Mihály Babits

Mihály Babits
Nascimento 26 de novembro de 1883
Szekszárd
Morte 4 de agosto de 1941 (57 anos)
Budapeste
Sepultamento Cemitério de Kerepesi
Cidadania Hungria
Cônjuge Ilona Tanner
Alma mater Universidade Eötvös Loránd, Ginásio da Ordem Cisterciense de Luís, o Grande
Ocupação poeta, escritor, tradutor, esperantista
Empregador Nyugat
Causa da morte câncer de laringe

Mihály Babits (Szekszárd, 26 de novembro de 1883Budapeste, 4 de agosto de 1941) foi um poeta húngaro.[1] Seus poemas são bem conhecidos por seus intensos temas religiosos. Seus romances como “The Children of Death” (1927) exploram problemas psicológicos.[2]

BiografiaEditar

Babits nasceu em Szekszárd. Ele estudou na Universidade de Budapeste de 1901 a 1905, onde conheceu Dezső Kosztolányi e Gyula Juhász. Ele trabalhou para se tornar um professor e lecionou em escolas em Baja (1905-1906), Szeged (1906-1908), Fogaras (1908-1911), Újpest (1911) e Budapeste (1912-1918).

Sua reputação por seus poemas na vida literária começou em 1908.

Ele fez uma viagem à Itália no mesmo ano, o que o interessou por Dante; ele fez várias outras viagens nos anos posteriores. Essa experiência o levou a traduzir a Divina Comédia de Dante (Inferno, 1913, Purgatório, 1920 e Paraíso, 1923).

Logo após a Revolução Húngara de 1919, ele se tornou professor de literatura estrangeira e literatura húngara moderna na Universidade de Budapeste, mas logo foi afastado por seu pacifismo após a queda do governo revolucionário.

Em 1911, ele se tornou redator da revista Nyugat .

O romance de 1918 de Babits, The Nightmare (também conhecido como King's Stork) é um romance de ficção científica sobre uma personalidade dividida influenciada pela psicologia freudiana.[3] Elza pilóta, vagy a tökéletes társadalom ("O Piloto Elza, ou a Sociedade Perfeita") se passa em um futuro utópico.[4]

Em 1921 casou-se com Ilona Tanner, que mais tarde publicou poesia com o nome de Sophie Török . Dois anos depois ele se mudou para Esztergom. Em 1927 tornou-se membro da "Kisfaludy Társaság" (Kisfaludy Society) e no mesmo ano foi nomeado curador do Prêmio Baumgarten.

Ele se tornou o editor-chefe do Nyugat em 1929 (compartilhando o cargo até 1933 com Zsigmond Móricz), cargo que ocupou até sua morte.

Em 1937, ele foi diagnosticado com câncer de laringe. Ele morreu em Budapeste em 1941.

TrabalhoEditar

Babits é mais conhecido por sua poesia lírica, influenciada por formas clássicas e inglesas. Ele também escreveu ensaios e traduziu muito do inglês, francês, alemão, grego, italiano e latim. Há um museu em Szekszárd que mostra o trabalho e a vida de Mihály Babits. Seu irmão István Babits ocupava a casa a maior parte do tempo, com seus dois filhos: István e Tibor.

  • 1988: 21 Poems (21 Vers), traduzido por István Tótfalusi (Maecenas, 1994).

Referências

  1. «Mihály Babits | Hungarian author». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  2. Norwich, John Julius (1985–1993). Oxford ilustrado enciclopédia . Juiz, Harry George., Toyne, Anthony. Oxford [Inglaterra]: Oxford University Press. p. 28. ISBN 0-19-869129-7. OCLC  11814265 .
  3. "The Nightmare" by Franz Rottensteiner in Frank N. Magill, ed. Survey of Modern Fantasy Literature, Vol 3. Englewood Cliffs, NJ: Salem Press, Inc., 1983. pp. 1121-1123.
  4. "Elza Pilota, vagy a tokeletes tarsadalom " by Péter Kuczka. In Frank N. Magill, ed. Survey of Science Fiction Literature, Vol. 2. Englewood Cliffs, NJ: Salem Press, 1979. (pp. 708-711). ISBN 0-89356-194-0
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Mihály Babits
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.