Abrir menu principal
Maria do Espírito Santo Arcoverde
Nascimento
Igarassu,  Pernambuco
Morte
Olinda,  Pernambuco
Nacionalidade Brasil brasileira

Muyrã Ubi (Igarassu, 1510Olinda, 1558), ou ainda índia Muyrá Ubi, e batizada Maria do Espírito Santo Arcoverde, era uma índia da tribo Tindara (ou Tindarana), da etnia Tabajara. Era filha do cacique da tribo, Uirá Ubi (chefe tupi Arcoverde). Se tornou importante na história do Brasil devido à sua interferência na condenação à morte de Jerônimo de Albuquerque, um administrador colonial português.[1]

BiografiaEditar

Após lutar contra os índios Tabajaras, Jerônimo de Albuquerque levou um flechada e perdeu um dos olhos. Estando sob cárcere e condenado à morte, foi salvo pela índia Muyrã Ubi, que se apaixonou por ele e o quis como marido. O casamento selou a paz entre os índios tabajaras e os colonizadores portugueses. Da união com Jerônimo de Albuquerque nasceram oito filhos, entre eles Jerônimo de Albuquerque Maranhão, que expulsou os franceses do Maranhão, e posteriormente anexou Maranhão ao seu nome, e Catarina de Albuquerque que se casou com o fidalgo italiano Filippo Cavalcanti.[2][3][4][5][6][7]

BatismoEditar

Batizada, Muyrã Ubi recebeu o nome de Maria do Espírito Santo Arcoverde em homenagem à festa de Pentecostes, que se celebrava no dia do batismo.[8]

Referências

  1. «Muirá-Ubi - Quem?» 
  2. Moya, Salvador (1963). Revista Genealógica Latina n. 9/10. [S.l.]: Instituto Genealógico Brasileiro. 231 páginas 
  3. «Biografia de Jerônimo de Albuquerque» 
  4. «História e Genealogia» 
  5. «Albuquerques» 
  6. Doria, Francisco Antonio (2003). Acciaiolis, Madeira e Brasil, I. [S.l.]: Bingen. 22 páginas 
  7. «Biografia de Jerônimo de Albuquerque» 
  8. Albuquerque, Ulysses Lins de (2016). Três Ribeiras. [S.l.]: Cepe. 22 páginas 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.