Abrir menu principal

Morro da Providência

Vista do Morro da Providência em 2011.

O Morro da Providência é um morro situado no bairro da Gamboa, na Zona Central da cidade do Rio de Janeiro. Em suas encostas localiza-se uma favela com o mesmo nome, destacada por ser uma das favelas mais antigas do Brasil. O povoamento do morro iniciou-se efetivamente na década de 1890 por moradores despejados de um cortiço e por soldados que participaram da Guerra de Canudos.[1]

No início do século XX, o acidente geográfico era conhecido por seus moradores, em sua maioria oriundos da Guerra de Canudos, como Morro da Favela, uma referência a um morro de mesmo nome que existia em Canudos e que era recoberto por um arbusto rasteiro da espécie Cnidoscolus quercifolius, popularmente conhecida como favela.[2] A designação atual da região, Morro da Providência, consta nas plantas da cidade do Rio de Janeiro desde meados do século XIX.[3][4]

HistóriaEditar

Embora o Morro da Providência já fosse habitado antes,[5] a favela surgiu a partir de uma promessa que o governo fez aos soldados do Rio de Janeiro enviados à Guerra de Canudos, que consistia em entregar-lhes residências caso saíssem vitoriosos. Ao retornarem ao Rio de Janeiro 1897 e verem a promessa não ser cumprida, os soldados se apropriaram de uma região de morro. O Morro da Providência passou a ser chamado de Morro da Favela em referência a um dos morros junto aos quais a cidadela de Canudos foi construída, assim batizado em virtude da planta Cnidoscolus quercifolius (popularmente chamada de favela) que encobria a região.

 
Caricatura de Oswaldo Cruz limpando o Morro da Favela (O Malho, nº 247, 08/06/1907).

A partir da associação do nome "favela" ou como chamam comunidade com os soldados, o morro popularmente passou a ser conhecido como morro da Favela.[1][6]

A ocupação deflagrou-se entre o final do século XIX e o início do XX, a partir da grande reforma urbana imposta pelo engenheiro Pereira Passos,[7] quando vários cortiços e habitações populares do centro foram devastados e a população pobre, transferida para os morros nas adjacências do centro.[7]

Em 1 de janeiro de 1901, inaugurou-se no morro um "monumento comemorativo da passagem do século",[8] que é o famoso Oratório tombado pelo Município em 1986. No fim do ano de 1910, o morro da Favela era considerado o lugar mais violento do Rio de Janeiro.[1]

O nome favela estendeu-se a outros morros e, na década de 1920, as ocupações de colinas com barracos e casebres passaram a ser conhecidas como favelas.[1]

AtualidadeEditar

O morro abriga a comunidade da escola de samba Vizinha Faladeira, campeã do carnaval de 1937.

Em 25 de abril de 2010 a comunidade passou a ser atendida pela 7° UPP.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d Mattos, Romulo (31 de outubro de 2007). «"Aldeias do mal"». Revista de História da Biblioteca Nacional. Arquivado do original em 30 de março de 2014 
  2. Navarro, Roberto (18 de abril de 2011). «Qual foi a primeira favela do Brasil?». Superinteressante. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  3. «Planta da cidade do Rio de Janeiro» (JPG). Biblioteca Nacional do Brasil. 1850. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  4. «Planta da cidade do Rio de Janeiro» (JPG). Biblioteca Nacional do Brasil. 1858. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  5. Por exemplo, o Diário do Rio de Janeiro de 30 de agosto de 1838 menciona a cobrança da décima urbana (espécie de IPTU) aos proprietários e inquilinos em vários logradouros, entre eles o Morro da Providência. Exemplos da ocupação do morro antes da chegada dos soldados de Canudos constam do estudo "Oratório do Morro da Providência" no blog Literatura & Rio de Janeiro.
  6. Contribuição para o debate atual sobre as favelas do Rio. Portal Vitruvius, 3 de outubro de 2005
  7. a b ABREU, M. – "Evolução Urbana do Rio de Janeiro" 1988 – Editora Jorge Zahar
  8. Revista da Semana, 6 de janeiro de 1901; Gazeta de Notícias, 24 de dezembro de 1900; Jornal do Brasil, 28 de dezembro de 1900;O Paiz, 30 de dezembro de 1900.

Ligações externasEditar