Abrir menu principal
Estrutura de pedra em degraus, especulada por alguns estudiosos como o Milo.

Milo (ou Melo) era uma estrutura na cidade israelita de Jerusalém, mencionada pela primeria vez na Bíblia no Segundo Livro de Samuel (5:9), e em diversas passagens subsequentes no Livro de Crônicas e no Livro dos Reis. É mencionado como parte da cidade de Davi[1] e parece ter sido uma estrutura de proteção construída pelos jebusitas antes da conquista de Jerusalém pelos israelitas.[2] Os textos bíblicos também descrevem uma 'Milo' que teria sido construída por Salomão[3] e consertada por Ezequias,[4] sem que qualquer explicação específica seja fornecida a respeito do que ela consistia exatamente. Existe um debate entre os estudiosos a respeito de sua natureza específica; a teoria mais comum entre os arqueólogos e historiadores da antiga Israel é de que Milo seria a Estrutura de Pedra em Degraus, descoberta por Kathleen Kenyon e demonstrada por Eilat Mazar como associada à recém-descoberta Grande Estrutura de Pedra.

Uma escavação recente feita por Mazar diretamente acima da Estrutura de Pedra em Degraus mostra que a estrutura está ligada e fornece suporte à Grande Estrutura de Pedra.[5] Mazar apresenta evidências de que a Grande Estrutura de Pedra seria um palácio real israelita, utilizado continuamente do século X até 586 a.C. Sua conclusão é de que tanto esta estrutura quando a estrutura em degraus fariam parte de um imenso palácio real, o que estaria de acordo com as referências ao termo 'Milo'/'Melo' citado como "Casa de Milo/Melo" ("Bet-Melo") no Segundo Livro de Reis (12:21) e no Segundo Livro de Crônicas (24:25), como o local no qual o rei Joás teria sido assassinado em 799 a.C., enquanto dormia em sua cama. O termo "Milo" seria derivado do hebraico milui, que designaria o material usado para preencher os espaços vazios entre pisos, paredes e muros, visando assim fortificá-los. Toda a estrutura que sustenta os degraus de pedra seria preenchida por este material.[6]

No Livro de Samuel, Milo é mencionada como sendo a fronteira da construção do rei Davi enquanto ele construía a sua cidadela, após a conquista de Jerusalém dos jebusitas.[7] A tradução para o inglês da Bíblia feita pelo rei Jaime da Inglaterra traduz o termo 'Millo' numa nota de rodapé como, literalmente, "O Aterro",[8] enquanto a New International Version a traduz como "supporting terraces" ("terraços de suporte");[9] já as versões em português a mencionam como "muralhas", "muros de arrimo" e "edifícios".[10]

A reconstrução feita por Ezequias é mencionada numa lista de uma série de reparos feitos a fortificações militares, e diversos estudiosos acreditam que por esse motivo ela pudesse estar associada a atividades militares, e ser uma espécie de torre, cidadela, ou apenas parte importante de uma muralha.[11] Levando-se em conta, no entanto, que o termo aramaico mulu, potencialmente cognato, se refere a uma fortificação feita com terra,[12] é provável que a estrutura consistisse de um aterro que teria aplainado o declive que existia entre o Ofel e o Monte do Templo.[13]

Referências

  1. II Samuel 5:9
  2. http://www.keyway.ca/htm2003/20030728.htm
  3. I Reis 9:24
  4. II Crônicas 32:4-5
  5. Mazar, Eilat, "Excavations at the Summit of the City of David", Preliminary Report of Seasons 2005-2007, Shoham, Jerusalém e Nova York, 2009.
  6. Mazar, Eilat, "Excavations at the Summit of the City of David", Preliminary Report of Seasons 2005-2007, Shoham, Jerusalém e Nova York, 2009, p. 67.
  7. II Samuel 5:9
  8. II Samuel 5:9 (NKJV)
  9. II Samuel 5:9 (NIV)
  10. Bíblia Online, II Samuel 5]
  11. Peake's commentary on the Bible; Jewish Encyclopedia
  12. Jewish Encyclopedia
  13. Peake's commentary on the Bible