Paedophilia : The Radical Case

Livro por Tom O'Carrol

Paedophilia : The Radical Case ("Pedofilia: O caso radical") é um ensaio sobre a pedofilia publicado em 1980, escrito pelo ativista pedófilo com dupla nacionalidade irlandesa e britânica[1] Tom O'Carroll, ex-presidente da associação Paedophile Information Exchange (PIE). No livro, Tom O'Carroll defende a aceitação das relações sexuais consensuais entre adultos e menores e relata a sua experiência no PIE.

Paedophilia : The Radical Case
Autor(es) Tom O'Carroll
Idioma Inglês
País Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido
Gênero Ensaio
Editora Peter Owen
Lançamento 1980
ISBN 0 7206 0546 6

SinopseEditar

Tom O'Carroll baseia-se nos estudos de Sigmund Freud sobre a sexualidade infantil para defender a ideia de que as crianças podem desejar, consentir e desfrutar as relações sexuais com adultos[2]. O autor sustenta que cada etapa da relação sexual entre um adulto e uma criança pode ser "negociada" com "pistas e sinais, verbais e não-verbais, de modo que cada parte indica à outra aquilo que aceita e aquilo que não"[3]. O livro apresenta diversos casos de meninos que mantiveram relações sexuais com adultos, tentando demonstrar que tais experiências foram vivenciadas pelos menores como positivas até que a lei interferiu nelas[4]. No que diz à pretensa "inocência" das crianças quanto à sexualidade, O'Carroll mantem que esta é una conseqüência forçada da desinformação sobre a sexualidade a que eles se encontram expostos.

Recepção críticaEditar

As críticas sobre o livro publicadas na época em jornais e revistas estiveram muito divididas, e foram do desdem mordaç[5][6][7] até o apoio firme e total ao autor e às suas teses.[8][9] A imprensa gay foi bastante compreensiva.[10] Jim Monk, de The Body Politic, chegou a dizer: "Algum dia haverá uma escola que levará o nome de Tom O'Carroll".[11]

A resposta do mundo acadêmico não foi tão imediata, mas ela foi contundente. Prova disso é que Google Acadêmico contém mais de noventa referências à obra. O sexólogo Richard Green inclui o livro de O'Carroll entre as suas leituras recomendadas para os estudantes de criminologia da Universidade de Cambridge e em 2000 convidou o autor para falar na assembleia anual em Paris da Academy of Sex Researche.[12]

Referências

  1. Case of European Court of Human Rights, 15 de março 2005.
  2. O'Carroll, Tom. Capítulo 2: Children's Sexuality: What Do We Mean?. Em: Paedophilia: The Radical Case. Londres: Peter Owen, 1980. ISBN: 0 7206 0546 6.
  3. O'Carroll, Tom. Paedophilia: The Radical Case. Londres: Peter Owen, 1980. ISBN: 0 7206 0546 6.
  4. O'Carroll, Tom. Capítulo 3: The 'Molester' and His 'Victim'. Em: Paedophilia: The Radical Case. Londres: Peter Owen, 1980. ISBN: 0 7206 0546 6.
  5. Mary-Kay, Wilmers. "Young Love" (em inglês). London Review of Books, vol. II, nº 23 (4-12-1980), pp. 9-10.
  6. Rycroft, Charles. "Sensuality from the start". Times Literary Supplement (21-11-1980)
  7. Rae, John. "Suffer little children" (em inglês). Times Educational Supplement (17-10-1980).
  8. Yaffé, Maurice. "Age of Consent". New Statesman (novembro 1980), p. 31.
  9. Taylor, Eric. "Too young to love?" (em inglês). New Society (30-10-1980), p. 246.
  10. Hamilton, Wallace. "'Honor Thy Son'" (em inglês). Christopher Street (fevereiro 1981), pp. 55-57.
  11. Monk, Jim. "'The subject that refuses to go away'". The Body Politic (novembro 1981), pp. 31-32.
  12. Mega, Marcello. "If no rules have been broken, perhaps the rulebook requires some attention?" (em inglês). Times Higher Education Supplement, 23-11-2001.

Ligações externasEditar