Abrir menu principal
Líderes dos países negociantes e da Bielorrússia reunidos para a cimeira

Minsk II foi um acordo de 11 de fevereiro de 2015, celebrado no Palácio da Independência em Minsk, nos quais líderes da Ucrânia, Rússia, França e Alemanha concordaram com um pacote de medidas para aliviar a Guerra Civil no Leste da Ucrânia, incluindo um cessar-fogo no dia 15 do mesmo mês, confisco de armamentos pesados, libertação e anistia de prisioneiros, retirada de tropas estrangeiras e reforma constitucional (para maior autonomia das partes rebeldes) e controle de fronteiras por parte da Ucrânia no mesmo ano.[1]

Federica Mogherini, Alta Representante da União Europeia para Política Externa e Segurança, disse que o acordo era importante, mas não definitivo, e que não esperava discutir sanções contra a Rússia.[2] Ivica Dačić, Ministro de Assuntos Estrangeiros da Sérvia, deu total suporte ao acordo.[3] Em 27 de dezembro de 2018, a agência de notícias Unian reportou que nenhuma provisão do acordo fora totalmente cumprida.[4]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Ukraine crisis: Leaders agree peace roadmap». BBC News (em inglês). 12 de fevereiro de 2015. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  2. «Ukraine ceasefire agreed at Belarus talks». The Guardian (em inglês). 12 de fevereiro de 2015. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  3. «OSCE Chairperson-in-Office gives full backing to Minsk package». OSCE (em inglês). 12 de fevereiro de 2015. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  4. «Almost entire 'grey' zone in Donbas liberated by Ukraine without Minsk deal breach – adviser». Unian (em inglês). 27 de dezembro de 2018 
  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.