Abrir menu principal
Molusco contagioso
Pápulas características
Especialidade Dermatologia
Sintomas Pápulas na pele rosadas, abobadadas, moles, oleosas ou perláceas e umbilicadas[1]
Início habitual Crianças de 1 a 10 anos de idade[2]
Duração Geralmente 6-12 meses, podendo durar até 4 anos[1]
Tipos MCV-1, MCV-2, MCV-3, MCV-4[3]
Causas Vírus do molusco contagioso transmitido por contacto direto ou objetos contaminados[4]
Fatores de risco Sistema imunitário debilitado, dermatite atópica, locais de elevada densidade populacional[2]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas[3]
Condições semelhantes Verrugas, herpes, varicela, foliculite[5]
Prevenção Lavar as mãos, não partilhar objetos de uso pessoal[6]
Tratamento Nenhum, crioterapia, cirurgia, terapia laser[7]
Medicação Cimetidina, podofilotoxina[7]
Frequência 122 milhões / 1,8% (2010)[8]
Classificação e recursos externos
CID-10 B08.1
CID-9 078.0
DiseasesDB 8337
MedlinePlus 000826
eMedicine derm/270
MeSH D008976
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Molusco contagioso é uma infeção viral que causa pápulas na pele rosadas, abobadadas, moles, oleosas ou perláceas e umbilicadas.[9][1] Em alguns casos as pápulas são pruriginosas ou dolorosas.[1] As pápulas podem ocorrer de forma isolada ou em grupos e podem afetar qualquer área da pele.[1] As áreas mais comuns são o abdómen, pernas, braços, pescoço, área genital e face.[1] As lesões aparecem cerca de sete semanas após a infeção.[3] A doença geralmente desaparece sem deixar cicatrizes.[1]

O molusco contagioso é causado por um poxvírus denominado vírus do molusco contagioso (VMC).[1] O vírus é transmitido ou por contacto directo, incluindo por via sexual, ou através de objetos contaminados, como toalhas de banho.[4] A doença pode também ser transmitida para outras áreas da pele pela própria pessoa.[4] Entre os fatores de risco estão um sistema imunitário debilitado, dermatite atópica e viver em locais de elevada densidade populacional.[2] Following one infection, it is possible to get reinfected.[10] Diagnosis is typically based on the appearance.[3]

Entre as medidas de prevenção estão lavar as mãos e evitar partilhar objetos de uso pessoal.[6] Embora na generalidade dos casos não seja necessário qualquer tratamento, algumas pessoas podem querer remover as lesões por motivos estéticos ou para prevenir a transmissão.[7] A remoção pode ser realizada com crioterapia, terapia laser ou pela abertura de pequenas incisões para remover o interior da lesão.[7] No entanto, as intervenções cirúrgicas podem deixar cicatrizes.[10] Pode também ser administrada cimetidina por via oral ou pomadas de podofilotoxina para aplicação na pele.[7]

Em 2010, encontravam-se infetadas com molusco contagioso cerca de 122 milhões de pessoas em todo o mundo (1,8% da população).[8] A doença é mais comum em crianças entre 1 e 10 anos de idade.[2] O molusco contagioso não é motivo para impedir a criança de frequentar a escola ou o infantário.[11]

Referências

  1. a b c d e f g h «Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de junho de 2017 
  2. a b c d «Risk Factors | Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 10 de junho de 2017 
  3. a b c d Ramdass, P; Mullick, S; Farber, HF (dezembro de 2015). «Viral Skin Diseases». Primary Care (Review). 42 (4): 517–67. PMID 26612372. doi:10.1016/j.pop.2015.08.006 
  4. a b c «Transmission | Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 10 de junho de 2017 
  5. Ferri, Fred F. (2010). Ferri's differential diagnosis : a practical guide to the differential diagnosis of symptoms, signs, and clinical disorders 2nd ed. Philadelphia, PA: Elsevier/Mosby. p. Chapter M. ISBN 978-0323076999 
  6. a b «Prevention | Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 17 de junho de 2017 
  7. a b c d e «Treatment Options | Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 17 de junho de 2017 
  8. a b Vos, Theo; Flaxman, Abraham D; Naghavi, Mohsen; Lozano, Rafael; Michaud, Catherine; Ezzati, Majid; Shibuya, Kenji; Salomonn, Joshua A; Abdalla, Safa; Aboyans, Victor; Abraham, Jerry; Ackerman, Ilana; Aggarwal, Rakesh; Ahn, Stephanie Y; Ali, Mohammed K; AlMazroa, Mohammad A; Alvarado, Miriam; Anderson, H Ross; Anderson, Laurie M; Andrews, Kathryn G; Atkinson, Charles; Baddour, Larry M; Bahalim, Adil N; Barker-Collo, Suzanne; Barrero, Lope H; Bartels, David H; Basanez, Maria-Gloria; Baxter, Amanda; Bell, Michelle L; et al. (15 de dezembro de 2012). «Years lived with disability (YLDs) for 1160 sequelae of 289 diseases and injuries 1990-2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010». Lancet. 380 (9859): 2163–96. PMID 23245607. doi:10.1016/S0140-6736(12)61729-2 
  9. James G. H. Dinulos. «Molusco Contagioso». Manual Merck. Consultado em 3 de janeiro de 2019 
  10. a b «Long Term Effects | Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 17 de junho de 2017 
  11. «Day Care Centers and Schools | Molluscum Contagiosum». www.cdc.gov (em inglês). 11 de maio de 2015. Consultado em 10 de junho de 2017. Cópia arquivada em 17 de junho de 2017 

Ligações externasEditar