Abrir menu principal

Wikipédia β

Disambig grey.svg Nota: Se procura o pintor francês, veja Jean-François Millet.

No Império Otomano, um millet era uma corte jurídica distinta pertencente a "lei pessoal" sob a qual uma comunidade confessional (um grupo que respeita as leis da xaria muçulmana, da lei canônica cristã ou da Halachá judaica) era autorizada a se auto-governar. Após as reformas Tanzimat (1839-76), o termo passou a ser usado para se referir aos grupos religiosos minoritários legalmente protegidos, semelhante à maneira como outros países usam a palavra nação. O termo millet vem da palavra árabe millah (ملة) e significa literalmente "nação". O sistema de millets tem sido classificado como um exemplo de pluralismo religioso pré-moderno.[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Sachedina, Abdulaziz Abdulhussein (2001). The Islamic Roots of Democratic Pluralism. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 96–97. ISBN 0-19-513991-7. The millet system in the Muslim world provided the pre-modern paradigm of a religiously pluralistic society by granting each religious community an official status and a substantial measure of self-government. 
  Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.