Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2017). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Miroel Silveira (Santos, 8 de maio de 1914São Paulo, 1988) foi um diretor de teatro, crítico teatral e ensaísta brasileiro.

BiografiaEditar

Era filho dos escritores Valdomiro Silveira e Maria Isabel Silveira. Foi importante diretor teatral, principalmente na década de 1950, tendo participado do surgimento do grupo Os Comediantes, um dos mais importantes do teatro brasileiro na época, e dirigido espetáculos com Bibi Ferreira e outros tantos artistas de na cena nacional.

Formado em Direito pela Faculdade de São Paulo, foi contista, teatrólogo, tradutor, ensaísta e autor de livros para crianças. Irmão da escritora e jornalista Isa Silveira Leal. Primo da escritora Dinah Silveira de Queiróz e da jornalista e crítica de televisão Helena Silveira, Miroel foi considerado um dos grandes renovadores do teatro brasileiro moderno.

Muito da vida teatral brasileira, no perído entre 1951 e 1957, pode ser conhecido pelos seus textos escritos no Radar de São Paulo, nos jornais cariocas O Jornal e o Diário de Notícias, e nos jornais do grupo Folhas de São Paulo entre 1947 e 1957. Em 1950 participa do Teatro Popular de Arte, TPA, importante companhia de Maria Della Costa e Sandro Polloni. No mesmo ano, funda o tablóide Radar, juntamente com seu sobrinho, o editor Ênio Silveira, onde assina a coluna de teatro.

Além de 50 anos de intensa vida artística, durante muitos anos foi professor da Escola de Arte Dramática e da Escola de Comunicações e Artes da USP.

Na biblioteca da Escola de Comunicações e Artes da USP existe o Arquivo Miroel Silveira com peças censuradas em São Paulo do período entre 1927 e 1968 na então Divisão de Diversões Públicas do Estado de São Paulo, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Segurança Pública. São mais de seis mil processos sobre as peças teatrais censuradas entre o Estado Novo e a ditadura militar. Este arquivo foi trazido à USP pelo seu então professor.

Morreu vítima de uma broncopneumonia seguida de uma parada cardíaca em 1988, aos 73 anos.

Livros publicadosEditar

  • Goldoni na França. 1981
  • A Outra Crítica. São Paulo: Edições Símbolo, 1976 - Textos de crítica teatral publicados.
  • Vamos ler Miroel Silveira. Org. Henrique L. Alves - prefácio de Cassiano Nunes. Rio de Janeiro : Brasília : Cátedra : INL, 1983

Ligações externasEditar