Movimento de 30 de Setembro

(Redirecionado de Movimento 30 de Setembro)

Movimento de 30 de Setembro (em indonésio: Gerakan 30 September, abreviado como G30S, também conhecido pelo acrônimo Gestapu para Gerakan September Tiga Puluh ou às vezes chamado Gestok, para Gerakan Satu Oktober, Movimento Primeiro de Outubro) foi uma organização autoproclamada de membros das Forças Armadas da Indonésia que, na madrugada de 1 de outubro de 1965, assassinou seis generais do exército indonésio em um golpe de Estado abortado.[1] Mais tarde, naquela manhã, a organização declarou controlar a imprensa e os meios de comunicação e que havia tomado o Presidente Sukarno sob sua proteção. No final do dia, a tentativa de golpe havia fracassado em Jacarta. Enquanto isso, no centro de Java, houve uma tentativa de assumir o controle de uma divisão do exército e várias cidades. No momento em que esta rebelião foi suprimida, mais dois oficiais superiores estavam mortos.

Mais tarde naquela manhã, cerca de 2 000 soldados de duas divisões baseadas em Java (o 454º e o 530º) ocuparam o que hoje é o Lapangan Merdeka, o parque ao redor do Monumento Nacional no centro de Jacarta, e três lados da praça, incluindo o edifício RRI (Radio Republik Indonesia). Acima em vermelho as principais localizações ao redor da Praça Merdeka em 30 de setembro de 1965.

Nos dias e semanas que se seguiram, o exército, grupos sócio-políticos e religiosos responsabilizaram o Partido Comunista da Indonésia (PKI) pela tentativa golpista. Logo, um expurgo em massa estava em andamento, o que resultou na prisão e morte de membros ou simpatizantes reais ou supostos do Partido Comunista. Sob a Nova Ordem, o movimento foi geralmente chamado de "G30S / PKI" por aqueles que pretendiam associá-lo ao Partido Comunista da Indonésia.[2]

Investigações e questionamentos sobre a versão de Suharto dos acontecimentos foram obstruídos por muito tempo na Indonésia. A CIA inicialmente acreditou que Sukarno orquestrou o movimento.[3] Apesar disso, várias fontes externas encontraram inconsistências nas alegações das forças armadas, principalmente Benedict Anderson e Ruth McVey, que escreveram Cornell Paper que as contestaram.[4]

NotasEditar

  1. "The assassination of generals on the morning of 1 October was not really a coup attempt against the government, but the event has been almost universally described as an 'abortive coup attempt,' so I have continued to use the term." Crouch 1978, p. 101.
  2. Roosa (2006) p. 29.
  3. THE LESSONS OF THE SEPTEMBER 30 AFFAIR, CIA Library
  4. What Happened in Indonesia?, NY Books

ReferênciasEditar

Fontes primáriasEditar

Fontes secundáriasEditar