Abrir menu principal
Entrada da mesquita
Detalhe ornamental da mesquita

A Mesquita de Al-Rifa'i (em árabe : مسجد الرفاعى, também transliterada como Al-Rifai, Al-Refai, Al-Refa'i e também conhecida como "Mesquita Real"), está localizada no CairoEgito, em Midan al-Qal'a, adjacente à Cidadela do Cairo. O edifício está localizado em frente à mesquita-madrasa do sultão Hasan, data de 1361 e foi concebida arquitectónicamente como um complemento da estrutura mais antiga. Esta nova mesquita fazia parte de uma grande campanha dos governantes do Egito no século XIX para se associar à glória percebida de períodos anteriores na história islâmica do Egito e modernizar a cidade. A mesquita foi construída ao lado de duas grandes praças públicas e fora de vários boulevares de estilo europeu construídos ao mesmo tempo.[1][2][3][4]

HistóriaEditar

A mesquita Al-Rifa'i foi construída em duas fases durante o período entre 1869 e 1912, quando finalmente foi concluída.[1] Originalmente encomendado por Khushyar Hanim, mãe de Ismail Pacha do século XIX, para expandir e substituir o zawiya pré-existente do santo islâmico medieval Ahmed al-Rifa'i. O zawiya era um lugar de peregrinação para os habitantes locais que acreditavam que o túmulo tinha propriedades curativas místicas. Khushayer imaginou um duplo propósito para a nova estrutura como uma casa para as relíquias do sufismo e um mausoléu para a família real do Egito.[5] No decorrer de sua construção, o arquitecto, o design e o propósito mudaram.

O primeiro arquitecto foi Hussein Fahri Pasha, primo distante da dinastia fundada por Mehmet Ali do Egito em 1803 [1] Ele morreu durante a primeira fase de construção e o trabalho parou depois que o Jedive Ismail Pasha abdicou em 1880. O próprio patrono de Khushayar morreu em 1885, e o trabalho não foi retomado até 1905, quando o Jedive, Abbas II do Egito, ordenou sua conclusão. O trabalho foi supervisionado pelo arquitecto húngaro Max Herz, chefe do Comitê para a Conservação dos Monumentos Árabes no Cairo. Os minaretes se elevam no céu do Cairo desde 1909 e a mesquita foi completada em 1911. Está aberta desde 1912.[1]

O santuário tem a forma de um vasto rectângulo de 1767 metros quadrados.[6] O interior é dividido em três naves e é articulado em torno de uma cúpula. As paredes, cobertas com estuque e mármore, são perfuradas com ricos ornamentos. O próprio edifício é uma mistura de estilos, principalmente do período mameluco da história egípcia, incluindo a sua cúpula e o minarete. O edifício contém uma grande sala de oração, bem como os santuários de Ahmed al-Rifa'i] e dois outros santos locais, Ali Abi-Shubbak e Yahya al-Ansari.

UtilizaçãoEditar

 
Local de descanso de Mohammad Reza Pahlavi, filho de Reza Shah, ambos governantes do Irão

A mesquita é o lugar de descanso de Khushyar Hanim e seu filho Ismail Pacha, bem como numerosos outros membros da família real egípcia, incluindo o Rei Faruq, o último rei reinante do Egito, cujo corpo foi enterrado aqui após sua morte em Roma em 1965.[5] A mesquita serviu brevemente como o lugar de descanso de Reza Shah do Irão, que morreu no exílio na União da África do Sul em 1944 e foi devolvido ao Irão após a Segunda Guerra Mundial. Ele foi enterrado no Cairo depois da Revolução Iraniana de 1979.[7] Parte da câmara de enterro é actualmente ocupada pelo filho de Reza Shah, Mohammad Reza Pahlavi, que morreu no Cairo em julho de 1980.

Referências

  1. a b c d Samir, Salwa (4 de outubro de 2012). «Meeting a royal family at Al-Rifa'i». The Egyptian Gazette. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  2. «Masjid al-Rifa'i | Archnet». archnet.org. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  3. «Refai Mosque». www.touregypt.net (em russo). Consultado em 1 de novembro de 2017 
  4. «Egyptian Tourism Authority - Al-Rifa'i Mosque». www.egypt.travel. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  5. a b Égypte, guides voir Hachette, p.108
  6. L'Égypte, 7000 ans d'art et d'histoire, par Giovanna Magi et Patrizia Fabbri, éditions Bonechi, p.40
  7. «Historical Iranian Sites and People» 12 de diciembre de 2010

BibliografiaEditar

  • István Ormos: Max Herz Pasha : 1856 - 1919; his life and career, Le Caire : Institut Français d'Archéologie Orientale, 2009, ISBN 978-2-7247-0508-9