Abrir menu principal
Marechal do Exército Brasileiro Coat of arms of the Brazilian Army.svg
Milton de Freitas Almeida
Marechal Milton de Freitas Almeida
Nome completo Milton de Freitas Almeida
Dados pessoais
Nascimento 3 de janeiro de 1888 Porto Alegre, RS, Brasil
Morte 29 de novembro de 1962 (74 anos) Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Esposa Marina Arcoverde de Freitas Almeida
Vida militar
Força Exército Brasileiro
Anos de serviço 19041954
Hierarquia Marechal.gif Marechal
Batalhas II Guerra Mundial
Revolução de 1932
Revolução de 1930

Milton de Freitas Almeida (Porto Alegre, 3 de janeiro de 1888Rio de Janeiro, 29 de novembro de 1962) foi um marechal do Exército Brasileiro e comandante na Revolução Constitucionalista.

BiografiaEditar

Milton de Freitas Almeida nasceu em 3 de janeiro de 1888 na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Sentou praça em 1904, concluindo o curso em 1908, tornando-se aspirante na Arma da Cavalaria.[1]

Ainda em 1908, foi promovido a 2º tenente. As suas outras promoções, por antiguidade e merecimento, ao longo dos anos foram: em novembro de 1915 a 1º tenente, em julho de 1920 a capitão, em junho de 1927 a major e, por fim, em julho de 1929 a tenente-coronel.[1]

Com o seu curso militar adquiriu bacharelado em matemática e ciências físicas. Ao longo dos anos fez vários cursos de formação, aperfeiçoamento, estado-maior, divisão de estado-maior e superior de informações.[1]

 
Ao centro, o então coronel durante a Revolução de 1932.

Em 1929, foi nomeado para comandar o 1º Regimento de Cavalaria Independente, sediado no Rio Grande do Sul. Em outubro de 1930, na ocasião da deflagração da Revolução de 1930, se recusou a aderir o levante e, por causa disso, foi preso pelos rebeldes daquele Estado.[1]

Em 1932, o então tenente-coronel do Exército Brasileiro aderiu à Revolução Constitucionalista deflagrada no Estado de São Paulo. Na ocasião do início do levante, havia sido há poucos dias nomeado ao posto de Chefe do Estado Maior da 2º Região Militar, cujo comandante era o também recém nomeado ao posto, o general José Luis Pereira Pereira de Vasconcelos. Em São Paulo, durante o conflito, foi comandante de um destacamento respectivo ao então denominado "Setor sul" de combate, em um subsetor respectivo às cidades de Angatuba e Bom Sucesso (atual Paranapanema), nos arredores do Rio Paranapanema.[1][2][3][4]

Em 30 de setembro de 1932, já durante o armistício e nos últimos dias do conflito, assumiu o comando geral do Setor sul, em substituição ao Coronel Brasílio Taborda que naquela ocasião havia sido nomeado comandante da Polícia Civil de São Paulo. Conforme boletim de campanha publicado pelo cel. Taborda: “Por necessidade de serviço, deixo nesta data o comando desse Setor, passando-o ao Sr. Coronel Milton de Freitas Almeida - Boletim do Q.G., nº 65, de 30/9". Ainda nos últimos dias do conflito foi ferido gravemente por um grupo de soldados paulistas que se amotinaram contra o comando, conforme descreveu a esse respeito o seu então Chefe de Estado Maior, o capitão Joaquim J. A. Bastos: “Em vão se expunha diariamente às balas do adversário na inspeção infalível às posições mais arriscadas de sua tropa, para ir tombar gravemente ferido quase ao encerrar da luta, diante dos fuzis criminosos de um pelotão amotinado”.[3][5]

 
Foto do Marechal Milton de Freitas Almeida na galeria dos ex-comandantes da ECEME

Com a derrota militar dos rebeldes em São Paulo, o Tenente-coronel Almeida foi preso. Em 1933, recebeu a anistia geral e foi reintegrado ao Exército Brasileiro com todas as respectivas prerrogativas e regalias. Ainda em 1933 foi promovido a coronel. Em 1935, foi nomeado para o comando geral da Força Pública de São Paulo.[1]

Entre 15 de março de 1938 e 8 de junho de 1939, comandou a Escola de Estado-Maior, atual Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.[6]

Em maio de 1939, foi promovido a general-de-brigada. Na década de 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, com a declaração de guerra por parte do Brasil contra as forças do eixo, o então general foi nomeado para o Conselho Superior de Economia de Guerra, onde atuou entre 1943 a 1945. Em abril de 1945, foi promovido a general-de-divisão e em 1946 foi nomeado para o comando da 2ª Região Militar, respectiva a São Paulo. Em outubro de 1946, foi nomeado Chefe do Estado-Maior do Exército, em substituição ao general Salvador César Obino. Exerceu esse cargo de 18 de outubro de 1946 a 12 de novembro de 1948.[7]

Em seguida, passou a fazer parte do Conselho de Defesa Nacional (CDN). Entre 1947 e 1949 também foi presidente da Comissão de Promoções do Exército.[1][8]

No início de 1949, foi nomeado embaixador brasileiro na Argentina e permaneceu no cargo em Buenos Aires até o final de 1950, quando então foi substituido por João Batista Luzardo. Em dezembro de 1950, foi promovido a general-de-exército e passou desde então a servir em funções burocráticas na Inspetoria Geral até janeiro de 1954, quando então passou para a reserva com a patente de marechal do Exército Brasileiro.[1][9]

Veio a falecer na cidade do Rio de Janeiro, em 29 de novembro de 1962, tendo sido sepultado no Cemitério São João Batista com honras militares.[1][8]


Referências

  1. a b c d e f g h i De Abreu, Alzira Alves (2015). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930). Rio de Janeiro: CPDOC FGV. ISBN 978-85-225-1658-2 
  2. Bastos, Joaquim Justino A. (1965). Encontro com o Tempo. Rio de Janeiro: Globo. 893 páginas 
  3. a b Bastos, Joaquim Justino A. (1933). Palmo a a Palmo: a Luta no Sector Sul. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista. 412 páginas 
  4. Carvalho e Silva, Herculano (1932). A Revolução Constitucionalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 398 páginas 
  5. Bastos, Joaquim Justino A. (1933). Palmo a a Palmo: a Luta no Sector Sul. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista. p. 79-79 
  6. «Antigos Comandantes da ECEME». Consultado em 11 de junho de 2018 
  7. «Galeria dos ex-chefes do EME». Consultado em 11 de junho de 2018. Arquivado do original em 12 de junho de 2018 
  8. a b «Correio Militar - Falecimento de marechal» 21370 ed. Rio de Janeiro. Correio da Manhã: 4. 30 de novembro de 1962 
  9. Diário da Noite (6 de janeiro de 1954). «Excepcionais homenagens ao general Milton de Freitas Almeida na sua despedida do Exército» A05674 ed. Rio de Janeiro. p. 4 


Precedido por
Isauro Reguera
 
15º Comandante da ECEME

1938 — 1939
Sucedido por
Renato Baptista Nunes