New York Herald

O New York Herald era um jornal de grande distribuição baseado na cidade de Nova York que existiu entre 1835 e 1924, quando foi adquirido por seu rival menor, o New-York Tribune, para formar o New York Herald Tribune.[1]

Edifício do New York Herald em 1902

Ele deixou de ser publicado em 1966, após uma prolongada e exaustiva greve com seu sindicato de impressores; sua edição europeia foi adquirida conjuntamente pelo The Washington Post e pelo The New York Times, que a rebatizou de International Herald Tribune. O Times posteriormente ganhou controle total, publicando-o hoje como The New York Times International Edition.[2] New York Magazine, criado como o Tribune Herald revista de domingo em 1963, foi revivida de forma independente em 1968. Ele continua a publicar hoje sob este nome.[3]

HistóriaEditar

A primeira edição do jornal foi publicada por James Gordon Bennett Sênior, em 6 de maio de 1835.[4] O Herald se distinguiu dos jornais partidários da época pela política que publicou em sua primeira edição: "Devemos apoiar nenhum partido - seja o agente de nenhuma facção ou círculo, e não nos importamos com nenhuma eleição, ou qualquer candidato de presidente a policial". Bennett foi o pioneiro na edição "extra" durante a cobertura sensacional do Herald do caso do assassinato de Robinson-Jewett.[5]

 
The New York Herald, 8 de dezembro de 1862

Em 1845, era o jornal diário mais popular e lucrativo dos Estados Unidos.[4] Em 1861, ele circulou 84 000 cópias e se autodenominou "o jornal de maior circulação do mundo".[6] Bennett afirmou que a função de um jornal "não é instruir, mas surpreender e divertir".[7][8] Sua política tendia a ser anticatólica e ele tendia a favorecer a facção Know-Nothing.

Em abril de 1867, Bennett passou o controle do jornal para seu filho James Gordon Bennett Jr.[9] Sob James Jr., o jornal financiou as expedições de Henry Morton Stanley à África para encontrar o explorador David Livingstone, onde se encontraram em 10 de novembro, 1871.[10] O artigo também apoiou a exploração trans-africana de Stanley. Em 1879, apoiou a expedição malfadada de George W. De Long à região do Ártico.

Em 1874, o Herald publicou o boato do Zoológico de Nova York,[11][12] em que a primeira página do jornal foi inteiramente dedicada a uma história inventada de animais selvagens se soltando no Zoológico do Central Park e atacando inúmeras pessoas.

Em 4 de outubro de 1887, James Jr. enviou Julius Chambers a Paris, França, para lançar uma edição europeia. Bennett mudou-se mais tarde para Paris, mas o New York Herald sofreu com sua tentativa de administrar sua operação em Nova York por telegrama. Em 1916, uma edição de sábado do jornal relatou que um grande financista foi encontrado morto por envenenamento; acrescentou que em 1901 ele foi "misteriosamente envenenado e escapou por pouco da morte".[13]

Em 1924, após a morte de James Jr., o New York Herald foi adquirido por seu rival menor, o New York Tribune, para formar o New York Herald Tribune. Em 1959, o New York Herald Tribune e sua edição europeia foram vendidos para John Hay Whitney, então embaixador dos Estados Unidos no Reino Unido.

Em 1966, o jornal de Nova York deixou de ser publicado após uma longa e cara greve dos impressores. O Washington Post e o The New York Times adquiriram o controle conjunto da edição europeia, rebatizando-a como International Herald Tribune. O IHT, renomeado The New York Times International Edition, é agora propriedade integral do The New York Times.[2]

Sua capacidade de entreter o público com notícias diárias oportunas o tornou o jornal de maior circulação de seu período.

Evening TelegramEditar

O New York Evening Telegram foi fundado em 1867 pelo júnior Bennett e foi considerado por muitos como uma edição noturna do Herald. Frank Munsey adquiriu o Telegram em 1920 e interrompeu sua conexão com o Herald.[14]

Referências

  1. Crouthamel, James (1989). Bennett's New York Herald and the Rise of the Popular Press. [S.l.]: Syracuse University Press 
  2. a b Carvajal, Doreen (24 de junho de 2008). «The Times and I.H.T. Study Web Merger». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  3. Sandburg, Carl (1942). Storm Over the Land. [S.l.]: Harcourt, Brace and Company. p. 87 
  4. a b Crouthamel, James (1989). Bennett's New York Herald and the Rise of the Popular Press. [S.l.]: Syracuse University Press. The finished four-page Herald with its circulation of twelve thousand as in 1845 the most popular and profitable daily newspaper in the United States. Its niche was so secure that its success seemed almost inevitable. But Bennett was fifty years old, and his success had come very late, after many years of apparent failure. ... 
  5. Cohen, Daniel (2000). Yellow Journalism. [S.l.]: Twenty-First Century Books. pp. 14–15. ISBN 0761315020 
  6. Sandburg, Carl (1942). Storm Over the Land. [S.l.]: Harcourt, Brace and Company. p. 87 
  7. Katherine Roeder (25 de março de 2014). Wide Awake in Slumberland: Fantasy, Mass Culture, and Modernism in the Art of Winsor McCay. [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. pp. 28–. ISBN 978-1-62674-117-1 
  8. New Outlook. [S.l.]: Outlook Publishing Company, Incorporated. 1892. pp. 489– 
  9. Harris, Gale (21 de novembro de 1995). «Bennett Building» (PDF). New York City Landmarks Preservation Commission. p. 7. Consultado em 5 de setembro de 2020 
  10. Carey, John (18 de março de 2007). «A good man in Africa ?». The Sunday Times. Consultado em 15 de novembro de 2007. His quest to find David Livingstone was financed by his paper, the New York Herald. Nothing had been heard of the great explorer since the previous year, when he was somewhere on Lake Tanganyika. 
  11. Robert E. Bartholomew; Benjamin Radford (19 de outubro de 2011). The Martians Have Landed!: A History of Media-Driven Panics and Hoaxes. [S.l.]: McFarland. pp. 84–85. ISBN 978-0-7864-8671-7 
  12. Connery, T. B. (June 3, 1893). A Famous Newspaper Hoax, Harper's Weekly, p. 534
  13. «Jacques S. Halle dies». The Sun. New York. 2 de dezembro de 1916. p. 5 
  14. «The Telegram Sold to Scripps-Howard». The New York Times. 12 de fevereiro de 1927 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.