NatureServe

NatureServe
História
Fundação
Quadro profissional
Tipo
Estado legal
Sede social
País
Organização
Afiliação
Receita líquida
8 073 221 $ ()
8 182 338 $ ()
7 922 473 $ ()
7 678 594 $ ()
Website
Identificador
IRS

A NatureServe, Inc. é uma organização sem fins lucrativos com sede no Condado de Arlington, Virgínia, EUA, que fornece dados, ferramentas e serviços proprietários relacionados à conservação da vida selvagem para clientes privados e governamentais, organizações parceiras e o público.[1][2][3][4] A NatureServe relata estar "sediada em Arlington, Virgínia, com escritórios regionais em quatro locais nos EUA e no Canadá".[4] No ano-calendário de 2011 relataram ter 86 funcionários, 6 voluntários e 15 diretores independentes.[5]

A Nature Conservancy relata que em 2000 desmembrou a sua Rede de Patrimônio Natural de 85 centros "em uma nova organização independente, a Association for Biodiversity Information (mais tarde renomeada NatureServe)".[6] A NatureServe relata que foi criada em 1994[4] como a Association for Biodiversity Information.[4][7] Em 2001, o IRS aprovou uma mudança de nome para NatureServe que foi solicitada em 1999, mantendo o status de isenção fiscal 501(c)(3) da organização concedido em julho de 1995.[7][8] O site da NatureServe declara que é uma corporação sem fins lucrativos e isenta de impostos 501(c)(3), constituída em 1999 como uma corporação sem fins lucrativos de Washington, DC.[9]

ProgramasEditar

Os programas da NatureServe se concentram em quatro áreas principais:[2]

  • Documentar o estado de conservação e a localização de espécies e ecossistemas
  • Produzindo análises para orientar o planejamento da conservação
  • Desenvolvimento de ferramentas de software para orientar o planejamento da conservação
  • Gerenciando programas de patrimônio natural e data centers de conservação

A NatureServe faz parceria com a Lista Vermelha da IUCN,[10] o padrão aceito para classificação mundial de espécies ameaçadas,[11] fornecendo assistência de coordenação e dados de suas próprias avaliações para as avaliações de conservação da IUCN,[12][13] e trabalhando juntos em avaliações contínuas.[14]

O NatureServe Explorer é um banco de dados baseado na web que fornece acesso público às informações proprietárias da NatureServe sobre ecossistemas e espécies de plantas, animais e fungos dos EUA e Canadá.[15][16] Isso inclui dados classificados de avaliação do status de conservação da NatureServe nos níveis estadual, nacional e global, considerados uma classificação líder de espécies ameaçadas nos Estados Unidos.[11] A Infonatura era um serviço quase idêntico, fornecendo informações sobre a vida selvagem e os ecossistemas latino-americanos.[17]

A NatureServe mantém o Padrão Nacional de Classificação de Vegetação para os Estados Unidos, bem como a Classificação Internacional de Comunidades Ecológicas, atualmente focada no Hemisfério Ocidental.

LandScope America (landscope.org) é um recurso online que reúne diversos dados relacionados à conservação para auxiliar no planejamento do uso da terra e da água. É um programa colaborativo da NatureServe e da National Geographic Society.[2]

A rede NatureServeEditar

A rede de patrimônio natural agora apoiada pela NatureServe, começou em 1974 com a criação do South Carolina Heritage Trust. Depois de trabalhar com Patrick Noonan, presidente da The Nature Conservancy (TNC), para organizar a doação dos 24,000 acres (97 km2) Santee Coastal Reserve, Joseph Hudson, presidente do Departamento de Vida Selvagem e Recursos Marinhos da Carolina do Sul, queria identificar outras terras dignas de preservação no estado. Ele forneceu à TNC financiamento inicial para reunir informações que pudessem informar a tomada de decisões sobre conservação e uso da terra, ao mesmo tempo em que contabilizava os impactos sobre a biodiversidade.

Ao estabelecer esse primeiro programa, o cientista-chefe do TNC, Robert Jenkins Jr., optou por se concentrar em características biológicas que precisam de conservação e usar essas informações para sugerir locais prioritários para proteção. As características visadas incluíam espécies e comunidades naturais, ou elementos de diversidade natural.

Programas em West Virginia, Mississippi e Oregon seguiram em 1975. Em 1976, a TNC havia desenvolvido um modelo para expandir a rede do estado emergente: ir aos estados e oferecer a contratação e treinamento de uma equipe de biólogos, estabelecer um centro operacional e, dois anos depois, deixar o estado assumir as operações. Em 1993, a rede dos EUA consistia em organizações em todos os cinquenta estados. Os programas foram formados nos países da América Latina em 1982, e os programas canadenses estabelecidos pela primeira vez em 1988 agora se estendem a todas as províncias e ao território de Yukon.

No início da década de 1990, um grupo de diretores de programas de patrimônio natural começou a desenvolver produtos de informação em toda a rede. Esse esforço levou ao estabelecimento de uma organização independente sem fins lucrativos dedicada a promover os produtos e serviços da rede. Incorporada em 1994 como Association for Biodiversity Information (ABI), essa organização de membros criou a estrutura para a coordenação em toda a rede. Em 1999, a rede de patrimônio natural da TNC e a ABI uniram forças formalmente, com a TNC transferindo seus bancos de dados, equipe profissional, padrões científicos e metodologia para a ABI. Em 2001, tendo crescido em sua forma atual, essa nova organização independente sem fins lucrativos ficou conhecida como NatureServe.

Informação financeiraEditar

O Formulário 990 do IRS de 2011 da NatureServe Inc. lista a receita total de $ 8.680.216 e as despesas totais de $ 8.892.007.[8]

A demonstração financeira auditada do ano fiscal de 2011 da corporação diz que "as notas explicativas são parte integrante dessas demonstrações financeiras".[3] Ele relata "receita total, ganhos e outros suportes" de US$ 9.499.301 e "despesas totais" de US$ 8.913.138.[3] $ 7.932.133 da receita vieram de concessões e contratos, incluindo uma parcela considerável em concessões federais para serviços de mapeamento, avaliações de vida selvagem e outros produtos e serviços.[3] Ele também relata US$ 186.290 em receita de contribuições gerais, US$ 56.470 em receita de taxas de associação e US$ 216.062 em despesas de angariação de fundos.[3]

Algumas contribuições importantes são feitas na forma de doações para projetos específicos. A Fundação MacArthur informou que concedeu US$ 1.191.500 em doações à NatureServe entre 2003 e 2013,[1] e a NatureServe anunciou que a Doris Duke Charitable Foundation concedeu duas doações totalizando quase US$ 800.000 em 2005.[18][19][20] Entre 2004 e 2009, a Gordon and Betty Moore Foundation doou US$ 6,63 milhões, a Nature Conservency doou US$ 3,43 milhões, a Knoblock Family Foundation doou US$ 2,38 milhões e a Doris Duke Charitable Foundation doou US$ 1,21 milhão.[21]

ReferênciasEditar

  1. a b «NatureServe – Macarthur Foundation». Macarthur Foundation. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 21 de abril de 2015 
  2. a b c «GuideStar: Generic-Organization Report, NatureServe». The GuideStar Site. GuideStar USA, Inc. 14 de dezembro de 2013 
  3. a b c d e Mullen Sondberg Wimbish & Stone, PA. «NatureServe, Inc. Financial Statements» (PDF). NatureServe, Inc. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 14 de dezembro de 2013 
  4. a b c d «NatureServe: About Us». NatureServe. NatureServe, Inc. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2014 
  5. «IRS Form 990, 2011: NatureServe, Inc.» (PDF). GuideStar. GuideStar USA, Inc. 14 de maio de 2013. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  6. «History & Milestone: The Nature Conservancy». The Nature Conservency. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  7. a b «IRS Letter of Determination» (PDF). GuideStar. GuideStar USA, Inc. 30 de novembro de 2001. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  8. a b «Nonprofit Explorer – NATURESERVE – ProPublica». ProPublica. Pro Publica Inc. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  9. «NatureServe: Financial Disclosure». NatureServe. NatureServe, Inc. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2013 
  10. «Partners and Technical Support». IUCN Red List. International Union for Conservation of Nature. Consultado em 5 de janeiro de 2011 
  11. a b Harris, J. Berton C.; Reid, J. Leighton; Scheffers, Brett R.; Wanger, Thomas C.; Sodhi, Navjot S.; Fordham, Damien A.; Brook, Barry W. (2012). «Conserving imperiled species: a comparison of the IUCN Red List and U.S. Endangered Species Act». Conservation Letters. 5 (1): 64–72. ISSN 1755-263X. doi:10.1111/j.1755-263X.2011.00205.x  
  12. «IUCN Global Species Assessments». IUCN Red List Assessments. International Union for Conservation of Nature. Consultado em 15 de dezembro de 2013 
  13. «Assessment Process». IUCN Red List. International Union for Conservation of Nature. Consultado em 15 de dezembro de 2013 
  14. «Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas Dedicates Nearly $1 Million for Environmental Causes (Press Release)» (PDF). Mitsubishi Corporation Global Site. Mitsubishi Corp. 4 de dezembro de 2013. Consultado em 15 de dezembro de 2013 
  15. Christopher R. (2011). Documenting and Protecting Biodiversity on Land Trust Projects: An Introduction and Practical Guide First ed. [S.l.]: Land Trust Alliance. pp. 73–75. ISBN 978-0-943915-04-3. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  16. «NatureServe Explorer: An Online Encyclopedia of Life». NatureServe. NatureServe, Inc. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  17. Nicole Silk; Kristine Ciruna (19 de dezembro de 2005). A Practitioner's Guide to Freshwater Biodiversity Conservation. [S.l.]: Island Press. ISBN 978-1-59726-619-2. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  18. Kittrell, JoAnn (10 de dezembro de 2009). «New tool developed to assess vulnerability of species to climate change». Nevada Department of Conservation & Natural Resources. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2014 
  19. Barker, Kristin; Stein, Bruce A. (4 de outubro de 2006). «NatureServe Vista: A GIS-Based Decision Support System for Conservation Planning». Biodiversity Information Standards – TWDG (Taxonomic Databases Working Group). Proceedings of TDWG; 2006. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2013 
  20. «Grants from Doris Duke Charitable Foundation Advance NatureServe's Support for State Wildlife Conservation Strategies (Press Release)» (PDF). NatureServe. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 29 de junho de 2010 
  21. «Donations for Non Profit Organizations: NatureServe». Million Dollar List. Indiana University – Purdue University Indianapolis. Consultado em 14 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 4 de março de 2016 

Ligações externasEditar