Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Miguel II.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Miguel II
Imperador bizantino
Michael II and Theophilos solidus.jpg
Miguel II e o seu filho Teófilo
Reinado 25 de dezembro de 8202 de outubro de 829
Consorte Tecla
Eufrósine
Antecessor(a) Leão V, o Armênio
Sucessor(a) Teófilo
Dinastia Amoriana
Nascimento 770
  Amório
Morte 2 de outubro de 829 (59 anos)
Filho(s) Com Tecla:
Teófilo
Helena?

Miguel II, dito o Amoriano (em grego: Μιχαήλ Β', Mikhaēl II), também cognominado o Gago, Traulo (em grego: Τραυλός; transl.: Traulós) ou Pselo (em grego: Ψηλλος; transl.: Psellos; em latim: Psellus), foi imperador bizantino de 820 a 2 de outubro de 829.

VidaEditar

Miguel nasceu em Amório, na Frígia, e começou a sua carreira como soldado raso, mas foi sendo promovido - até alcançar o posto de general - pelos seus méritos e pelo seu casamento com Tecla, a filha do comandante do tema. Juntamente com o futuro imperador Leão V, o Armênio, Miguel serviu o general rebelde Bardanes, o Turco mas desertou, passando-se para o serviço do imperador Nicéforo I, o Logóteta em 803. Miguel foi promovido quando Leão V se tornou imperador em 813, mas este, suspeitando dele por conspiração, aprisionou-o e condenou-o à morte em dezembro de 820. Seus partidários, porém, libertaram-no e assassinaram Leão V durante a missa de Natal na catedral de Santa Sofia.

Miguel II foi aclamado imperador e foi coroado pelo patriarca Teódoto I nesse mesmo dia. No capítulo da política interna, Miguel II apoiou a iconoclastia, mas encorajou tacitamente a reconciliação com os iconódulos, os quais deixou gradualmente de perseguir e permitiu que regressassem do exílio. Entre os regressados contavam-se o antigo patriarca Nicéforo I e Teodoro Estudita, os quais não conseguiram, no entanto, convencer o imperador a abandonar a iconoclastia. Uma das poucas vítimas desta política do imperador foi o futuro patriarca Metódio I.

A subida ao trono de Miguel despertou o apetite do seu antigo camarada de armas Tomás, o Eslavo, que se proclamou imperador na Anatólia e pôs cerco a Constantinopla em dezembro de 821. Embora Tomás não tenha conseguido obter o apoio de alguns dos temes anatólios, obteve o apoio do teme naval e dos seus navios, o que lhe permitiu apertar o cerco à cidade. Em busca de apoios, Tomás fez-se passar pelo campeão dos pobres, reduziu a carga fiscal e selou uma aliança com o califa abássida Almamune, e fez-se coroar pela patriarca Jó de Antioquia.

Foi nesta altura que Omurtague da Bulgária veio em auxílio de Miguel II e forçou Tomás a levantar o cerco na Primavera de 823. Cercado por sua vez em Arcadiópolis (Lüleburgaz), Tomás foi entregue ao imperador e executado em outubro. Apesar de ter suportado a crise, Miguel deparou-se com um grande enfraquecimento das defesas do império, e não conseguiu impedir a conquista de Creta pelos Árabes em 824, nem logrou reconquistar a ilha através de uma expedição lançada em 826. Os árabes invadiram a Sicília em 827, tirando partido das lutas intestinas locais, e sitiaram Siracusa. Em 829, tinham, no entanto já sido expulsos da ilha.

Depois da morte de Tecla, Miguel II casou-se, por volta de 823, com Eufrósine, a filha de Constantino VI. O propósito deste casamento era provavelmente o de fortalecer a posição de Miguel no trono, mas defrontou-se com a oposição do clero, uma vez que Eufrósine tinha sido freira. Miguel II faleceu a 2 de outubro de 829.

FamíliaEditar

Do seu primeiro casamento com Tecla, Miguel II teve um filho, Teófilo, que viria a ser imperador.

BibliografiaEditar

  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.
Precedido por
Leão V, o Armênio
Imperador bizantino
820 - 829
Sucedido por
Teófilo