Memorial de Guerra Soviético (Treptower Park)

Memorial de Guerra Soviético
TreptowEhrenmal10.JPG
Apresentação
Tipo
monumento comemorativo
cemitério militar
monumental sculpture (en)
Soviet war cemeteries in Germany (d)
Arquiteto
Jakov Borisovitsj Belopolskiy (en)
Criador
Período de construção
Estatuto patrimonial
cultural heritage monument in Germany (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Treptow-Köpenick (en)
Flag of Germany.svg Alemanha
Coordenadas

O memorial foi erguido após a Segunda Guerra Mundial por Yakov Belopolsky, de 1946 a 1949, nas margens do rio Spree. Com área de 100.000 m², o memorial foi construído para homenagear os 80.000 soldados vermelhos que perderam suas vidas na batalha de Berlim, sendo também um cemitério, onde estão sepultados 5 mil soldados mortos durante a batalha.

Panorama do Memorial Soviético de Treptow, construído com o mármore da Chancelaria do Reich
Escultura marca onde estão enterrados 5 mil soldados do Exército Vermelho mortos em Berlim, de 16 de abril a 2 de maio de 1945

HistóriaEditar

Na conclusão da Segunda Guerra Mundial, três memoriais de guerra soviéticos foram construídos em Berlim para homenagear as mortes soviéticas na Segunda Guerra Mundial , especialmente as 80.000 que morreram durante a Batalha de Berlim . Os memoriais não são apenas comemorativos, mas também servem como cemitérios para os mortos.

Um concurso foi anunciado logo após o final da guerra pelo design do parque. A competição atraiu 33 inscrições, com o design final híbrido das propostas do arquiteto Jakow S. Belopolski , do escultor Yevgeny Vuchetich , do pintor Alexander A. Gorpenko e do engenheiro Sarra S. Walerius . As esculturas, relevos e "Flammenschalen" (tigelas de chama) de 2,5 metros de diâmetro foram fundidos no Kunstgießerei Lauchhammer em 1948.  O memorial em si foi construído no Treptower Park em terreno anteriormente ocupado por um campo esportivo. O memorial foi concluído em 1949. Havia rumores de que os restos da Chancelaria do Reichtinha sido usado para a construção do memorial, mas nada disso é verdade.

Na época da Queda do Muro de Berlim , pessoas desconhecidas vandalizaram partes do memorial com pichações anti-soviéticas .O partido espartacista afirmou que os vândalos eram extremistas de direita e organizou uma manifestação em 3 de janeiro de 1990, apoiada pelo PDS; 250.000 cidadãos da RDA participaram. Por meio das manifestações, o partido recém-formado permaneceu fiel às raízes comunistas de seu partido fundador e tentou obter influência política. A Liga Comunista Internacionalista falou com a multidão. Eles observaram que "pela primeira vez em 60 anos, os trotskistas se dirigiram a uma audiência de massa em um estado operário. Os participantes e os que ouviam rádio e TV ouviram dois programas contrários: o do SED stalinista e o do ICL trotskista".  presidente do PDS, Gregor Gysi, aproveitou a oportunidade para pedir um Verfassungsschutz ("Proteção Constitucional") para a RDA e questionou se o Amt für Nationale Sicherheit (Departamento de Segurança Nacional, sucessor da Stasi ) deveria ser reorganizado ou não. O historiador Stefan Wolle acredita que os oficiais da Stasi podem estar por trás do vandalismo, pois temiam por seus empregos.


  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Soviet Cenotaph