Miro II de Cerdanha

Miro II de Cerdanha (c. 878927) foi conde de Cerdanha entre 897 e 927 e de Besalú entre 920 e 927, ano da sua morte.

Miro II de Cerdanha
Nascimento 878
Morte 927
Sepultamento Mosteiro de Santa Maria de Ripoll
Progenitores
Cônjuge Ava of Cerdanya
Filho(a)(s) Sunifred II of Cerdanya, Miró III of Cerdanya, Oliba Cabreta, Wilfred II of Besalú, Goltregoda of Cerdanya
Irmão(ã)(s) Suniário I de Barcelona, Radulfo de Barcelona, Sunifredo II de Urgel, Vifredo II Borrell, Ema de Barcelona, Cixilona de Barcelona
Título conde, count of Cerdagne
Religião cristianismo

Recebeu de herança da seu pai o condado de Cerdaña, enquanto o seu irmão Sunifredo II de Urgel receberia o condado de Urgell e os seus irmãos Vifredo II, Suniário I recebiam o condado de Barcelona.

Depois da morte do seu tio Rodolfo de Besalú, no ano de 920, veio também a herdar o condado de Besalú, que se encontrava unido ao condado de Cerdaña.

Foi um continuador da repovoação dos territórios praticada por seu pai colaborando na restruturação eclesiástica do pagus de Berga.

Relações familiares editar

foi filho de Vifredo I (83021 de Agosto de 897)[1] e de Guinidilda de Ampurias também denominada Guinilda de Barcelona filha de Sunifredo de Barcelona, visconde de Barcelona. Casou com Ava de Cerdanha (C. 900 - 962), filha de Raimundo I de Pallars e Ribagorça, conde de Ribagorza, de quem teve:

  1. Sunifredo II de Cerdanha (c. 915 - Abadia de São Miguel de Cuixá, 968), conde de Cerdanha e conde de Besalú.
  2. Vifredo II de Besalú (?–957) Conde de Besalú.
  3. Miro III de Cerdanha (c. 920984) conde de Cerdanha e conde de Besalú.
  4. Oliba Cabreta (C. 920-990), conde de Cerdanha e Besalú e conde de Ripoll.
  5. Fredeburga, abadessa do Mosteiro de San Juan de Ripoll.

Teve uma amante, Virgilia de Ampurias, filha de Delá de Ampurias, conde de Ampurias, de quem teve:

  1. Gotruda de Cerdanha (? – c. 960) casada com Lope I de Pallars.

Referências

  1. Guifré el Pilós em Catalão. na obra Gesta Comitum Barcinonensium onde é denominado Guiffredus Pilosus, and other early medieavl Latin spellings are Vuifredus, Wifredus, and Guifredus. The Crónica de San Juan de la Peña calls him Guiffré Pelloso.