Osteonecrose dos maxilares associados a medicamentos

Osteonecrose dos maxilares
associados a medicamentos
Necrose óssea devido à sua exposição.
Sinônimos
  • Osteonecrose dos maxilares induzida por agentes antirreabsortivos (ARONJ)
  • Osteonecrose dos maxilares relacionada a bifosfonatos (BRONJ)
Especialidade Cirurgia bucomaxilofacial
Sintomas Dor
Complicações
Início habitual Pós-cirúrgico oral
Duração Variável
Tipos 3 estágios
Causas Tratamentos radioterápicos contra o câncer e/ou osteoporose associada a cirurgia oral
Fatores de risco
Método de diagnóstico Exposição óssea tardia
Condições semelhantes
Prevenção Relativo
Tratamento
Classificação e recursos externos
CID-10 C43
MeSH D059266
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A osteonecrose dos maxilares associados a medicamentos é uma doença que causa necrose do tecido ósseo dos maxilaresmaxila e mandíbula — em um indivíduo que faz uso regular de medicações que aumentam o risco da patologia, na ausência de um tratamento prévio com radiação. Pode levar a complicações cirúrgicas com a ausência de cicatrização tecidual após cirurgias orais, cirurgias periodontais ou tratamento endodôntico.[3]

Tratamento e manejoEditar

O tratamento dos casos de osteonecrose causada pelos BFs ainda é bastante discutida, variando desde as circunstâncias atuais de saúde geral e oral do paciente à duração do uso e vias de administração do fármaco — via oral ou intravenosa. Diversos protocolos de tratamento foram descritos na literatura, incluindo medidas de higiene bucal, uso de antissépticos bucais, antibióticoterapia sistêmica, desbridamento local, oxigenoterapia hiperbárica, etc.[4]

Em 2011, segundo a American Dental Association (ADA), recomendou que antes de iniciar um tratamento com bifosfonato, o paciente devesse passar por avaliações odontológicas minuciosas e periódicas, realizando possíveis tratamentos a fim de minimizar os riscos futuros — haja vista que qualquer procedimento odontológico mais invasivo, como cirurgias orais, aumenta-se o risco de osteonecrose dos maxilares associada aos bifosfonatos.[5]

Referências

  1. Kemp, Aristilia; Ferreira, Vitor; Mobile, Rafael; et al. «Risk factors for medication-related osteonecrosis of the jaw and salivary IL-6 IN cancer patients». Brazilian Journal of Otorhinolaryngology. doi:10.1016/j.bjorl.2020.09.010. Consultado em 10 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em Novembro de 2020 
  2. Thumbigere-Math, Vivek; Tu, Lam; Huckabay, Sabrina; et al. (Agosto de 2012). «A retrospective study evaluating frequency and risk factors of osteonecrosis of the jaw in 576 cancer patients receiving intravenous bisphosphonates». American Journal of Clinical Oncology. 35 (4): 386–92. PMID 22561331. doi:10.1097/COC.0b013e3182155fcb. Consultado em 10 de janeiro de 2021 
  3. Nase, John B; Suzuki, Jon B (Agosto de 2006). «Osteonecrosis of the jaw and oral bisphosphonate treatment». Journal of the American Dental Association. 137 (8): 1115–9; quiz 1169–70. PMID 16873327. doi:10.14219/jada.archive.2006.0350. Consultado em 10 de janeiro de 2021 
  4. Ruggiero, Salvatore L. (Fevereiro de 2013). «Emerging concepts in the management and treatment of osteonecrosis of the jaw». Oral and Maxillofacial Surgery Clinics of North America. 25 (1): 11–20. PMID 23159218. doi:10.1016/j.coms.2012.10.002. Consultado em 9 de janeiro de 2021 
  5. Hellstein, John W; Adler, Robert A; Edwards, Beatrice; et al. (Novembro de 2011). «Managing the care of patients receiving antiresorptive therapy for prevention and treatment of osteoporosis: executive summary of recommendations from the American Dental Association Council on Scientific Affairs». Journal of the American Dental Association. 142 (11): 1243–51. PMID 22041409. doi:10.14219/jada.archive.2011.0108. Consultado em 9 de janeiro de 2021