Abrir menu principal

Miguel Veiga

advogado e político português (1936-2016)
Miguel Veiga
Nascimento 30 de junho de 1936
Porto
Morte 14 de novembro de 2016 (80 anos)
Cidadania Portugal
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra
Ocupação advogado, político
Prêmios Grande-Oficial da Ordem da Liberdade

Miguel Luís Kolback da Veiga (Porto, 30 de junho de 1936 — Porto, 14 de novembro de 2016[1]) foi um advogado e político português.

Formação e vida políticaEditar

Licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em 1959, fez carreira na advocacia. Em 1974, ao lado Francisco Sá Carneiro, Joaquim Magalhães Mota, Francisco Pinto Balsemão e outros, foi um dos fundadores do Partido Popular Democrático (hoje PSD), vindo a ocupar os cargos de vice-presidente e de membro das suas primeiras Comissões Políticas e Conselhos Nacionais. Foi deputado à Assembleia Constituinte.[2] Não obstante o seu vínculo partidário, acabou por apoiar Mário Soares na primeira candidatura a Presidente da República (quando Soares voltou a recandidatar-se em 2006 ele buscou no ano anterior o apoio de Viega, que porém preferiu apoiar o candidato "laranja" Aníbal Cavaco Silva).[3] Na sua vida política, manteve sempre uma postura laica, republicana e social-democrata que ele entre outros considerava a verdadeira identidade reformista do PPD-PSD, com parte da sua génese nos republicanos da cidade do Porto.

Foi condecorado com o grau de Grande-Oficial da Ordem da Liberdade (9 de junho de 1994)[4], sendo também membro do Conselho das Ordens Honoríficas. Em 2007 foi agraciado pela Câmara Municipal do Porto com a Medalha Municipal de Mérito – Grau Ouro. No momento proferiu um extenso e emotivo discurso, intitulado Razão do Sentimento de Pertença ao Porto.[5]

Morreu a 14 de novembro de 2016, aos 80 anos.

Acusações de plágioEditar

Miguel Veiga foi acusado de plágio por José António Saraiva. No livro Confissões, publicado em 2006, o ex-diretor do Expresso José António Saraiva revelou duas queixas de plágio que o levaram a suspender os artigos de opinião do advogado no semanário. Foi igualmente acusado de plágio pelo Professor João Sousa Dias e condenado, após publicar um texto da autoria deste mencionando-o apenas como referência bibliográfica, sem revelar que o copiava integralmente.[6]

ObrasEditar

  • Miguel Veiga et al., Francisco Sá Carneiro - 20 Anos depois, Lisboa, Gradiva Publicações, 2001, ISBN 9789726628187
  • Miguel Veiga, Um Advogado em Redor das Letras à Volta do Porto, Porto, Edições Asa, 2002, ISBN 9789724130439
  • Miguel Veiga, A Consciência Entre o Lícito e o Ilícito, Porto, Campo das Letras, 2004, ISBN 9789726108290
  • Miguel Veiga, Os Poemas da Minha Vida 2, Lisboa, Público, 2004, ISBN 9789728892166

Referências

Ligações externasEditar