Justiniano respondeu nomeando Maximino como prefeito pretoriano da Itália. A ele foi dada autoridade sobre os comandantes militares na guerra e foi instruído para suprir os exércitos com quaisquer pagamentos e provisões necessários. Ele zarpou de Constantinopla com uma grande força de trácios e armênios sob Fazas e Herodiano e também foi acompanhado por hunos. Quando a expedição chegou no Epiro, ela perdeu tempo com atrasos desnecessários; Procópio de Cesareia explicou que isso se deveu ao fato de Maximino, militarmente inexperiente, estar receoso de se movimentar. Depois, Maximino seguiu para a Sicília e novamente permaneceu inativo pelo temor da guerra.[3]

Na ilha, Maximino recebeu pedidos de ajuda de vários oficiais em atividade na península, dentre eles Conão, que estava sob cerco do rei Tótila (r. 541–552) em Nápoles. Apesar disso, continuou a perder tempo pelo receio de se envolver na guerra. Mais adiante, acovardou perante as ameaças do imperador e os abusos de seus colegas e enviou, perto do inverno de 542/543, todo seu contingente sob Herodiano, Fazas e Demétrio para ajudar Nápoles, embora tenha permanecido em Siracusa. Ele não é citado novamente por Procópio depois disso, provavelmente devido a sua demissão com o fracasso da operação de resgate de Nápoles.[3]

Referências

  1. Martindale 1992, p. 865.
  2. Martindale 1992, p. 865-866.
  3. a b Martindale 1992, p. 866.

BibliografiaEditar

  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). «Maximinus 2». The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8