Abrir menu principal


Como ler uma infocaixa de taxonomiaLeão-sul-africano
Leão-sul-africano, macho selvagem
Leão-sul-africano, macho selvagem
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Carnivora
Subordem: Feliformia
Família: Felidae
Subfamília: Pantherinae
Género: Panthera
Espécie: P. leo
Subespécie: P. l. krugeri
Nome trinomial
Panthera leo krugeri
Roberts, 1929

O Leão-sul-africano (Panthera leo melanochaita), também chamado de leão-da-áfrica-do-sul e leão-do-transvaal é uma população de leão sul e leste africanoque habita o Transvaal e a Namíbia. É actualmente a maior subespécie de leão. Os machos pesam de 150 a 250 kg.[1]

Também é chamada de leão-da-namíbia ou leão-do-kruger, em referência ao Parque Nacional Kruger.

Outra descrição desta população de leão também inclui o leão-do-kalahari, por vezes chamado de Panthera leo verneyi, ou leão-de-verney.

Índice

CaracterísticasEditar

Eles pesam de 150 a 250 kg, possuem em média 2,60 metros de comprimento, incluindo a cauda. Possuem entre 92 cm e 1,23 m de altura na cernelha. As fêmeas pesam de 110 a 182 kg, e possuem em média 2,35 metros de comprimento total.

Leão brancoEditar

 
leão-branco em cativeiro

O leão-sul-africano possuí uma particularidade, alguns exemplares são brancos. Essa variação de cor é devido a uma mutação genética chamada leucismo, por este motivo leões brancos não são albinos, assim como seu parente distante o Tigre branco. [2] [3]

Habitat e distribuiçãoEditar

O leão-sul-africano habita savanas, pradarias e regiões semi-áridas. É a subespécie de leão africana mais meridional e ocorre desde o sul da Namíbia até o sudeste de Moçambique.[1]

DietaEditar

O leão-sul-africano alimenta-se de vários mamíferos herbívoros, tais como zebras, búfalos, javalis, gnus e damaliscos. Em raras ocasiões também podem caçar girafas e rinocerontes-brancos. Os leões de juba negra do deserto de Kalahari também se alimentam de babuínos. [1]

História evolutivaEditar

De acordo com uma recente pesquisa genética, o extinto leão-do-cabo, anteriormente descrito como uma subespécie separada, não é significativamente diferente de outros leões-sul-africanos. Portanto, o leão-do-cabo representava uma população mais meridional do leão-sul-africano.[4]

ConservaçãoEditar

Há mais de 2000 leões desta subespécie bem protegidos no Parque Nacional Kruger. Além disso cerca de 100 leões estão registrados no International Species Information System(Sistema Internacional de Informação de Espécies).[5]

Projetos de reintroduçãoEditar

Em 28 de junho de 2015, a rede de Parques africanos realocou alguns leões-sul-africanos para o parque Akagera em Ruanda. Optaram por substituir com esta subespécie a região que era originalmente habitada por uma população do Leão-núbio(Panthera leo nubica), exterminada deste local depois de um genocídio realizado em 1994.[6]

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Panthera leo krugeri

Referências

  1. a b c «Leão africano» (em inglês). The big zoo. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  2. «Leão-sul-africano branco» (em inglês). Zoo portraits. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  3. «Leão (Panthera leo)». Curiosidades biológicas. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  4. «Populações perdidas e conservação da diversidade genética dos leões» (PDF) (em inglês). ABC Zoo. Consultado em 27 de Dezembro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 24 de agosto de 2006 
  5. «Origem, diversidade e conservação do leão moderno» (em inglês). NCBI. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  6. «Reintrodução de leões no Parque Nacional Akagera» (em inglês). The Guardian. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  Este artigo sobre Felídeos, integrado ao WikiProjeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.